Pagenaud vence de forma categórica em Sonoma e sacramenta título inédito da Indy. Câmbio trai Power

Simon Pagenaud fechou a temporada 2016 da Indy em grande estilo. O francês assegurou o título inédito da categoria da melhor forma possível: vencendo. E foi de forma dominante, levando a melhor na pilotagem e na estratégia. Will Power teve problemas com o câmbio e fechou oito voltas atrás

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 1
,components : { mute: {delay :3}, skip: {delay :3} }
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

O final da temporada 2016 não poderia ser melhor para Simon Pagenaud. Com pilotagem muito segura e acertando na estratégia, o francês venceu o GP derradeiro em Sonoma neste domingo (18) e foi campeão com sobras, coroando o grande trabalho que fez durante todo o ano.

Seu grande rival era Will Power, mas o câmbio deixou o australiano na mão. Tudo que o #12 conseguiu fazer foi se arrastar até o fim, chegando oito voltas atrás, em 20º.

Graham Rahal fez mais uma de suas grandes atuações na Indy e chegou em segundo, dando um alento para a Honda. Aliás, foi Graham quem fechou 2016 como o campeão interno da montadora japonesa.
 
Juan Pablo Montoya teve uma atuação atípica para seu 2016. O colombiano, bem como na abertura da temporada, foi muito bem, fechando um dos seus piores anos com um pódio em Sonoma.
 
Ryan Hunter-Reay e Alexander Rossi fizeram corridas discretas, mas consistentes e chegaram para completar o grupo dos cinco primeiros na prova final de 2016.
 
Josef Newgarden voou novamente e conseguiu segurar Helio Castroneves na marra para fechar em sexto, à frente do brasileiro. Marco Andretti, Charlie Kimball e Sébastien Bourdais também foram ao top-10. Tony Kanaan foi o 13º, após se envolver em uma confusão na primeira volta.
A largada em Sonoma (Foto: IndyCar)

Confira como foi o GP de Sonoma:

A largada para a decisão da Indy aconteceu às 19h49 (em Brasília). Simon Pagenaud partiu para cima de Helio Castroneves para brecar os avanços do brasileiro e segurou a ponta. Will Power começou a fazer o dever de casa, já tirando Juan Pablo Montoya da frente e indo para terceiro.

A primeira volta parecia que seria limpa, mas Sébastien Bourdais tocou Mikhail Aleshin e o russo rodou, parando bem na frente de Tony Kanaan, que viu seu carro morrer e perdeu muito tempo parado. Pelo menos a bandeira verde seguia acionada.

Pagenaud mantinha a ponta e um bom ritmo já nas primeiras voltas, com Castroneves em segundo. Power, Montoya, Graham Rahal, Alexander Rossi, Josef Newgarden, Ryan Hunter-Reay, Scott Dixon e Bourdais fechavam o top-10. 

Envolvido em um toque logo de cara, Aleshin e a Schmidt Peterson resolveram abrir a primeira rodada de paradas já na volta 8. O russo era devolvido à pista logo atrás de Kanaan, mas em último. Depois de um começo ruim, Charlie Kimball também foi para os boxes no giro seguinte, junto com RC Enerson e Kanaan.

O início de prova era bem morno, com as principais brigas envolvendo os pilotos que já tinham parado. Carlos Muñoz e Takuma Sato, por exemplo, quase se bateram, com o japonês mexendo de forma brusca seu carro.

O ritmo de Pagenaud era uma coisa espetacular no início da prova. O francês chegava à volta 15 com 7s7 de frente para Castroneves. Então, foi aos boxes, levando Castroneves junto.

Juan Pablo Montoya foi ao pódio (Foto: IndyCar)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

A rodada de paradas foi ótima para Power, que aproveitou algumas voltas totalmente livre e tirou Castroneves do caminho. O brasileiro, aliás, precisava ainda controlar os ataques de Montoya pela vaga final no pódio. 5s4 era a diferença entre Pagenaud e Power.

Depois que todo mundo já tinha parado uma vez, Pagenaud segurava 6s4 de frente para o rival Power, 7s6 para Castroneves, 10s2 para Montoya, 11s4 para Rahal, 12s4 para Rossi, 13s5 para Kimball, 14s5 para Hunter-Reay, 16s6 para Newgarden e 19s3 para Sato.

Se Pagenaud continuava marchando bem tranquilo na frente, a disputa pelo segundo lugar esquentava, com Castroneves colando em Power. Rahal também pressionava Montoya pelo quarto posto, com Rossi escoltando.

Castroneves fez a parada na volta 30, saindo da cola de Power e tentando dar o troco no australiano da mesma forma que aconteceu na primeira rodada nos boxes, quando Power ganhou o segundo lugar.

O ritmo de Helio depois da parada era mesmo muito bom, mas, enquanto os demais iam para os boxes, Power e Pagenaud seguiam na pista, alogando ao máximo o stint. Tentando reagir, Kanaan fazia bela ultrapassagem dupla sobre os dois carros da Dale Coyne.

Na volta 36, quando Pagenaud ia para os boxes, Montoya se aproximava de Power e o australiano ficava muito lento do nada. Power foi se arrastando praticamente pela pista inteira, mas dava adeus ao campeonato. Spencer Pigot também abandonava, alguns metros para frente.

Dois giros depois, Power parava em definitivo no meio da pista. O campeonato estava encerrado antes mesmo da metade da corrida californiana, com Pagenaud conquistando um merecidíssimo título. Na prova, bandeira amarela e mais um abandono: Daly, também com problemas mecânicos. 

Simon Pagenaud (Foto: IndyCar)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Dixon também passava por um perrengue: o neozelandês vinha sofrendo com problemas no rádio a prova toda e teve de trocar completamente. Aproveitou a bandeira amarela e até o capacete tirou.

A relargada veio na volta 42, com Pagenaud segurando Castroneves. Atrás deles vinham Kimball, Rahal, Montoya, Rossi, Hunter-Reay, Sato, Muñoz e Newgarden. De volta à briga, Kanaan era 13º.

Rahal fazia valer o ótimo rendimento do carro e passava Kimball, enquanto Rossi e Hunter-Reay brigavam duro pelo sexto lugar. Power tentava voltar para a pista e vinha lentamente, oito voltas atrás. O carro #12 parecia voltar ao normal na volta 46, praticamente se garantindo como vice-campeão, já que Helio ainda sonhava com a posição.

Castroneves seguia alguns outros pilotos e parava na volta 50, novamente tentando ganhar terreno indo aos boxes antes do rival direto, agora Pagenaud. O brasileiro voltou em nono, completamente livre na pista, com boa chance para colar em Pagenaud após a parada do francês.

Mais uma vez, a parada de Castroneves mostrava ter sido muito antecipada. Prova disso é que o brasileiro ainda era 11º giros após parar. De novo, estava atrás de Hinchcliffe, um carro um tanto lento. Pagenaud ia controlando bem na ponta, com Rahal vindo atrás.

Após bons stints de 25 voltas, os ponteiros foram para os boxes. Rahal, Andretti, Aleshin e Hinch demoraram uma volta a mais, mas todos mostravam que iriam até o fim sem parar novamente, o que não seria o caso de Castroneves.

Reposicionados, Castroneves liderava com 2s para Pagenaud, 5s5 para Rahal, 7s9 para Kimball, 13s4 para Montoya, 14s6 para Sato, 15s9 para Kanaan, 16s6 para Rossi, 17s2 para Hunter-Reay e 18s8 para Muñoz.

Rahal, então, começava a partir para cima de Pagenaud, que parecia já estar na conta para fechar a prova sem problemas. Na volta 69, menos de 1s separava os dois.

Simon Pagenaud (Foto: IndyCar)

Castroneves parou na volta 69, voltando na oitava colocação, logo atrás de Andretti. Todos os dez primeiros já aparentavam ir até o fim sem mais paradas. Eram eles: Pagenaud, Rahal, Montoya, Rossi, Hunter-Reay, Newgarden, Andretti, Castroneves, Bourdais e Aleshin.

Castroneves e Kimball aproveitavam os pneus novos e mais combustível para atacar. O brasileiro tirava o sétimo posto de Marco, Charlie superava Aleshin para ser décimo. Pagenaud mantinha 1s2 para Rahal.

Helio tentava passar Newgarden, mas enfrentava um duríssimo adversário. Os dois quase se tocaram, depois o brasileiro fritou muito tentando a ultrapassagem. Na frente, Rahal e Pagenaud trocavam voltas rápidas.

Pagenaud mostrou no fim que tinha lenha para queimar e conseguiu controlar muito bem Rahal, fechando com chave de ouro a temporada que lhe deu o primeiro título. Além de Rahal, Montoya também conseguiu ir ao pódio, em um dos seus poucos bons momentos de 2016.

Indy, GP de Sonoma, Classificação Final:

1 22 SIMON PAGENAUD FRA PENSKE CHEVROLET 85 voltas  
2 15 GRAHAM RAHAL EUA RLL HONDA +3.252  
3 2 JUAN PABLO MONTOYA COL PENSKE CHEVROLET +18.016  
4 28 RYAN HUNTER-REAY EUA ANDRETTI HONDA +29.722  
5 98 ALEXANDER ROSSI EUA ANDRETTI HONDA +30.665  
6 21 JOSEF NEWGARDEN EUA CARPENTER CHEVROLET +32.275  
7 3 HELIO CASTRONEVES BRA PENSKE CHEVROLET +32.849  
8 27 MARCO ANDRETTI EUA ANDRETTI HONDA +34.300  
9 83 CHARLIE KIMBALL EUA GANASSI CHEVROLET +34.935  
10 11 SÉBASTIEN BOURDAIS FRA KV CHEVROLET +43.897  
11 7 MIKHAIL ALESHIN RUS SCHMIDT PETERSON HONDA +49.324  
12 5 JAMES HINCHCLIFFE CAN SCHMIDT PETERSON HONDA +51.130  
13 10 TONY KANAAN BRA GANASSI CHEVROLET +52.179  
14 14 TAKUMA SATO JAP FOYT HONDA +52.633  
15 26 CARLOS MUÑOZ COL ANDRETTI HONDA +56.676  
16 8 MAX CHILTON ING GANASSI CHEVROLET +1:09.258  
17 9 SCOTT DIXON NZL GANASSI CHEVROLET +1:21.111  
18 41 JACK HAWKSWORTH ING FOYT HONDA +1 volta  
19 19 RC ENERSON EUA DALE COYNE HONDA +1 volta  
20 12 WILL POWER AUS PENSKE CHEVROLET +8 voltas  
21 18 CONOR DALY EUA DALE COYNE HONDA +49 voltas NC
22 20 SPENCER PIGOT EUA CARPENTER CHEVROLET +50 voltas NC
 

PADDOCK GP #46 TRAZ BOB KELLER E DEBATE VITÓRIAS DE FRAGA E PEDROSA

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube