F2

De Vries toma ponta na largada e vence corrida 1 da F2 na França. Sette Câmara é 2º

Não se vence uma corrida na largada, mas Nyck de Vries mostrou que é possível fazer boa parte do serviço. O holandês saltou de quarto para primeiro nos metros iniciais, depois construindo vantagem sobre Sérgio Sette Câmara e Jack Aitken

Grande Prêmio / VITOR FAZIO, de Berlim
A largada foi a chave para o sucesso na corrida 1 da Fórmula 2, realizada neste sábado (22) em Paul Ricard. Nyck de Vries, quarto no grid, partiu como um foguete e tomou a liderança ainda nos primeiros metros. Foi suficiente para controlar os rivais diretos ao longo de 30 voltas e partir para uma vitória crucial na luta pelo título.
 
De Vries se aproveitou de uma largada ruim dos dois pilotos na primeira fila. Sérgio Sette Câmara, pole, não teve velocidade suficiente e caiu para terceiro, atrás também de Jack Aitken. Guanyu Zhou, por sua vez, foi de segundo para quarto.
 
Com De Vries sumindo no horizonte, a grande briga passou a ser pelo segundo lugar. Aitken se segurou em segundo na maior parte do tempo, mas acabou ultrapassado por Sette Câmara na penúltima volta.
 
Zhou cruzou a linha de chegada com o mesmo quarto lugar da primeira volta. Latifi foi quinto, garantindo pontos em uma atuação não tão brilhante. Jordan King, Juan Manuel Correa, Anthoine Hubert, Nobuharu Matsushita e Giuliano Alesi fecharam a zona de pontos.
Nyck de Vries (Foto: Reprodução)
Saiba como foi a corrida 1 da F2 em Paul Ricard

A largada foi difícil para Sérgio Sette Câmara, que caiu de primeiro para terceiro em questão de metros. O brasileiro vinha lado a lado com os outros pilotos das duas primeiras filas, quando um líder inusitado surgiu: Nyck de Vries tomou a liderança, mesmo partindo do quarto lugar no grid. Jack Aitken tomou o segundo lugar, enquanto Sette Câmara apareceu em terceiro.
 
Mais atrás, a corrida ganhava contornos caóticos. Na chicane das curvas 3 e 4, Sean Gelael atrasou demais a freada e, na tentativa de não acertar ninguém, puxou o carro para a direita. Não deu certo: o indonésio encheu a lateral do companheiro Mick Schumacher, forçando abandono duplo para a equipe Prema. Nikita Mazepin e Ralph Boschung se envolveram no enrosco, também abandonando.
Sean Gelael encheu o carro de Mick Schumacher (Foto: Reprodução)
O safety-car virtual foi acionado enquanto fiscais limpavam a pista. Pouco depois, Dorian Boccolacci quebrou na pista, em posição que forçou o acionamento de bandeira vermelha.

A relargada veio após 15 minutos de paralisação. De Vries fez sua parte, abrindo 1s de vantagem sobre Aitken. Sette Câmara aproveitou a largada não tão boa do britânico para se aproximar, mas ainda sem tentar ultrapassagem. Zhou, Ilott, Latifi, Matsushita, Correa, Delétraz e Ghiotto completavam a zona de pontos após a primeira volta em bandeira verde.
 
A volta 8 trouxe as primeiras manobras estratégicas. Sette Câmara veio aos boxes, assim como Aitken. Matsushita e Calderón, mais atrás, optaram por fazer o mesmo.
 
De Vries esperou uma volta a mais e quase se complicou. O holandês voltou atrás de Aitken, mas colado na briga pelo que viria a valer a liderança quando todos parassem. Sem perder tempo, Nyck deu o troco na chicane da Mistral para voltar a ficar na frente. Sette Câmara seguia atrás dos dois.
 
Enquanto isso, Ghiotto era o líder provisório. Correa e King, também com pneus velhos, vinham atrás. Mas andar com menos aderência tinha um preço caro: De Vries, Aitken e Sette Câmara conseguiam costurar o pelotão sem muitas dificuldades.
Sérgio Sette Câmara (Foto: FIA Fórmula E)
Falando em dificuldades, o dia de Latifi não corria tão bem assim. O canadense, que já havia parado, estava em 12º. O ritmo não era tão bom assim, o que permitia ser ultrapassado por Ilott em briga por posição. O piloto da DAMS ainda estaria na zona de pontos quando todos parassem, mas em posição de pouco destaque.
 
Ilott, depois de passar Latifi, veria a corrida se complicar. O britânico se enroscou com Matsushita em disputa por posição, rodando e deixando o carro morrer na beira da pista. Era fim de prova e necessidade de safety-car virtual na volta 15 de 30.

O safety-car foi breve. Tão logo a bandeira verde voltou a ser acionada, Sette Câmara foi para a ofensiva: o brasileiro tentou manobra ousada sobre Aitken por fora na chicane da Mistral. Deu errado: Sérgio escapou e não conseguiu firmar a manobra.
 
Restavam 10 voltas para o fim quando o resto dos pilotos, que largaram com pneus médios, vieram aos boxes. Hubert abriu o ciclo, indicando que os outros quatro – Ghiotto, Correa, King e Alesi – fariam o mesmo em breve.
 
E assim aconteceu. Ghiotto foi aos boxes e voltou na frente de Zhou, em quarto, mas com pneus frios. Isso foi o convite que o chinês precisava para fzer uma inesperada ultrapassagem por fora na curva 3.
 
Ghiotto depois ainda perderia posição para Latifi, que vinha mais rápido. Pelo rádio, o italiano reclamava de problemas no volante. O ponto final foi um toque com Correa: Luca espremeu demais o rival, tocando o pneu dianteiro direito e quebrando a suspensão.

Restava apenas uma briga em aberto nas últimas voltas. Sette Câmara finalmente se reaproximou de Aitken, mas tinha pouco tempo para tentar algo. A diferença entre os dois era de menos de 1s restando duas voltas. Não foi problema: Sérgio encontrou um caminho e carimbou um segundo lugar.

F2 2019, Paul Ricard, corrida 1:

1 N DE VRIES ART 30 voltas  
2 S SETTE CÂMARA DAMS +8.3  
3 J AITKEN Campos +9.7  
4 G ZHOU UNI-Virtuosi +20.1  
5 N LATIFI DAMS +22.5  
6 J KING MP +24.1  
7 J CORREA Charouz +28.6  
8 A HUBERT Arden +29.9  
9 N MATSUSHITA Carlin +32.8  
10 G ALESI Trident +39.7  
11 T CALDERÓN Arden +1:09.3  
12 M RAGHUNATHAN MP +1 volta  
13 L GHIOTTO UNI-Virtuosi +6 voltas NC
14 L DELÉTRAZ Carlin +8 voltas  
15 C ILOTT Charouz +17 voltas NC
16 D BOCCOLACCI Campos +29 voltas NC
17 M SCHUMACHER Prema +30 voltas NC
18 N MAZEPIN ART +30 voltas NC
19 S GELAEL Prema +30 voltas NC
20 R BOSCHUNG Trident +30 voltas NC