Schumacher aproveita drama de Ilott nos boxes e vence corrida 1 da F2 em Monza

Callum Ilott trilhava o caminho da vitória em Monza, mas demorou para deixar os boxes após troca de pneus. O problema entregou a liderança para Mick Schumacher, que venceu pela primeira vez na temporada. Brasileiros não pontuaram

Mick Schumacher deixou impressão negativa após bater na classificação da Fórmula 2, mas deixou tudo no passado com a corrida deste sábado (5). O piloto alemão, contando com uma largada incrível e uma dose de sorte, assumiu a liderança ainda cedo na corrida 1 em Monza e tratou de encaminhar a primeira vitória na temporada 2020.

A largada teve Schumacher saindo de sétimo para segundo em questão de metros. O problema era Callum Ilott, que liderava com tranquilidade. Só que tudo mudou quando o britânico empacou no pit-lane após a troca de pneus, perdendo segundos cruciais. Mick virou líder e abriu vantagem confortável sobre Luca Ghiotto, que cruzou a linha de chegada em segundo.

Mick Schumacher dominou após problemas de Callum Ilott (Foto: Reprodução/Twitter)

Christian Lundgaard terminou em terceiro após ser ultrapassado por Ghiotto nas voltas finais. Yuki Tsunoda surgiu em quarto, com Guanyu Zhou em quinto.

Ilott recuperou o que pôde nas voltas finais, terminando em sexto após os contratempos nos boxes. Dan Ticktum, Louis Delétraz, Robert Shwartzman e Jehan Daruvala completaram a zona de pontos.

Para os brasileiros, a corrida foi frustrante. Pedro Piquet ganhou terreno na corrida, mas só alcançou o 12° lugar e não pontuou. Felipe Drugovich, com largada ruim, nunca se recuperou e surgiu apenas em 16°. Guilherme Samaia manteve temporada desastrosa com um 21° lugar, último dentre os que viram a bandeira quadriculada.

O campeonato, mais acirrado dos últimos anos, fica agora com um empate. Shwartzman e Ilott somam 134 pontos, com o russo à frente nos critérios de desempate. Schumacher é terceiro com 131, enquanto Tsunoda soma 123. Até mesmo Lundgaard (104), Zhou (102) e Mazepin (101) se permitem sonhar com a taça.

Saiba como foi a corrida 1 da Fórmula 2 em Monza

A largada teria o pneu macio predominante entre os primeiros colocados. Só Mazepin optou por partir com médios nas primeiras filas, apostando as fichas na estratégia inversa.

A largada foi tranquila para Ilott, que se segurou em primeiro. A surpresa foi Schumacher, que largou em sétimo e já estava em segundo na altura da primeira curva. Lundgaard, Tsunoda, Ghiotto, Mazepin, Nissany, Delétraz, Ticktum e Daruvala eram os outros pilotos na zona de pontos. Shwartzman, líder do campeonato, seguia apenas em 15°.

Ilott não conseguia abrir vantagem. Após três voltas, o britânico seguia com Schumacher imediatamente atrás. Na abertura do quarto giro, o alemão já ensaiou uma ultrapassagem na primeira chicane. E era hora de forçar uma manobra: logo atrás, Tsunoda passou Lundgaard e passou a crescer nos retrovisores de Mick.

Mick Schumacher ainda não tinha vencido em 2020 (Foto: Reprodução/Twitter)

Na volta 6, loucura. Tsunoda tentou se defender de Lundgaard e Ghiotto e começou a se movimentar na pista. O italiano precisou reagir de última hora para evitar um acidente feio. O dinamarquês subiu para terceiro mais uma vez, com o japonês voltando ao quarto lugar.

Mais atrás, a estratégia de corrida virava um fator. Shwartzman optou por parar mais cedo, tentando se livrar do tráfego para ganhar posições. Lundgaard abdicou do terceiro lugar e fez o mesmo. Os dois teriam que manter os pneus médios por 32 voltas.

Foi só na volta 11 que outros pilotos do primeiro pelotão foram aos boxes. Ilott e Tsunoda fizeram seus pits, enquanto Schumacher optava por seguir em frente com os macios.

No pit-lane, desastre para o líder da corrida: Ilott deixou o carro morrer após trocar pneus e precisou ser empurrado pelos mecânicos. Foram segundos preciosos perdidos, que bastariam para Schumacher assumir a primeira posição. O alemão confirmou isso com a parada na volta 13, assumindo a liderança virtual. Lundgaard, Tsunoda, Delétraz, Shwartzman, Armstrong, Piquet e Ilott fechavam a ordem dentre os que já tinham feito o pit obrigatório.

Callum Ilott precisou ser empurrado para pegar no tranco e deixar os boxes (Foto: Reprodução/TV)

Ticktum, por sua vez, assumia a liderança dentre os pilotos com pneus médios. A primeira posição era provisória, mas dava ao britânico tranquilidade para conseguir ritmo constante e cuidar dos pneus. Quem não conseguia isso era Mazepin: o russo primeiro se enroscou com Nissany, passeando pela brita, e depois viu o carro perder potência momentaneamente antes de voltar ao ritmo normal.

Foi só na altura da volta 19 que todo mundo fez o pit obrigatório, retomando a ordem natural da corrida. Schumacher ainda tinha Lundgaard atrás, mas agora com 3s6 separando os dois. O dinamarquês também fazia corrida isolada, com 4s5 de folga para Ghiotto. A primeira grande briga era pelo quarto lugar: Tsunoda era acompanhado de perto por Delétraz e Shwartzman.

Atrás desses surgia um Ilott endiabrado. O britânico estava em sétimo e provando que, não fosse o problema nos boxes, seria o favorito à vitória. O piloto da UNI-Virtuosi fazia voltas incríveis e escalava o grid. Primeiro, ultrapassagem sobre Shwartzman. Depois, sobre Delétraz. O desgaste de pneus começou a pesar em seguida, impedindo uma caçada ao pódio.

Enquanto isso, Schumacher seguiu pilotando com tranquilidade. O alemão não foi ameaçado de forma alguma e venceu a primeira em 2020.

F2 2020, Monza, corrida 1:

1M SCHUMACHERPrema30 voltas
2L GHIOTTOHitech+3.1
3C LUNDGAARDART+7.3
4Y TSUNODACarlin+9.2
5G ZHOUUNI-Virtuosi+12.5
6C ILOTTUNI-Virtuosi+15.1
7D TICKTUMDAMS+15.2
8L DELÉTRAZCharouz+17.5
9R SHWARTZMANPrema+18.2
10J DARUVALACarlin+21.1
11J VIPSDAMS+23.9
12P PIQUETCharouz+25.0
13J AITKENCampos+27.8
14M ARMSTRONGART+28.3
15N MATSUSHITAMP+28.6
16F DRUGOVICHMP+29.2
17A MARKELOVHWA+29.9
18G ALESIHWA+30.3
19R NISSANYTirdent+33.0
20M SATOTrident+51.4
21G SAMAIACampos+52.4
22N MAZEPINHitech+6 voltasNC

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube