Dixon passa O’Ward nos boxes, segura ataques de Sato e vence corrida 1 em Gateway

Scott Dixon deu o troco em Takuma Sato após seis dias da derrota nas 500 Milhas de Indianápolis, triunfou em Gateway e está cada vez mais perto do título. Tony Kanaan chegou em nono

A Indy 500 2020 parece que ainda não terminou. Neste sábado (29), mais um duelo entre Scott Dixon e Takuma Sato, apenas seis dias depois da decisão da maior prova do mundo, que marcou a segunda vitória do japonês e deixou um gosto amargo na boca do neozelandês, muito perto do título. Em Gateway, porém, veio o troco. O piloto da Ganassi até viu a diferença despencar, mas cuidou de evitar os ataques nervosos do #30 da RLL. Assim, Dixon deu um passo enorme rumo ao hexa da Indy.

Mas não foi só o duelo final com Sato que definiu a prova. Antes, Scott só chegou à dianteira por mais um grande ato da Ganassi. Na parada final, a equipe chamou o neozelandês junto com o então líder Pato O’Ward e, mais uma vez, trabalhou melhor que a McLaren e inverteu as posições. Pato, ultrapassado na pista na marra por Sato, foi terceiro.

Colton Herta ficou em quarto, conquistando um dos seus melhores resultados em ovais na carreira. Marcus Ericsson fechou em quinto, tendo performance e feito parecidos com os de Herta.

Tony Kanaan chegou na nona colocação em mais uma exibição muito forte nos ovais. O mesmo não se pode dizer de Josef Newgarden, totalmente sem ritmo em 12º. Will Power, em uma estratégia toda equivocada, foi da briga pela vitória para 17º. Alexander Rossi e Simon Pagenaud foram alguns dos envolvidos em um grotesco big-one causado por Álex Palou e Oliver Askew logo na largada.

Scott Dixon está muito perto do hexa (Foto: Indycar)

Saiba como foi o GP de Gateway 1

A largada da Indy para a corrida 1 em Gateway foi antecipada em alguns minutos para escapar da chuva e, assim, a bandeira verde saiu às 16h34 (em Brasília). Will Power saiu muito lento, as filas se quebraram e a confusão foi geral, com um verdadeiro big-one ainda antes da largada propriamente dita.

Álex Palou saiu da fila da esquerda, quase passou Alexander Rossi e o efeito foi cascata, com Simon Pagenaud acelerando mais do que poderia e, de repente, tomando uma paulada por trás de Oliver Askew. Assim como em Indianápolis, o americano se assustou com a movimentação e bateu forte, só que hoje em um outro carro e muita gente foi coletada junto.

Pagenaud acabou rodando e acertando Rossi com a pancada recebida por Askew e a confusão foi seguindo. Ed Carpenter também acabou atingido, bem como Marco Andretti, que tomou uma paulada de Zach Veach, outro assustado no lance. Rossi, Veach e Andretti abandonaram na hora, três dos cinco carros da Andretti antes mesmo do começo da prova.

Apesar de muitos danos, Carpenter tentava um milagre em seu carro para volta como retardatário, enquanto Pagenaud ia várias vezes para os boxes procurando reparos, mas seguia no giro dos líderes. Askew parecia com o carro bem inteiro após trocar o bico, enquanto Tony Kanaan e Graham Rahal tiveram muita sorte no lance e escaparam ilesos.

Askew e Palou acabaram punidos pelo incidente e foram jogados para o fim do pelotão para a relargada na volta 14, com Will Power puxando o pelotão com Pato O’Ward, Scott Dixon, Marcus Ericsson, Jack Harvey, Josef Newgarden e Takuma Sato na sequência.

As primeiras voltas foram bem tranquilas, com os pilotos, aparentemente, cuidando mais dos carros depois de tanta gente abandonando logo no início. Power, O’Ward e Dixon iam escapando na frente, enquanto Ericsson via Harvey se aproximando em bela performance.

Pagenaud vinha muito lento, por mais que a Penske se esforçasse muito para ajustar o carro depois da batida. O francês tomou a primeira volta no 34º giro e logo ia para os boxes de novo. A prova chegava a ter as primeiras 50 voltas completadas com Simon tomando mais uma volta e Rahal indo para um pit-stop bem mais longo que o convencional, com problemas em seu carro nas marchas, era mais um a deixar a disputa pela vitória.

Takuma Sato vinha bem lento no início (Foto: Indycar)

A prova ia tendo poucas ultrapassagens nas voltas iniciais, mas a maioria envolvia Sato, que estava mesmo meio lento. Colton Herta e Conor Daly deixavam o japonês para trás, o derrubando para nono, pressionado por Ryan Hunter-Reay.

O primeiro dos ponteiros nos boxes foi Newgarden, na volta 60, com O’Ward fazendo o mesmo no giro seguinte e sendo acompanhado por Daly e Harvey. Power foi na 62 e Dixon alongou até a 66 e o panorama da prova mudou um pouquinho quando todo mundo fez suas paradas.

O’Ward virava o novo líder, até com certa margem: 1s6 para Dixon, 3s1 para Power, 3s4 para Harvey e 3s9 para Newgarden. O top-10 ainda tinha VeeKay, Ericsson, Herta, Daly e Hunter-Reay. Aí, na volta 75, finalmente Pagenaud desistia, depois de tantas paradas e giros perdidos. Restavam apenas 17 carros na disputa.

VeeKay, que estava um pouquinho fora da janela de paradas normal, foi aos boxes no 98º giro, saindo da cola de Newgarden. Chamava a atenção o ritmo muito firme de novo de O’Ward, que chegava à metade das 200 voltas como favorito ao triunfo. Dixon, 1s8 atrás, precisava se preocupar mais com as investidas de Power do que atacar. A segunda parada de Newgarden veio na volta 100.

Power, Harvey, Daly e Hunter-Reay iam também para os boxes cedo, apostando em três paradas. Só que aí veio o banho de água fria, ou melhor, só de água mesmo: chuva em Gateway e bandeira amarela acionada. A prova estava com risco de ser encerrada a qualquer momento com O’Ward, Dixon, Ericsson, Herta, Rosenqvist, Sato, Kanaan, Kimball, Palou e Ferrucci no top-10.

Só que a corrida ganhava um contorno extra: sem saber se a prova seria encerrada ou não, O’Ward e toda a turma da frente foi obrigada a parar por falta de combustível ali na volta 116. Power, Newgarden e VeeKay tiravam a volta de atraso, mas seguiam atrás da 12ª colocação, agora com todo mundo na mesma estratégia de paradas. A relargada vinha se aproximando, com a chuva dando uma trégua.

Will Power perdeu muito terreno antes da chuva (Foto: Indycar)

A relargada veio na volta 123, com Rosenqvist salvando de forma espetacular o que era um acidente claro. De todo modo, o sueco ficou bem mais lento. O’Ward, Dixon, Ericsson, Herta, Ferrucci, Sato, Kanaan e VeeKay vinham na frente de Felix, com Kimball fechando o top-10.

Lá no fundo do pelotão, Power tentava algo diferente e parava na volta 136, teoricamente, pela última vez na corrida, ficando uma volta atrás dos demais, em 17º, mas apostando alto na economia de combustível e no bote no fim. VeeKay e Askew seguiram a estratégia de Will e foram aos boxes na volta 150.

As demais paradas iam acontecendo nas voltas seguintes, com direito a Herta segurando Ericsson na unha e outros embates, mas o melhor ficou para a volta 163, quando O’Ward e Dixon pararam juntos, um duelo direto pela vitória. E, claro, a Ganassi ganhou de novo. A distância construída por Pato ia pelo ralo ali, com Dixon assumindo a dianteira.

Sato, Kimball, Palou e Newgarden apareciam na frente do neozelandês, mas, com 30 voltas pela frente, ainda precisavam parar. Kimball e Palou foram mais cedo que os outros dois e, claro, voltaram no fundo da fila. Newgarden foi aos boxes na 174 e Sato na seguinte.

E aí que um pit-stop lento da RLL complicou para o japonês, que tinha tudo para ainda voltar em primeiro. Com uma parada lenta, a ordem ficou com Dixon, 1s7 para O’Ward, 2s2 para Sato, na sequência Herta, Ericsson, VeeKay, Hunter-Reay, Rosenqvist, Kanaan e Power. Newgarden era 13º.

Mas Sato estava sedento e queria mais uma vitória. O japonês foi ousado, agressivo e mergulhou para tirar O’Ward do segundo lugar. Assim, a Indy 500 se repetia, mas no oposto, com Sato caçando Dixon nas últimas 20 voltas.

A pressão foi forte, a distância foi demolida, mas Dixon segurou. Tomado pela vontade de vencer e de dar o troco no rival após uma semana, Scott triunfou.

Indy 2020, GP de Gateway 1, Final:

1S DIXONGanassi Honda1:44:30.794200 voltas
2T SATORLL Honda+0.140 
3P O’WARDMcLaren Chevrolet+7.005 
4C HERTAAndretti Honda+7.702 
5M ERICSSONGanassi Honda+8.350 
6R VEEKAYCarpenter Chevrolet+12.415 
7R HUNTER-REAYAndretti Honda+13.056 
8F ROSENQVISTGanassi Honda+13.811 
9T KANAANFoyt Chevrolet+15.032 
10C DALYCarlin Chevrolet+15.672 
11J HARVEYMeyer Shank Honda+16.260 
12J NEWGARDENPenske Chevrolet+16.816 
13C KIMBALLFoyt Chevrolet+21.408 
14O ASKEWMcLaren Chevrolet+24.014 
15A PALOUDale Coyne Honda+24.695 
16S FERRUCCIDale Coyne Honda+27.094 
17W POWERPenske Chevrolet+2 voltas 
18G RAHALRLL Honda+76 voltasNC
19S PAGENAUDPenske Chevrolet+133 voltasNC
20E CARPENTERCarpenter Chevrolet+197 voltasNC
21Z VEACHAndretti Honda+198 voltasNC
22A ROSSIAndretti Honda+200 voltasNC
23M ANDRETTIAndretti Honda+200 voltasNC
Paddockast #76 | QUAIS CHEFES DE EQUIPE DA F1 CORREM MAIS RISCO PARA 2021?
Ouça também: PODCASTS APPLE | ANDROID | PLAYERFM

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube