Indy

Kanaan vence duelo contra Hunter-Reay, Muñoz e Andretti e leva vitória épica nas 500 Milhas de Indianápolis

Em corrida repleta de recordes quebrados, brasileiro duelou durante a corrida inteira com adversários de Andretti e Penske, superou atual campeão da Indy restando quatro voltas para o final e triunfou sob bandeira amarela, após acidente de Franchitti nos giros finais
Warm Up / HUGO BECKER, de Guarulhos
 Tony Kanaan liderou grande parte da corrida em Indianápolis (Foto: Getty Images)

Kanaan deixa 'quase' no passado e conquista menina dos olhos
Kanaan faz galhofa: "Agora vou ter de pôr minha cara feia no troféu!"
AMK Viagens já organiza pacote para Indy 500 de 2014

A vez de Tony Kanaan chegou. E foi suado, sofrido, épico. O brasileiro venceu pela primeira vez, neste domingo (26), as 500 Milhas de Indianápolis, após duelar durante praticamente toda a corrida com Ryan Hunter-Reay e Marco Andretti.

A ultrapassagem que valeu a dramática vitória ao brasileiro veio a quatro voltas do fim, na relargada após interrupção da prova por conta do acidente de Graham Rahal.

E se a Ganassi teve desempenho discretíssimo na prova e em nenhum momento flertou com as primeiras posições, Dario Franchitti assumiu a função de protagonista ao bater no muro logo após a arrojada manobra de Kanaan sobre Hunter-Reay.
Tony Kanaan celebra vitória em Indianápolis (Foto: Getty Images)
A derradeira bandeira amarela definiu a edição de 2013 da Indy 500, para delírio do público que lotou as arquibancadas do Indianapolis Motor Speedway e vibrou a cada ultrapassagem do piloto da KV.

Carlos Muñoz, outra grata surpresa do dia, também superou Hunter-Reay na última volta sob bandeira verde e fechou a dobradinha latino-americana, cruzando a linha de chegada na segunda posição. 

Helio Castroneves, que chegou a liderar a prova, foi sexto, enquanto Bia Figueiredo, que pode ter feito sua despedida da Indy, fechou em um bom 15º lugar.

A prova também foi marcada por recordes: foi a edição das 500 Milhas de Indianápolis com mais trocas de posição na liderança e, também, a que teve mais líderes diferentes. Reflexo puro do equilíbrio atual na categoria.

As imagens da 97ª edição das 500 Milhas de Indianápolis
Acompanhe a cobertura da Indy 500 no GRANDE PRÊMIO

Confira como foi a 97ª edição das 500 Milhas de Indianápolis:

Hildebrand e o abandono precoce
 
Na largada, Carpenter manteve a liderança, seguido por Muñoz e Andretti. No entanto, o colombiano foi superado tanto pelo norte-americano quanto por Ernesto Viso antes mesmo do fim da primeira volta, e despencou para o quarto lugar. Will Power, Helio Castroneves e Kanaan foram os grandes destaques nas primeiras voltas: o trio avançou rapidamente e passou a figurar logo de cara no top-7.
 
Na quarta volta, o muro do Indianapolis Motor Speedway fez sua primeira vítima: longe de qualquer protagonismo, JR Hildebrand saiu do traçado, perdeu a traseira e bateu, abandonando a prova e causando a primeira bandeira amarela do dia.
 
Veio a primeira relargada, e com ela, um dos momentos mais intensos da edição de 2013 da Indy 500: Kanaan, como de costume, pulou rapidamente da quarta para a primeira posição, superando de forma determinada tanto Carpenter quanto Andretti. 
 
O que se viu nas voltas seguintes foi uma sequência fantástica de incessantes trocas na liderança entre o brasileiro e o norte-americano, com ultrapassagens arrojadas. Ed, terceiro, ficou apenas à espreita. Mais atrás, Hunter-Reay, Muñoz e Viso também trocavam posições dentro do top-6.
 
O duelo durou por cerca de 15 voltas, até Tony abrir a primeira rodada de pit-stops, no 29º giro. Neste momento, o trio de líderes chegou a ser formado por James Jakes, Pippa Mann e Simona de Silvestro – um momentos mais inusitados da corrida.
Largada das 500 Milhas de Indianápolis com Ed Carpenter na pole (Foto: Getty Images)
Mais duas amarelas
 
A segunda bandeira amarela foi provocada por Sebastián Saavedra. Na 36ª volta, o colombiano foi fechado por Justin Wilson ao tentar ultrapassá-lo, rodou e bateu de leve no muro, sem causar grandes danos a seu carro.
 
Com a nova relargada, pouca coisa mudou entre os líderes. A passagem pelos boxes alterou posições, mas não modificou os protagonistas naquela fase da prova. Andretti apareceu na liderança, seguido por Carpenter, Hunter-Reay e Kanaan.
 
Sato foi um dos grandes destaques deste reinício, saindo das posições intermediárias e aparecendo em sétimo, dando indícios de que poderia até mesmo entrar na briga junto ao pelotão da frente. Mas o ex-líder do campeonato cometeu um pequeno erro ao passar pela parte suja da pista e também achou o muro, provocando a terceira interrupção da Indy 500.
 
O piloto da Foyt deixou o carro morrer, mas como sofreu apenas um problema nos pneus, conseguiu entrar nos boxes e voltou à prova, ainda na mesma volta dos líderes, mas apenas na 29ª posição, perdendo qualquer chance de lutar pela vitória.
 
O despertar da Penske
 
Na terceira relargada, mais do mesmo. Andretti, Hunter-Reay, Kanaan e Carpenter continuaram dominando a prova e trocando posições na liderança. 
 
A corrida só começou a ganhar um cenário alternativo a partir da volta 72. Perto da metade da corrida, a Penske acordou. Power surgiu como uma flecha, entrou no top-10 e, volta após volta, foi ganhando posições até chegar na liderança. Ao mesmo tempo, Carpenter perdeu rendimento de forma vertiginosa e, em apenas duas voltas, caiu da segunda para a décima posição, dando por encerrado seu conto de fadas em sua cidade natal.
 
Depois de um período de muita ação e trocas entre os quatro primeiros, houve um pequeno momento de calmaria com Power na liderança, seguido por Kanaan, Hunter-Reay, Andretti, Viso e AJ Allmendinger, uma das gratas surpresas do dia.
 
Aproveitando o fim do 'coma' da Penske, o piloto do carro #2 precisou de apenas uma giro e meio para pular da sexta para a primeira posição, com ultrapassagens bastante arrojadas e um ritmo impressionante que o colocou como um dos postulantes à vitória. Castroneves também se beneficiou do rendimento da equipe e apareceu pela primeira vez de fato entre os primeiros, em quarto.
 
A guerra dos pilotos, então, passou a ser com relação ao combustível. Visando economizar etanol, ninguém se arriscava a tentar disparar na liderança. Kanaan e Andretti voltaram a se revezar na primeira posição, volta após volta, sem, no entanto, um real duelo. Hunter-Reay também entrou na troca e os três se mantiveram como líderes durante várias voltas.
 
Após a terceira rodada de pit-stops, o brasileiro ficou um pouco mais para trás, se mantendo entre os seis primeiros colocados. Quem entrou na briga de vez foi Castroneves, que imprimiu ritmo forte e assumiu a liderança pela primeira vez, restando apenas 55 voltas para o fim.
Tony Kanaan lidera pelotão em Indianápolis (Foto: Getty Images)
A relargada da vitória
 
De repente, o que parecia razoavelmente previsível se tornou algo absolutamente indefinido e dramático. Os deuses do automobilismo reservaram as emoções da edição de 2013 da Indy 500 para as voltas finais.
 
Na última bateria de pit-stops, restando pouco menos de 15 voltas para o fim, Kanaan enfrentou um problema na mangueira de reabastecimento e acabou voltando em terceiro, atrás de Andretti e Hunter-Reay. Com as posições redefinidas, o brasileiro novamente superou ambos e reassumiu a liderança.
 
A partir deste momento, o duelo se tornou polarizado. Não havia mais jeito. A vitória ficaria entre Tony ou Ryan. Um dos dois beberia o leite da vitória pela primeira vez na carreira.
 
Hunter-Reay deu o troco, é claro. Mas Kanaan não deixou barato e retomou a ponta. A oito voltas para o fim, no entanto, o norte-americano voltou a superar o brasileiro. A vitória se aproximava cada vez mais do norte-americano.
 
Mas quando ninguém mais esperava interrupções, Graham Rahal, que passou a corrida toda na obscuridade, resolveu perder o controle de seu carro e acertar o muro interno na curva 4. Veio, então, a quarta bandeira amarela. 
 
A única chance de Kanaan era torcer para que os funcionários limpassem a pista a tempo de uma relargada, uma das maiores especialidades do brasileiro. 
 
Foi o que aconteceu. A quatro voltas do fim, bandeira verde. Tony, determinado, voou para cima de Hunter-Reay. Muñoz, espetacular, também deu o bote sobre seu companheiro de equipe. Três carros lado a lado antes da curva 2. E quem a contornou na frente foi o brasileiro, seguido pelo colombiano. Foi o último ato do duelo pela vitória, o momento do clímax, em que tudo se decidiu.
 
Tudo porque segundos depois, Franchitti, outro figurante em Indianápolis, acertou de frente o muro e deixou detritos de sua Ganassi espalhados por toda a pista entre as curvas 1 e 2. Bandeira amarela. Fim de prova. 
O dia de Kanaan, enfim, chegou (Foto: Jonathan Ferrey/Getty Images)

A classificação da Indy após cinco corridas


Kanaan acelerou sua KV e sumiu na frente dos demais carros, que já vinham em ritmo mais lento por conta da entrada do Pace Car. Queria assegurar a vitória. Mas já não era mais necessário. As três voltas finais foram cumpridas apenas por protocolo, e o brasileiro desfilou lentamente para receber a merecida ovação da torcida que lotou as arquibancadas do autódromo.
 
Foi a 16ª vitória do brasileiro na Indy. Sem dúvida, a mais brilhante e emocionante de todas. O triunfo de Indianápolis, que teimava em escapar, finalmente chegou. Enfim, Tony colocou seu nome na história da prova.

Siga o GRANDE PRÊMIO
Arte: o rosto de Kanaan no troféu dos vencedores em Indy

Indy, 500 Milhas de Indianápolis, Final:

1 Tony KANAAN BRA KV Chevrolet 200 voltas
2 Carlos MUÑOZ COL Andretti Chevrolet +0.115
3 Ryan HUNTER-REAY EUA Andretti Chevrolet +0.248
4 Marco ANDRETTI EUA Andretti Chevrolet +0.363
5 Justin WILSON ING Dale Coyne Honda +0.813
6 Helio CASTRONEVES BRA Penske Chevrolet +3.008
7 AJ ALLMENDINGER EUA Penske Chevrolet +4.010
8 Simon PAGENAUD FRA Schmidt Honda +4.260
9 Charlie KIMBALL EUA Ganassi Honda +5.686
10 Ed CARPENTER EUA Carpenter Chevrolet +6.842
11 Oriol SERVIÀ ESP DRR Chevrolet +7.863
12 Ryan BRISCOE AUS Ganassi Honda +8.921
13 Takuma SATO JAP Foyt Honda +10.260
14 Scott DIXON NZL Ganassi Honda +11.385
15 Bia FIGUEIREDO BRA Dale Coyne Honda +12.265
16 Tristan VAUTIER FRA Schmidt Honda +15.304
17 Simona DE SILVESTRO SUI KV Chevrolet +15.720
18 Ernesto VISO VEN Andretti Chevrolet +17.805
19 Will POWER AUS Penske Chevrolet +22.540
20 James JAKES ING RLL Honda +1 volta
21 James HINCHCLIFFE CAN Andretti Chevrolet +1 volta
22 Conor DALY ING Foyt Honda +2 voltas
23 Dario FRANCHITTI ESC Ganassi Honda +3 voltas
24 Alex TAGLIANI CAN Bryan Herta Honda +4 voltas
25 Graham RAHAL EUA RLL Honda +7 voltas
26 Katherine LEGGE ING Schmidt Honda +7 voltas
27 Townsend BELL EUA Panther Chevrolet +8 voltas
28 Josef NEWGARDEN EUA Fisher Hartman Honda +9 voltas
29 Sébastien BOURDAIS FRA Dragon Chevrolet NC
30 Pippa MAN ING Dale Coyne Honda NC
31 Buddy LAZIER EUA Lazier Chevrolet NC
32 Sebastián SAAVEDRA COL Dragon Chevrolet NC
33 JR HILDEBRAND EUA Panther Chevrolet NC