Campeão incontestável, Vandoorne toma ponta na largada e dispara para vencer primeira prova da GP2 no Bahrein

Stoffel Vandoorne precisou de um único movimento para vencer a corrida um da GP2 nesta segunda passagem pelo Bahrein em 2015 - ultrapassar Pierre Gasly na largada. Depois disso, apenas disparou e não deu qualquer aparência que iria diminuir o ritmo

Chega a ser impressionante o tamanho da diferença de Stoffel Vandoorne para basicamente todo o resto do grid da GP2. O belga, piloto reserva e futura esperança da McLaren na F1, fez com a primeira corrida do final de semana no Bahrein, nesta sexta-feira (20), o que fez com toda a temporada: dominou completamente. De forma inconteste, Vandoorne largou melhor que o pole Pierre Gasly e então disparou como se tivesse um F1 disponível.
 
Por quase toda a prova, Vandoorne aparecia quase 3s mais veloz que o resto dos pilotos. Não tinha sequer graça. Foram 14s de frente a fim da prova para o segundo colocado, Nobuharu Matsushita – uma dobradinha da Art e a sexta vitória do belga no ano.
 
Matsushita não aparecia na briga pelas primeiras posições de começo, mas fez uma excelente prova para se colocar em posição de ataque – e por não demorar a buscar as ultrapassagens. Quando teve campo aberto, no fim, deixou o terceiro colocado comer a vasta poeira barenita.
 
Com boa vantagem para o resto do grid, Mitch Evans fechou o pódio. O #9 só apareceu como candidato a um dos três lugares após a última janela de pit-stop, sublinhando a boa estratégia da equipe RT.
Stoffel Vandoorne venceu a primeira prova no Bahrein (Foto: GP2)
Na briga pelo vice-campeonato, Alexander Rossi esteve bem próximo de confirmar a posição. Era terceiro, mas chegou com muito olho grande para atacar Evans e disparar no segundo lugar – errou, bateu e quebrou o bico. Terminou só no 18ª posto, enquanto Ryo Haryanto foi sétimo e cortou a diferença para 37,5 pontos.
 
Raffaele Marciello, Sergey Sirotkin, Pierre Gasly, Haryanto, Alex Lynn, Jordan King e Arthur Pic encerraram o top-10. Oitavo, será Lynn o pole-position na corrida do sábado de acordo com as regras do grid invertido. O brasileiro André Negrão terminou na 17ª colocação.
 
A prova do sábado larga às 4h45 (de Brasília).

Confira como foi a corrida:

Com Pierre Gasly na ponta, Artem Markelov teve de largar nos boxes. Na casa da estratégia , Dean Stoneman, Nathanaël Berthon, Marlon Stöckinger, Sean Gelael optaram pelos pneus macios.
 
Logo na largada, o campeão Stoffel Vandoorne saltou e passou por Gasly sem que o francês patrocinado pela Red Bull tivesse muitas chances. Raffaele Marciello, esse bancado pela Ferrari, vinha na terceira colocação.
 
Logo na terceira volta, Vandoorne já se aproximava de vantagem de 2s5 de Gasyl, enquanto Norman Nato atacava Marciello, mas ficava para trás. Alex Lynn veio no rescaldo para punir Nato pelo fracasso, mas também não foi. Quem passou mesmo foi Marciello, deixando Gasly com o P3.
 
Enquanto o francês tentava voltar ao sexto lugar, Mitich Evans tomava o quinto lugar de Lynn. Pelo último posto da zona de pontuação, Ryo Haryanto passou Sergey Sirotkin. Sem muita parcimônia, Rossi aproveitou o embalo de um Lynn nervoso e ganhou a oitava colocação. 
 
E quem apareceu do nada para escalar o pelotão? Nobuharu Matsushita, companheiro de Vandoorne na Art, foi passando um a um. Na 11ª volta, quem caiu foi Gasly, e o japonês já tomava a quarta colocação para o piloto das graças da Honda.
 
Após um passão de Daniel de Jöng, Markelov, então no 18º posto, desistiu da corrida. Tinha problemas desde o início, tanto que largou do pit-lane, e decidiu abandonar.
16ª volta quando Sirotkin travou os pneus com força para passar Haryanto. A freada tardia não funcionou, e o russo foi na área de escape. Não apenas Haryanto foi-se embora: Jordan King por dentro e Lynn por fora o deixaram para trás. Com os pneus em estado absolutamente lamentável, Sirotkin preferiu ir aos boxes e deixar o 11º posto.
 
Na briga pelo pódio, Matsushita terminava, enfim, a longa perseguição a Nato e tomava o terceiro posto. Gasly tentou ir junto, mas não conseguiu fazer o mesmo – porém continuou em cima.
 
King, no 18º giro, tomou a decisão mais insana da corrida quando seguiu lado a lado com Haryanto como se fosse aos boxes. Desta forma, chegou a emparelhar no funil que carrega os carros ao pit-lane quando decidiu que 'obrigado, mas não, obrigado' e pouco antes do muro resolveu ficar na pista.

Ainda antes das paradas, Gasly conseguiu passar Nato e retomar o quarto lugar. Na frente, a diferença era flagrante. Enquanto a maioria do grid rodava a 1min49s, Vandoorne girava a 1min47s e tinha 13s de frente.
 
A janela de parada nos boxes veio, embolando um pouco a ordem. Nato voltou a ganhar a posição de Gasly, o que deu numa boa briga na volta seguinte. Gasly passou, mas apenas para o nono lugar agora.
 
Vandoorne seguiu na frente e muito mais rápido que todo mundo, mas eram Evans e Rossi com P3 e P4. Só que, na 25ª volta, o norte-americano da Racing – e da Manor na F1 -, tirou as cartas da manga para ganhar o segundo lugar da prova e disparar na mesma colocação do campeonato. Só que acabou cravando o bico do carro na RT de Evans – fim de briga para ele. Com o terceiro posto ficou, então, Matsushita.
Mas não por muito tempo. O japonês fez valer seu grande dia e o carro da Art e foi para cima de Evans. Mitch não tinha um grande ritmo, então não teve como segurar – e nem quis se arriscar muito para o que era uma boa vantagem para quem vinha fora do pódio. 
 
Lá atrás, pela 17ª posição, André Negrão passou De Jöng. Quem também acabou deixando o holandês para trás foi Rossi, de volta dos boxes e com um novo bico.
 
No fim das contas, Vandoorne venceu pela sexta vez na temporada: 13s5 de vantagem. Matsushita e Evans completaram o pódio, com Marciello, Sirotkin, Gasly, Haryanto, Lynn, King e Pic encerraram o top-10 e pontuaram. Na disputa para o segundo lugar do campeonato, o indonésio Haryanto cortou a vantagem de Rossi para 37,5 pontos.

GP2, Bahrein, Corrida 1, Resultado final:

1 STOFFEL VANDOORNE BEL ART 53:13.597 32 voltas
2 NOBUHARU MATSUSHITA JAP ART +13.526  
3 MITCH EVANS NZL RUSSIAN TIME +17.617  
4 RAFFAELE MARCIELLO ITA TRIDENT +20.494  
5 SERGEY SIROTKIN RUS RAPAX +21.924  
6 PIERRE GASLY FRA DAMS +22.622  
7 RIO HARYANTO INA CAMPOS +26.972  
8 ALEX LYNN ING DAMS +30.590  
9 JORDAN KING ING RACING ENGINEERING +31.312  
10 ARTHUR PIC FRA CAMPOS +41.514  
11 NATHANAËL BERTHON FRA LAZARUS +43.621  
12 SERGIO CANAMASAS ESP MP +45.597  
13 MARLON STÖKINGER SUI STATUS +47.319  
14 NICHOLAS LATIFI FRA MP +49.854  
15 ARTEM MARKELOV RUS RUSSIAN TIME +56.728  
16 GUSTAV MALJA SUE RAPAX +57.380  
17 ANDRÉ NEGRÃO BRA ARDEN +59.439  
18 ALEXANDER ROSSI EUA RACING ENGINEERING +59.845  
19 DANIËL DE JONG HOL TRIDENT +1:00.613  
20 RENÉ BINDER HOL MP +1:00.700  
21 DEAN STONEMAN ING CARLIN +1:08.684  
22 OLIVER ROWLAND ING STATUS +1:11.829  
23 SEAN GELAEL MON CARLIN +1 volta  
24 NORMAN NATO AUT ARDEN +1 volta  

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube