Diretor da Indy esboça temporada 2016 com sete meses de duração e sugere calendário com até 20 etapas

Mark Miles fez os primeiros esboços do calendário da temporada 2016 da Indy. O chefão da categoria quer o campeonato com maior duração, mas isso não garante que tenhamos mais etapas no ano que vem, ainda que o diretor tenha indicado que pode montar o calendário com até 20 provas

A quarta-feira (1) foi de revelações importantes sobre o calendário da temporada 2016 da Indy. Em reunião, o chefão da categoria Mark Miles afirmou que quer um campeonato com maior duração, mas, ainda pensando em fugir da concorrência com a NFL, quer começar antes a temporada. Miles também explicou que não é uma negociação fácil a que envolve a Indy e o autódromo de Phoenix e garantiu que a categoria vai fazer o possível para manter os ovais bem representados na programação.
 
Miles garantiu que a temporada 2016 será mais longa e afirmou que a ideia é ter entre 16 e 20 etapas.
 
“Nós não vamos ter uma temporada de cinco meses ano que vem. A ideia é começar bem mais cedo, espero que a gente tenha um campeonato de cerca de sete meses de duração e de 16 a 20 etapas”, disse.
 
O chefão da Indy não soube dizer se a temporada da Indy prosseguirá após o Dia do Trabalho – primeira segunda-feira de setembro – no ano que vem. De acordo com ele, tudo depende de quando vai começar.
 
“Ainda não dá para cravar quando a temporada vai acabar, mas isto vai ser totalmente condicionado a quando vamos conseguir fazer com que ela comece. Se terminar depois do Dia do Trabalho, já sabemos que teremos muito trabalho comercialmente falando”, explicou.
Mark Miles deixou claro que quer uma temporada mais longa para a Indy em 2016 (Foto: IndyCar)
Miles reconheceu que seria melhor se o campeonato acabasse antes do início da temporada 2015-16 da NFL.
 
“Digo abertamente que a ideia não é expandir o calendário até depois do Dia do Trabalho. Todos nós sabemos que dificilmente vamos conseguir manter as nossas médias de audiência enquanto houver a concorrência da NFL”, falou.
Mesmo buscando expandir o calendário, Miles garantiu que não será fácil acontecer um acordo entre a categoria e Phoenix por problema de datas.
 
“Ainda não há nada de concreto com eles. Sequer iniciamos conversas por um motivo: tempo para que eles se organizem. A nossa ideia é ter etapas logo após o Super Bowl e Phoenix tem o acerto com a Nascar. Tudo vai depender deles, do tempo que vão precisar entre uma corrida da Indy e da Sprint Cup”, afirmou.
 
Após algumas críticas envolvendo as 500 Milhas de Fontana e riscos em ovais, Miles saiu em defesa das pistas e garantiu que elas seguirão fazendo parte do calendário da categoria, nem que sejam necessários esforços dos organizadores.
 
“Manter os ovais no calendário é importantíssimo. Temos de manter a nossa identidade e vamos ajuda-los a permanecer. Pode ser ajuda com taxas, levando patrocinadores, mas não podemos deixar de ter os ovais no calendário. A Indy é de ovais, circuitos mistos e de rua. Faremos o possível para manter isso bem balanceado”, completou.
 
Com o cancelamento da etapa inaugural em Brasília, a temporada atual da Indy terá 16 etapas. São dez em circuitos mistos e de rua e seis em ovais.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube