Wehrlein diz que lesão nas costas atrasou preparação física e apoia ausência do GP da Austrália

Pascal Wehrlein garantiu que não sente mais dores nas costas, razão pela qual ficou de fora da primeira sessão de testes de pré-temporada em Barcelona. Mas o tempo que ficou parado para se recuperar da lesão — resultado do forte acidente na Corrida dos Campeões no último mês de janeiro — causou o atraso na sua preparação física. Assim, o alemão não se sentiu seguro para correr em Melbourne

 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Definitivamente, 2017 começou todo errado para Pascal Wehrlein. No mês de janeiro, o jovem alemão teve a confirmação de que não teria a sonhada chance de correr na Mercedes, que optou por contratar Valtteri Bottas para substituir Nico Rosberg. Alocado como titular da Sauber, Wehrlein disputou a Corrida dos Campeões, em Miami, e sofreu um forte acidente que envolveu também Felipe Massa. A batida lhe causou uma lesão nas costas que o afastou da primeira sessão de pré-temporada. E essa lesão acabou por atrasar seu trabalho de preparação física.

 
Tão logo começou a acelerar na Austrália, na sexta-feira, Wehrlein sentiu o quão exigentes são os novos carros da F1. O piloto enfrentou dificuldades para completar os long-runs, as simulações de corrida programadas pela Sauber, e não se viu 100% em condições físicas para continuar no carro no fim de semana. Na manhã deste sábado (25), em Melbourne, a equipe suíça anunciou que o alemão não corre na etapa que abre a temporada 2017 do Mundial de F1. Wehrlein já foi substituído neste fim de semana pelo jovem italiano Antonio Giovinazzi.

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 3
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);

Wehrlein concede coletiva neste sábado em Melbourne. O alemão será substituído na Sauber por Antonio Giovinazzi (Foto: Reprodução/Twitter)

Wehrlein disse que está totalmente recuperado da lesão nas costas. Pascal foi examinado pela junta médica do Mundial de F1 antes de se sentar no C36 e foi liberado para correr. No entanto, o problema que o impediu de disputar o GP da Austrália foi outro, embora tenha relação indireta com a lesão sofrida em Miami.

 
“Cada situação é diferente. Tive uma lesão nas costas e não consegui treinar tão forte quanto queria. É isso. Mas é diferente. Não nos sentimos confortáveis para correr neste fim de semana”, explicou Wehrlein durante entrevista coletiva no começo da tarde.
 
“A lesão [nas costas] aconteceu, eu acho, há nove semanas, e esse foi o momento em que você só tem de se preparar da melhor forma possível para a temporada. A lesão me colocou um passo atrás, e só agora eu estou chegando lá. Senti que estava tudo ok, mas não para completar a distância de uma corrida”, declarou. “Ontem no carro, durante os long-runs, senti isso muito mais que em distâncias curtas”, acrescentou.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Monisha Kaltenborn, chefe de equipe da Sauber, entendeu a decisão de Wehrlein e o apoiou. “Para a equipe, o que importa é o que o piloto diz, e se o piloto diz não está 100% para corresponder da forma que o piloto também quer, nós não vamos correr nenhum risco de forma desnecessária. Nós lidamos com isso e encontramos uma solução que deve funcionar bem”, disse a dirigente indo-austríaca.

 
A expectativa da chefe da Sauber é que Wehrlein esteja pronto para voltar ao cockpit da Sauber dentro de duas semanas, quando a F1 vai realizar sua segunda etapa na temporada 2017, o GP da China.
 
PADDOCK GP #70 FAZ PRÉVIA DE ABERTURA DAS TEMPORADAS DE F1 E MOTOGP E LEMBRA PACE

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube