Presidente da FIA se alarma e demonstra preocupação com ‘falta de educação’ dos pilotos da F3 Europeia

“Precisamos elevar ainda mais a educação dos jovens pilotos”, disse Jean Todt depois de mais um grave acidente na F3 Europeia, agora na etapa de Spa-Francorchamps. Felix Rosenqvist, um dos mais experientes do grid, também criticou a atual geração da categoria: “São os piores padrões de pilotagem que já vi”

A F3 Europeia viveu mais um fim de semana complicado na sua temporada 2015. Depois de um verdadeiro vexame na rodada tripla de Monza, quando um grave acidente sofrido por Lance Stroll e o encerramento da corrida 3 com bandeira vermelha por “baixo nível de pilotagem” marcaram a etapa, a disputa em Spa-Francorchamps entre sábado e domingo teve outra decolagem, do norte-americano de ascendência brasileira Gustavo Menezes. A sucessão de erros por parte dos pilotos acendeu o sinal de alerta na FIA. Para o presidente Jean Todt, a principal preocupação é com a falta de educação dos pilotos na pista.

“Nós precisamos elevar ainda mais a educação dos jovens pilotos”, declarou o dirigente francês, que convocou uma reunião com todos os pilotos do grid da categoria depois da corrida de sábado, quando aconteceu o acidente com Menezes.

Lance Stroll foi protagonista de um pavoroso acidente em Monza na F3 Europeia (Foto: Reprodução)

“É algo que já tem sido feito e que vamos buscar novamente fazer um pouco mais nesta tarde. Todos os pilotos da F3 serão convidados para vir a uma reunião e participar, e estou confiante de que, se você educa-los, eles levarão isso em consideração”, comentou.

Felix Rosenqvist, vice-líder da temporada e um dos pilotos mais experientes do grid, foi mais contundente em sua opinião sobre a atual geração de jovens competidores da F3 Europeia. O sueco de 23 anos, que está na sua sexta temporada na categoria, se mostrou muito incomodado. “Para ser perfeitamente honesto, acho que esses são os piores padrões de pilotagem que já vi”, bradou o piloto da equipe italiana Prema.

“É simplesmente impossível correr contra alguns caras, não importa o quão cuidadoso você seja. Eu fui extremamente cauteloso na última corrida e ainda fui tocado por um piloto que já havia sofrido um drive-through. É uma pena que isso esteja acontecendo, porque o campeonato é fantástico e seus organizadores estão tentando fazer o melhor para resolver os problemas”, declarou Rosenqvist depois da etapa de Spa-Francorchamps.

O sueco acabou se envolvendo em um acidente com Mikkel Jensen e Lance Stroll na corrida 2 na Bélgica. Os três pilotos lutavam pela primeira posição, quando o jovem canadense de 16 anos provocou mais um forte acidente no fim de semana. A direção de prova não hesitou em aplicar uma duríssima punição a Stroll — formado pela Academia da Ferrari —, que foi banido da terceira corrida do fim de semana.

Jensen, que se envolveu em outro acidente com Stroll em Monza, no qual o canadense decolou e bateu muito forte, criticou duramente o jovem piloto. “Não entendo o que ele está pensando. Ele causou vários acidentes neste ano, dois apenas nesta manhã e mais um nesta corrida. Ele deveria ser punido, na minha opinião. Ele é o motivo de um monte de acidentes”, disparou.

Jean Todt não escondeu sua preocupação com o atual nível de pilotagem da F3 Europeia (Foto: AP)

Rosenqvist não mencionou diretamente Stroll, seu companheiro de equipe na Prema, mas alertou para a postura dos pilotos mais novos da F3 Europeia. “Alguns desses caras novos parecem pensar que estamos num videogame. É um circuito cheio de setores onde se usa o vácuo e com zonas de fortes frenagens, e tenho de reconhecer que eu fico preocupado chegando lá. É possível correr no mais alto nível de uma forma respeitosa”, concluiu.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube