Andretti fala em “novo começo” com número #98 e esquece anos difíceis: “Não posso ficar pensando no pior”

Marco Andretti trocou de número para 2018 e espera deixar os resultados fracos para trás. Segundo o americano, a Andretti tem boas chances de triunfar na nova temporada e o foco deve ser todo no futuro

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Marco Andretti está confiante de que 2018 será um ano totalmente diferente dos últimos. O americano deposita suas esperanças nos novos kits aerodinâmicos e até no novo número em seu carro, o #98. Além disso, deixa claro que não vai ficar pensando no insucesso recente, algo que tiraria sua confiança.

 
Marco comentou que ainda confia bastante em seu potencial e no da equipe e, para que tudo corra bem, precisa de um início de ano livre de problemas no #98.
 
"Quero pensar que esse seja um novo começo para mim. Preciso de um começo de ano bom, tranquilo. Se eu ficar pensando que não ganho corrida, que isso e aquilo, aí, sim, será bem difícil ganhar alguma coisa. Tenho toda a confiança do mundo em mim e no meu time, sei que podemos triunfar", disse. 
Marco Andretti espera uma nova fase com os kits aerodinâmicos novos e o novo número (Foto: IndyCar)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

O mais novo dos Andretti elogiou bastante a montagem atual da equipe e vê a Andretti bem forte para 2018. Aliás, este ano a operação do carro de Marco é em parceria com a Bryan Herta, como foi com Alexander Rossi em 2017.

 
"Esse ano acho que estamos com as pessoas e o equipamento certo. Não vejo ninguém fraco na equipe. Todos trabalhando juntos e pelo mesmo objetivo, é isso que faz um time campeão, então precisamos começar do zero, esquecer o passado", seguiu.
 
Marco terminou a primeira corrida do ano em nono, mas acredita que o resultado não refletiu bem o real potencial que tinha em São Petersburgo. E faz sentido, afinal, andou um bom tempo no top-3.
 
"Acho que foi uma etapa que não refletiu nossa real performance nem na corrida, nem na classificação. E, sinceramente, eu prefiro que tenha sido assim. Não é que tivemos sorte e fomos nono, o nono lugar era meio que a nossa pior posição possível. É claro que você pode ficar chateado por ter ficado abaixo do que merecia, mas eu passei uns 30 carros, foi excelente para o carro #98", afirmou.
 
O americano foi um dos pilotos que aprovaram bem os novos kits. Também pudera: Andretti não conseguiu se acertar com os antigos de forma alguma.
 
"Pensando em mim, acho que os novos kits foram uma grande novidade, já que eu estava sofrendo muito com os antigos. Mas eles são bem complicados, exigem bastante. Ele é mais físico e está no limite o tempo inteiro", completou.
 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube