Palou toma ponta do campeonato cedo e liga alerta na concorrência da Indy

Álex Palou repete 2023: não apenas vence GP de Indianápolis, como também assume liderança do campeonato. Concorrência precisa se movimentar

Álex Palou é absolutamente inevitável. Nada pôde parar o piloto espanhol no GP de Indianápolis, disputado neste sábado (11). Nem a largada agressiva de Christian Lundgaard, que colocou o dinamarquês na liderança da corrida por 35 voltas, nem a única bandeira amarela da prova, causada pela rodada de Luca Ghiotto e que permitiu um ataque de Will Power na reta final. Tem certos dias onde nada é capaz de parar Palou e a Ganassi.

E sejamos justos: também foram bons dias de Will Power e Christian Lundgaard. A briga pela vitória esteve o tempo inteiro entre os três, com vantagens estratégicas aqui e ali a cada pit-stop. Mas talvez apenas Palou e a Ganassi foram perspicazes o suficiente para acertar o timing da segunda parada, onde Álex executou o overcut de forma perfeita ao ver os rivais presos no tráfego.

Se a Indy chegou em maio com um cenário curioso, por conta de um inexplicável Colton Herta na liderança, o cenário para as 500 Milhas de Indianápolis e até para o resto do campeonato mudou bruscamente. Toda aquela impressão de equilíbrio que a liderança do piloto da Andretti passou foi apagada, e o que surge é um alerta para o resto do grid: está muito cedo para Palou estar no topo. E quando ele alcança este estágio, é difícil de sair.

:seta_para_frente: Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
:seta_para_frente: Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

Álex Palou (Foto: IndyCar)

A última corrida de Palou fora de um top-10 da Indy foi em Portland, no já distante 2022. Como a concorrência vai impedir o tri do espanhol? Quando não classifica bem, ainda dá um jeito de estar no top-10 de qualquer jeito. Mesmo quando não larga bem, vence. É uma cópia muito bem feita do que Scott Dixon cansou de fazer por anos e anos.

Power, por sua vez, é um nome que merece atenção. Os problemas pessoais parecem oficialmente superados e o australiano voltou a apresentar a regularidade de outrora. Chega no segundo lugar do campeonato para a Indy 500 e com a equipe que é a atual vencedora no Brickyard. O retorno ao Victory Lane vai acontecer em algum momento.

Quem passou despercebido e também pode ser mencionado na briga é Dixon. A largada incrível, onde engoliu Josef Newgarden e Pato O’Ward, o colocou no quarto lugar. Não tinha o mesmo ritmo do top-3, mas esteve no bolo e salvou um quarto lugar valioso. Não teve tanto destaque, mas no perigoso cenário em que Álex começa a despontar, estar na briga será importante.

Agora, as atenções do campeonato se voltam para o momento mais importante do ano: as 500 Milhas de Indianápolis. No ano passado, Palou só não pôde brigar de verdade pela vitória por conta de um incidente nos boxes com Rinus VeeKay. A derrota para Helio Castroneves em 2021 ainda dói, e se tem algo que o espanhol está mordido para buscar, é o rosto estampado no Borg-Warner. Independente do que acontecer, ele chega no dia 26 de maio como favorito.

Chamada Chefão GP Chamada Chefão GP 🏁 O GRANDE PRÊMIO agora está no Comunidades WhatsApp. Clique aqui para participar e receber as notícias da Indy direto no seu celular! Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.