Pourchaire escapa de confusão e vence corrida 1 louca da F3 na Hungria

Théo Pourchaire viu rivais sofrendo em uma prova traiçoeira no Hungaroring, com água, óleo e acidentes. O francês de 16 anos manteve tudo sob controle e venceu com autoridade

O sábado (18) no Hungaroring começou com uma corrida das mais intensas na Fórmula 3. Teve pista úmida e suja de óleo, isso com pilotos inexperientes andando com pneus de pista seca. Os acidentes vieram aos montes nas voltas iniciais, tirando protagonistas de combate. Melhor para Théo Pourchaire, que disparou na liderança e conseguiu triunfo tranquilo.

Pourchaire liderou desde a primeira volta. No começo, pareceu vulnerável aos ataques de Oscar Piastri, mas sustentou posição. O australiano, por sua vez, perdeu rendimento na metade final da prova e precisou se esforçar para segurar o companheiro Logan Sargeant e cruzar a linha de chegada em segundo.

Bent Viscaal cruzou a linha de chegada em quarto, superando o companheiro Richard Verschoor no apagar da luzes. Sebastián Fernández foi sexto, com Alex Peroni em sétimo. Dennis Hauger, Clément Novalak e David Beckmann completaram a zona de pontos.

Logan Sargeant, momentaneamente em primeiro, tirou Aleksandr Smolyar, rodando, da prova (Foto: Reprodução/TV)

Os brasileiros voltaram a ficar sem pontos. Enzo Fittipaldi fazia bela corrida, chegando a ocupar a sétima posição. Entretanto, recebeu drive-through por infração no período de bandeira vermelha e ficou em 19°. Igor Fraga, em prova sem muitos destaques, acabou em 15°.

A loucura da prova ficou limitada às primeiras voltas. Para começo de conversa, o pole Aleksandr Smolyar foi vítima de Sargeant, que perdeu controle na largada. O russo foi atingido e abandonou no ato, com o americano seguindo na prova quase por milagre.

Poucas voltas depois, uma explosão pirotécnica do motor de Liam Lawson causou longa bandeira vermelha. É que o piloto lavou as curvas 1 e 2 de óleo

Saiba como foi a corrida 1 da F3 na Hungria

Pista úmida, suja de óleo, pilotos com pneus macios. A combinação desses três elementos indicava uma largada caótica na F3.

E assim foi. Pole, Smolyar tentava contornar a primeira curva tranquilamente. Isso até ser pego de surpresa por Sargeant, que perdeu controle na freada e acertou o russo, indefeso, que precisou abandonar. O americano seguiu na prova, mas com carro danificado. Mais atrás, Vesti e Williams se chocavam e eram forçados a abandonar. Safety-car acionado, com Pourchaire assumindo a liderança.

A relargada veio na terceira volta. Pourchaire seguiu liderando, mas claramente com menos ritmo do que o segundo colocado, Piastri. Quem realmente sofria era Sargeant, terceiro, mas com danos da largada. O americano fazia pilotagem muito ousada para segurar Lawson e Fernández, quarto e quinto.

Liam Lawson sofreu uma falha completa do motor (Foto: Reprodução)

E aí a corrida voltou a ficar louca: o motor de Lawson explodiu, soltando labaredas e enchendo a pista de óleo. A bandeira vermelha foi acionada para que fiscais pudessem espalhar pó antiderrapante sobre os trechos afetados no asfalto. Na paralisação, a zona de pontos tinha os seguintes pilotos: Pourchaire, Piastri, Sargeant, Fernández, Viscaal, Verschoor, Fewtrell, Fittipaldi, Peroni e Hauger. Fraga, outro brasileiro no grid, estava em 18°.

A prova só recomeçou após quase 30 minutos de paralisação. A relargada foi de cautela para a maioria. Fittipaldi, entretanto, tratou de atacar e superar Fewtrell, virando sétimo colocado. Só que o brasileiro recebeu a pior notícia possível em seguida: por infração no período de bandeira vermelha, quando saiu da área designada no pit-lane, o piloto recebeu um drive-through.

A prova seguiu com maior tranquilidade e pilotos cautelosos. Salvo ultrapassagens de Verschoor sobre Viscaal e Fernández, a zona de pontos ficou intocada. Pourchaire, que parecia muito vulnerável contra Piastri, faz corrida muito diferente agora: o francês abriu vantagem de mais de 5s, isso com 16 de 22 voltas já disputadas.

Enquanto Pourchaire sobrava, Piastri começava a encarar problemas. Sargeant melhorou o ritmo na comparação com o visto no começo da prova e já parecia capaz de sonhar com um segundo lugar. O americano trazia junto Verschoor, que já sentia cheiro de pódio.

No apagar das luzes, Verschoor viu um possível pódio terminar em derrota para companheiro de equipe. Viscaal fez manobra audaciosa sobre o compatriota e assegurou o quarto lugar. Isso enquanto Pourchaire vencia com sobras.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube