Na Garagem: Senna realiza teste secreto com carro da Penske em Phoenix

Sem fazer alarde, Ayrton Senna pegou um avião rumo ao Arizona em dezembro de 1992 para testar, em Phoenix, com o carro da Penske na Indy. E bateu o tempo do campeão Emerson Fittipaldi por meio segundo

Ayrton Senna não queria correr para a McLaren em 1993 — e um dos estágios da novela daquela intertemporada da F1 envolveu uma viagem para o deserto do Arizona em dezembro de 1992.
 
No dia 20 de dezembro, o tricampeão da F1 entrou no cockpit do carro que a Penske usava na CART para um teste secreto em Phoenix.
 
O arranjo para a atividade envolveu o bicampeão Emerson Fittipaldi, que corria para Roger Penske na época. E também marcou presença John Hogan, o homem que assinava o cheque da Marlboro tanto para a McLaren, quanto para a Penske.
Ayrton Senna testa carro da Penske em Phoenix, 1992 (Foto: Sutton)

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 1
,components : { mute: {delay :3}, skip: {delay :3} }
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Se Senna não queria ficar na McLaren para 1993, também não queria ir para a Indy naquele momento. Era um plano para o futuro. De qualquer forma, a incerteza se dava porque a Honda havia deixado o time que dominou a F1 entre 1988 e 1991, e seria preciso utilizar motores comprados da Ford. O pacote dificilmente seria páreo para o da Williams Renault de Alain Prost — que havia bloqueado sua transferência para lá.

 
Senna observou Fittipaldi dar algumas voltas no oval antes de sentar para fazer seu treino no misto — Roger achava que seria melhor desta forma.
 
No misto, Emerson cravou sua melhor volta em 49s7. Senna, em seu primeiro contato com o carro, deu 28 voltas e cravou 49s25.
Ayrton Senna testa carro da Penske em Phoenix, 1992 (Foto: Reprodução)

 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

“Ele voltou para os boxes e disse ‘obrigado, aprendi o que eu precisava aprender’. Saiu do carro e foi isso”, conta o engenheiro Nigel Beresford. “Ele gostou bastante. Disse que ficou bastante impressionado com a aceleração. Não estava contente depois da primeira saída, mas na segunda foi muito rápido”, comentou Fittipaldi.

 
Naturalmente, a notícia vazou, causando ainda mais especulações a respeito do que Senna faria. Em 27 de janeiro, a Penske anunciou Fittipaldi e Paul Tracy como titulares. E, em 10 de fevereiro, a inscrição da FIA indicou Michael Andretti e Mika Häkkinen como os pilotos da McLaren. Mas, como se sabe, houve espaço para o retorno de Ayrton em 1993 e as últimas cinco vitórias de sua carreira.
TONY KANAAN COMO VOCÊ NUNCA VIU: ASSISTA AGORA

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar