Carpenter critica reclamações “desnecessárias” de pilotos após 500 Milhas de Fontana: “Tudo aqui é perigoso”

Ed Carpenter não aprovou o que disseram alguns dos pilotos após as 500 Milhas de Fontana. Para o americano, tudo na Indy é perigoso e criticar abertamente a categoria não é um bom caminho

Ed Carpenter não gostou nada das declarações de alguns colegas de Indy após as 500 Milhas de Fontana. Ao jornalista Bob Kravitz, o americano mostrou descontentamento com as reclamações de que a corrida havia sido extremamente perigosa, afirmou que sempre vai haver risco na Indy e que os pilotos precisam aceitar isso.
 
Carpenter começou dizendo que as reclamações deveriam ser feitas diretamente à categoria e não espalhando para os fãs.
 
“Nós nunca vamos melhorar a categoria se os pilotos ficarem saindo por aí falando o que precisa mudar. Eu não estou dizendo que os pilotos não devam ter suas próprias opiniões após a corrida, mas como você reproduz essa opinião é algo importantíssimo. Foi desnecessário”, disse.
 
Para o piloto e dono da CFH, as declarações dos pilotos serviram para confundir os fãs que já estavam tratando a corrida como, certamente, a melhor do ano.
 
“Você não precisa chegar e já falar para todos os fãs da categoria que não gostou da corrida porque foi perigosa. Vi alguns no Twitter dizendo que adoraram a corrida, mas que estavam preocupados depois das declarações dos pilotos. Fica confuso para eles”, falou o americano.
 
Carpenter garantiu que sempre está ciente dos riscos que corre, seja em pistas ovais, seja em circuitos de rua. Para o experiente piloto, tragédias não escolhem lugar para acontecerem e é isto que os demais pilotos devem entender.
 
“Para mim, sobre tudo que nós fazemos: tudo é perigoso. E isto é parte da minha frustração, ouvir pilotos falarem isso apenas após corridas em blocos, apertadas. Toda vez que eu entro no carro, penso que pode ser meu último dia. É ridículo dizer que os riscos estão apenas nos ovais. Dario teve sua carreira encerrada em uma pista de rua, Dan morreu em um oval, tantos outros morreram em circuitos mistos e Tony Renna morreu sendo o único carro num superoval. O que fazemos é perigoso. Para mim, isso está bem claro e não há problemas. É isso que gosto de fazer”, afirmou.
Ed Carpenter não gostou das queixas dos pilotos após as 500 Milhas de Fontana (Foto: Richard Dowdy/IndyCar)
Indignado com o que vem sendo dito desde a bandeirada final em Fontana, Carpenter traçou um paralelo com a NFL e citou Austin Collie, wide receiver que fez história pelo Indianapolis Colts, mas sofre com constantes lesões e Jake Locker, quarterback do Tennessee Titans que se aposentou de forma precoce, temendo novas lesões.
 
“Eu vejo as pessoas julgarem muitos jogadores da NFL. Austin Collie, por exemplo, dizem que ele é louco, que não deveria mais jogar, mas ele está lá, tentando. Ele sabe todos os riscos. Por outro lado, respeito jogadores como Jake Locker, que disse: “Chega, não vou colocar em risco minha integridade física”. O que me frustra é os caras daqui quererem garantir que tudo estará bem ao fim da corrida. Isso é impossível”, disse.
 
Carpenter fez duras críticas aos depoimentos de Will Power, um dos mais incomodados com a corrida em Fontana. Para o piloto, a categoria não deveria aceitar tais declarações.
 
“Will é um dos caras que eu mais respeito na categoria e todos nós fazemos coisas equivocadas no calor da disputa. Mas eu acho que não faríamos se houvesse um controle maior, se soubéssemos que alguma coisa aconteceria. Gostaria que a Indy fosse mais dura e punisse essas declarações, assim como acontece na NFL”, completou o piloto.
 
Carpenter vai fazendo uma temporada bastante infeliz. O americano abandonou as três corridas que disputou em 2015: 500 Milhas de Indianápolis, GP do Texas e 500 Milhas de Fontana. Assim, Carpenter tem 27 pontos e é o 34º na classificação.
 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube