Dixon segura Newgarden, acaba com domínio da Penske e vence etapa de Elkhart Lake. Castroneves é 3º

Scott Dixon é um grande piloto. O neozelandês da Ganassi ignorou o domínio da Penske em Road America, segurou a pressão de Newgarden e venceu pela primeira vez em 2017, disparando na liderança do campeonato

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Scott Dixon não cansa de mostrar como é um piloto fora de série. Neste domingo (25), o neozelandês ignorou o domínio completo da Penske em Elkhart Lake e venceu pela primeira vez em 2017, pintando finalmente como o grande favorito ao título da temporada.

A segunda posição ficou com Josef Newgarden, que foi o piloto da Penske que teve o ritmo mais constante durante a prova toda. O americano até ensaiou uma pressão em cima de Dixon no fim, mas não teve sucesso.

Helio Castroneves largou bem da pole e fez uma boa corrida, mas perdeu a posição para Dixon por uma bandeira amarela e a de Newgarden ao entrar uma volta antes do que deveria nos boxes. De qualquer, forma, foi ao pódio e somou bons pontos no campeonato.

O resto do quarteto da Penske apareceu na sequência. Simon Pagenaud chegou em quarto, enquanto Will Power foi o quinto. Charlie Kimball fez uma de suas melhores apresentações no ano e fechou em sexto.

O top-10 ainda teve o ótimo novato Ed Jones, Graham Rahal, Max Chilton e Mikhail Aleshin, que na sexta-feira sequer havia chegado em Road America

Tony Kanaan não viveu um final de semana nada feliz. Depois de ser o mais lento da Ganassi nos treinos livres e na classificação, o brasileiro tocou em Alexander Rossi quando brigava pelo nono lugar da corrida e acabou dando uma pancada forte no muro.

Scott Dixon brilhou e venceu em Road America (Foto: IndyCar)

Confira como foi o GP de Elkhart Lake

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

A largada para a etapa de Elkhart Lake aconteceu às 14h18 (em Brasília). Helio Castroneves saiu bem, escapando na frente, enquanto Josef Newgarden mergulhava para superar o companheiro Will Power. Graham Rahal largou muito bem, pulando de sexto para quarto.

Alguns metros para frente, Scott Dixon recuperou a posição em cima de Rahal, com Pagenaud fazendo o mesmo segundos depois. Pouco atrás, James Hinchcliffe lutava com o carro e perdia terreno, bem como Marco Andretti, que não tinha bom ritmo.

A prova começava a se desenrolar com boas brigas no meio do pelotão, mas no grupo da frente chamava a atenção a falta de rendimento de Rahal, que logo estava em oitavo, atrás de Max Chilton e Charlie Kimball.

Enquanto Power e Dixon brigavam duro pela terceira posição, Alexander Rossi e JR Hildebrand já abriam a primeira janela de paradas na volta 6, indicando que a corrida teria uma série de pit-stops.

A maior parte dos líderes entrou nos boxes na volta 13, com Newgarden ficando um giro a mais na pista. O americano, quando parou, até voltou na frente de Castroneves, mas ficou para trás rapidinho com os pneus frios. A grande novidade era Rossi aparecendo ali no meio e se posicionando entre Dixon e Power, em quarto.

Alexander Rossi surgiu no grupo da frente (Foto: IndyCar)

A rodada de paradas mexeu bastante na ordem da corrida. Castroneves e Newgarden seguiam na frente, mas atrás apareciam Dixon, Rossi, Pagenaud, Power, Kimball, Tony Kanaan, Chilton e Hinchcliffe.

O início de prova também era marcado por algumas punições por defesa exagerada de posição. Rahal e Power foram dois que receberam a sanção e tiveram de ceder lugar para Dixon e Pagenaud.

Na volta 19, enquanto Rossi já fazia sua segunda parada, Newgarden chegava de vez em Castroneves e esquentava a briga pela primeira colocação. Dixon também já surgia ao fundo. No fim do giro, Newgarden tomou a dianteira em grande estilo, fazendo uma bela ultrapassagem por fora.

Castroneves, no segundo stint, precisava cuidar mais do combustível que os rivais diretos e, por isso, já deixava Newgarden escapar e começava a cuidar das ofensivas de Dixon e Pagenaud, que vinha de pneus macios.

Newgarden começava a abrir na frente e já aparecia com 3s de vantagem para Castroneves, que tinha uma pequena folga depois de trancar a porta na cara de Dixon. 

Helio, Pagenaud e Power iam aos boxes na volta 27, junto com quase todos os outros ponteiros. Apenas Newgarden, Dixon e Kimball conseguiam alongar mais um pouco o período na pista.

Assim que os três foram para os boxes, Takuma Sato chamou a primeira bandeira amarela ao decolar na grama e quase estampar o muro. Por incrível que pareça, o japonês ainda conseguiu voltar à pista. Rossi, Kanaan, Pigot, Rahal e outros iam para uma nova parada. 

A bandeira verde voltou na abertura do 31º giro, com Dixon sendo brilhante e superando Newgarden. Alguns metros para frente, Castroneves também passou o companheiro, enquanto Hinch dava uma bela pancada em briga com Power.

Já na metade final da prova, Dixon liderava com 2s5 de frente para Castroneves. Newgarden, Pagenaud, Kimball, Chilton, Power, Muñoz, Hunter-Reay e Ed Jones completavam o top-10.

O ritmo da corrida caía um pouco, com os principais pilotos poupando equipamento para a última rodada de paradas. Aí, Castroneves e a Penske se desentenderam e o brasileiro entrou nos boxes uma volta antes da hora esperada, algo que poderia cobrar um preço alto lá na frente.

E a resposta veio na volta seguinte, quando Dixon e Newgarden pararam. O neozelandês voltou em primeiro, enquanto o americano retornou logo à frente do brasileiro, segurando os ataques de Helio mesmo com os pneus frios.

Quando todo mundo já havia parado, Dixon aparecia na frente com 2s5 de vantagem para Newgarden. Castroneves e Pagenaud vinham próximos pelo terceiro lugar, enquanto Power, Kimball, Muñoz, Hunter-Reay, Rossi e Kanaan fechavam o top-10.

Na volta 44, uma senhora pancada na corrida. Depois de alguns desentendimentos que vinham desde o Texas, Rossi e Kanaan se tocaram mais uma vez, com o brasileiro perdendo o controle do carro e batendo muito forte no muro na curva 11. Bandeira amarela de novo.

A relargada aconteceu na volta 49, com Dixon fazendo um excelente trabalho e impedindo qualquer tipo de investida de Newgarden. Castroneves também saiu bem, segurando o ataque de Pagenaud pelo terceiro lugar.

Dali para frente, Newgarden começou suas investidas, mas não parecia ter como simplesmente atropelar Dixon. O neozelandês, então, foi inteligente e, mesmo com menos botões de ultrapassagem, soube dosá-los e segurar o jovem americano para vencer pela 41ª vez na Indy.

Indy, GP de Elkhart Lake, Classificação final:

1 9 Scott DIXON NZL Ganassi Honda 55 voltas  
2 2 Josef NEWGARDEN EUA Penske Chevrolet +0.578  
3 3 Helio CASTRONEVES BRA Penske Chevrolet +4.192  
4 1 Simon PAGENAUD FRA Penske Chevrolet +4.972  
5 12 Will POWER AUS Penske Chevrolet +5.723  
6 83 Charlie KIMBALL EUA Ganassi Honda +14.718  
7 19 Ed JONES ING Dale Coyne Honda +21.634  
8 15 Graham RAHAL EUA RLL Honda +22.227  
9 8 Max CHILTON ING Ganassi Honda +23.308  
10 7 Mikhail ALESHIN RUS Schmidt Peterson Honda +24.359  
11 14 Carlos MUÑOZ COL Foyt Chevrolet +26.140  
12 20 Spencer PIGOT EUA Carpenter Chevrolet +33.498  
13 98 Alexander ROSSI EUA Andretti Honda +38.137  
14 28 Ryan HUNTER-REAY EUA Andretti Honda +39.843  
15 4 Conor DALY EUA Foyt Chevrolet +43.199  
16 21 JR HILDEBRAND EUA Carpenter Chevrolet +1:16.504  
17 18 Esteban GUTIÉRREZ MEX Dale Coyne Honda +1:28.463  
18 27 Marco ANDRETTI EUA Andretti Honda +1 volta  
19 26 Takuma SATO JAP Andretti Honda +1 volta  
20 5 James HINCHCLIFFE CAN Schmidt Peterson Honda +2 voltas  
21 10 Tony KANAAN BRA Ganassi Honda +11 voltas NC

NOVA DERROTA EM 2017 MOSTRA QUE TOYOTA E LE MANS SÃO COMO ‘ÁGUA E ÓLEO’

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height:

0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe,
.embed-container object, .embed-container embed { position: absolute;

top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube