Power vence duelo com Aleshin e triunfa em eletrizantes 500 Milhas de Pocono. Hunter-Reay vai de último para 3º

As 500 Milhas de Pocono foram espetaculares. Com direito a um ótimo duelo final com Mikhail Aleshin, Will Power venceu mais uma e colou em Simon Pagenaud na classificação do campeonato. Tony Kanaan foi nono e Helio Castroneves abandonou

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 1
,components : { mute: {delay :3}, skip: {delay :3} }
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

A Indy está se acostumando a ver grandes corridas em Pocono. Nesta segunda-feira (22), a prova que deveria ter acontecido no domingo teve acidentes, muitas brigas até o fim e piloto saindo de último para primeiro em menos de 50 voltas. No fim, após grande duelo com Mikhail Aleshin, Will Power venceu mais uma em 2016 e cortou bem a vantagem de Simon Pagenaud na classificação do campeonato.

Ryan Hunter-Reay foi, indiscutivelmente, o nome da corrida. Saindo do último lugar, o americano chegou a liderar a prova, teve problemas, caiu para 12º, mas novamente se recuperou e conseguiu beliscar um incrível terceiro lugar, batendo Josef Newgarden na penúltima volta.

Sébastien Bourdais ousou ao não trocar pneus na última parada e foi recompensado com o quinto lugar. Scott Dixon fez boa corrida de recuperação e chegou em sexto, seguido por um ótimo Carlos Muñoz.

Tony Kanaan chegou na nona colocação, sofrendo com o carro danificado nas voltas finais. Em décimo, James Hinchcliffe ficou com a sensação de que dava para ter beliscado algo melhor.

Helio Castroneves tomou um tremendo susto. Dentro dos boxes, o brasileiro viu Alexander Rossi subir em seu carro e, por muito pouco, não levou uma grande pancada da roda do americano em seu capacete.

Will Power venceu em Pocono (Foto: IndyCar)

Confira como foram as 500 Milhas de Pocono:

A primeira tentativa de largada da Indy em Pocono deu errado, com alguns carros ainda fora do alinhamento. A saída aconteceu às 13h11 (em Brasília). Tudo certo para Mikhail Aleshin, que segurou os ataques de Josef Newgarden e manteve a frente. 

 
No segundo giro, Newgarden passou Aleshin para tentar escapar na volta, enquanto Carlos Muñoz ganhava o quarto posto e seguia Takuma Sato, enquanto Helio Castroneves saía bem mal.
 
Apesar de uma largada tranquila e até com poucas mudanças na classificação, o primeiro acidente veio cedo. Logo na terceira volta, Sato escapou e estampou o muro com força, trazendo a primeira bandeira amarela da corrida.
 
Com a corrida paralisada pelo forte acidente do japonês da Foyt, que ia para o Centro Médico de Pocono, Scott Dixon era o primeiro a aproveitar para fazer o pit-stop. Os primeiros colocados eram: Newgarden, Aleshin, Muñoz, James Hinchcliffe, Alexander Rossi, Castroneves, Tony Kanaan, Marco Andretti, Will Power e Ed Carpenter.

A relargada veio na volta 8, com Newgarden segurando bem as investidas de Aleshin, que tentava botar de lado. Logo atrás, Muñoz perdia o terceiro lugar, mas rapidamente dava o troco em Hinchcliffe, puxando Rossi junto para a quarta posição.
Will Power recebendo champanhe nas costas no pódio em Pocono (Foto: IndyCar)

Aleshin recuperou a liderança rapidamente, fazendo com que Newgarden iniciasse uma disputa com Muñoz. Sem conseguir ganhar o segundo lugar do americano, o colombiano logo caiu para quarto, atrás do companheiro Rossi.

Na 17ª volta, Rossi fazia valer seu carro muito bem acertado e tirava Newgarden do caminho, imediatamente colando em Aleshin. Porém, quem brilhava mesmo era outro piloto da Andretti, Ryan Hunter-Reay. Saindo em último após o acidente no TL1, o #28 ia escalando o pelotão e, na volta 19, já ganhava o sétimo lugar de Kanaan.

Na volta 25, a classificação da prova tinha: Aleshin, Rossi, Newgarden, Muñoz, Hinchcliffe, Castroneves, Hunter-Reay, Kanaan, Andretti e Power. No giro seguinte, Helio tentou superar Hinch, não teve sucesso e perdeu rendimento, virando presa fácil para Hunter-Reay.

Hunter-Reay seguia fazendo um início de prova histórico. Perto de completar 30 voltas, o veterano já superava também Hinchcliffe e Muñoz, indo para os boxes em um incrível quarto lugar. Quase todo mundo ia para a primeira rodada de paradas entre as voltas 32 e 33.

Reposicionados após a primeira ida aos boxes, Aleshin conseguia manter a dianteira. Hunter-Reay já aparecia em segundo, com Newgarden, Muñoz e Rossi também próximos. Hinch, Castroneves, Kanaan, Power e Simon Pagenaud também apareciam no top-10.

O segundo stint da corrida ficava bem mais morno que o anterior, com o grande destaque ficando por conta do início da perseguição aos retardatários. Na volta 46, Aleshin mergulhou bonito e deixou Pippa Mann para ser ultrapassada por Hunter-Reay, que também não teve grandes problemas.

Quem sofreu muito com a britânica foi Hinch. O canadense foi fechado pela retardatária e acabou perdendo o quinto lugar para Castroneves. Na volta 48, Hunter-Reay finalmente tinha sucesso contra Aleshin, assumindo incrivelmente a dianteira 48 giros após largar em último.

Os ponteiros alcançavam Conor Daly com 25% de corrida concluídos. Hunter-Reay liderava com 0s6 de frente para Aleshin. Muñoz, Rossi, Newgarden, Castroneves, Hinchcliffe, Kanaan, Power e Andretti vinham também no grupo dos dez primeiros.

Algumas mudanças importantes nos primeiros lugares aconteceriam logo na sequência. Aleshin e Muñoz ganhavam força e superavam Hunter-Reay, enquanto Newgarden tirava Rossi do quarto lugar. Os cinco, porém, seguiam bem próximos, bem como Castroneves, Hinchcliffe, Kanaan e Power.

Na volta 59, pintava o segundo abandono da corrida. Mas, desa vez, sem bandeira amarela. Era Ed Carpenter, mais uma vez sendo atingido pelo azar e tendo de deixar a corrida com problemas no motor. 

Dois giros mais tarde, os três primeiros colocados resolveram ir juntos para os boxes. Aleshin manteve a ponta, mas Hunter-Reay viu seu time trabalhar melhor que o de Muñoz e saiu atrás do russo.

Will Power recebendo champanhe nas costas no pódio em Pocono (Foto: IndyCar)

Foi aí que um acidente assustador nos boxes aconteceu. Rossi foi liberado em cima de Charlie Kimball, bateu no #83 e saiu voando, passando em cima do carro de Castroneves e, por muito pouco, não passando com a roda com força no capacete do brasileiro. Apesar do susto, ninguém se machucou, mas Rossi deixava a disputa mais cedo e Helio, com o carro todo marcado pelas rodas da Andretti, ficava boas voltas parado nos boxes.

A bandeira amarela pela confusão assustadora durou bastante, saindo na volta 71. Aleshin fugiu na primeira posição, seguido por Hunter-Reay, Newgarden, Muñoz, Kanaan, Hinch, Andretti, Rahal, Power e Juan Pablo Montoya.

Enquanto Castroneves ia para a garagem tentar reparar o carro e salvar alguns pontos em Pocono, a corrida ficava franca, lembrando a de 2015. No pelotão intermediário, muitas trocas de posição, com Scott Dixon logo surgindo em nono. 15 carros seguiam na mesma volta.

Os cinco primeiros colocados já abriam distância considerável para os demais. Aleshin era seguido de perto por Hunter-Reay, Newgarden, Muñoz e Kanaan, nessa ordem. Hinchcliffe tentava aproximar, com Rahal, Dixon, Power e Andretti atrás.

Hunter-Reay voltava para a dianteira na volta 90, forçando muito o ritmo e dando claros sinais de que a terceira ida aos boxes estava próxima. Enquanto isso, Sébastien Bourdais aparecia pela primeira vez no top-10, passando Andretti.

Quem abria a rodada nos boxes foi Aleshin, na volta 93. No giro seguinte, Hunter-Reay, Muñoz, Hinchcliffe e Rahal seguiam o mesmo procedimento, saindo na mesma ordem dos pits. Newgarden parava na volta 97, com Kanaan indo aos boxes na 98 e demorando muito tempo com uma apagada no motor.

Mikhail Aleshin em Pocono (Foto: IndyCar)

Na volta 100, que marcava a metade da corrida, os pilotos já estavam reposicionados na pista. Aleshin puxava a fila, com Hunter-Reay e Newgarden colados. Muñoz vinha folgado em quarto, seguido por Hinchcliffe, Dixon, Rahal, Power, Montoya e Pagenaud. Com os problemas nos boxes, Kanaan virava o 14º.

Enquanto Montoya novamente começava a perder terreno com seu carro todo remendado de peças dos demais pilotos da Penske, Kanaan vinha se recuperando e colava no colombiano para tentar virar 11º, atrás de Bourdais.

Aleshin novamente era o primeiro a parar, abrindo a quarta janela na volta 120. Hinchcliffe e Rahal paravam na 122, enquanto Hunter-Reay conseguia alongar até o giro 123, junto com o companheiro Muñoz. Newgarden, na volta 126, era o último dos ponteiros a parar.

A briga parecia ficar entre Aleshin e Hunter-Reay após as paradas. 0s6 separavam o russo do americano, enquanto Newgarden era o terceiro com 2s4 de atraso. Power saltava para um excelente quarto lugar, com Muñoz se dando mal nos boxes e caindo para quinto. Bem atrás vinha Dixon em sexto, tendo boa frente para Pagenaud, Kanaan, Rahal e Montoya.

Hunter-Reay ganhava o primeiro lugar de Aleshin e tentava abrir, jogando o russo para Newgarden. Ali atrás, Pagenaud, Kanaan, Montoya e Bourdais começavam a brigar. 

Após uma boa primeira parte de prova, Andretti despencou e acabou virando retardatário já na volta 140. Marco, assim como Jack Hawksworth, foram superados por Hunter-Reay, Aleshin e Newgarden rapidamente. Caía muito também o ritmo do piloto russo da Schmidt Peterson, o que causou a perda de posição para Newgarden e Power.

Power ganhava o segundo lugar de Newgarden, enquanto Aleshin e Hinchcliffe já abriam a quinta ida dos pilotos aos boxes. Tão lento estava o russo que já quase tomava uma volta de Hunter-Reay.

Todos foram aos boxes, com Power sendo novamente o último, na volta 157. Agora, o ganho foi ainda maior para o australiano, que finalmente aparecia na ponta do pelotão. Na volta 158, bandeira amarela na pista por um acidente inesperado. Era Pagenaud, que perdia o controle com os pneus novos, acertava o muro e abandonava a prova.

Alguns pilotos aproveitavam para misturar as estratégias e encher um pouco mais o tanque, mas assim estava a classificação da prova, com 12 carros na mesma volta: Power, Hunter-Reay, Newgarden, Aleshin, Muñoz, Dixon, Kanaan, Bourdais, Montoya, Rahal, Hinchcliffe e Max Chilton.

A relargada veio na volta 164, com Hunter-Reay mergulhando e tirando Power da dianteira. Porém, a alegria do americano durou menos de uma volta, quando o #28 ficou lento e imediatamente foi aos boxes, praticamente encerrando suas chances de uma vitória épica. Hunter-Reay bem que voltou, mas um giro atrás dos demais.

Com o problema de Hunter-Reay, Power retomava a dianteira, segurando os ataques de Newgarden e de Aleshin. Kanaan já era o quarto, com Muñoz em quinto. Dixon, Bourdais, Montoya, Hinchcliffe e Rahal fechavam o top-10. Chilton era o último na mesma volta de Power.

Aleshin recuperava o segundo lugar em cima de Newgarden na volta 172 e tentava tirar os quase 2s para Power. Briga boa era pela quarta colocação, com Muñoz para cima de Kanaan. Na volta 176, mais uma bandeira amarela, dessa vez por detritos da traseira de Kanaan na pista. Todos nos boxes para a última parada.

A Penske trabalhou bem com Power e fez o australiano voltar na frente, mas logo atrás quem vinha era Bourdais, após grande parada feita pela KV. Newgarden, Kanaan e Aleshin vinham atrás.

A relargada aconteceu no 180º giro, com Kanaan brilhando e superando Bourdais e Newgarden, pulando para segundo. Porém, o ritmo do brasileiro não era dos melhores e, rapidamente, Newgarden e Aleshin voltaram ao top-3.

Entrando nas 20 voltas finais, Power liderava com 0s6 para Newgarden. Aleshin, Kanaan, Bourdais, Montoya, Muñoz, Dixon, Hunter-Reay e Hinchcliffe seguiam na briga. Aleshin tirava Newgarden da frente e seguia vivo atrás da vitória inédita.

Depois de ir de último para primeiro, agora Hunter-Reay tentava fazer o mesmo em menos voltas e saindo de 12º. O americano forçava em cima de Montoya, mas via Dixon se aproveitar e ganhar o sétimo posto.

A saga de Hunter-Reay continuava e, com bom ritmo e pilotagem perfeita, o americano superava Dixon e Bourdais rapidamente. Faltava Newgarden para um top-3 inesperado. A ultrapassagem veio na penúltima volta.

Lá na frente, todo esforço de Aleshin acabou sendo em vão, com Power forçando o ritmo quando preciso foi e levando mais uma vitória para a casa, somando pontos vitais para a disputa doméstica da Penske pelo título de 2016.

Indy, 500 Milhas de Pocono, Classificação Final:

1 12 WILL POWER AUS PENSKE CHEVROLET 200 voltas  
2 7 MIKHAIL ALESHIN RUS SCHMIDT PETERSON HONDA +1.146  
3 28 RYAN HUNTER-REAY EUA ANDRETTI HONDA +5.908  
4 21 JOSEF NEWGARDEN EUA CARPENTER CHEVROLET +7.075  
5 11 SÉBASTIEN BOURDAIS FRA KV CHEVROLET +7.529  
6 9 SCOTT DIXON NZL GANASSI CHEVROLET +7.890  
7 26 CARLOS MUÑOZ COL ANDRETTI HONDA +11.594  
8 2 JUAN PABLO MONTOYA COL PENSKE CHEVROLET +13.435  
9 10 TONY KANAAN BRA GANASSI CHEVROLET +13.799  
10 5 JAMES HINCHCLIFFE CAN SCHMIDT PETERSON HONDA +14.224  
11 15 GRAHAM RAHAL EUA RLL HONDA +14.347  
12 27 MARCO ANDRETTI EUA ANDRETTI HONDA +16.333  
13 8 MAX CHILTON ING GANASSI CHEVROLET +17.191  
14 41 JACK HAWKSWORTH ING FOYT HONDA +18.559  
15 83 CHARLIE KIMBALL EUA GANASSI CHEVROLET +1 volta  
16 18 CONOR DALY EUA DALE COYNE HONDA +2 voltas  
17 19 PIPPA MANN ING DALE COYNE HONDA +3 voltas  
18 22 SIMON PAGENAUD FRA PENSKE CHEVROLET +43 voltas NC
19 3 HELIO CASTRONEVES BRA PENSKE CHEVROLET +137 voltas NC
20 98 ALEXANDER ROSSI EUA ANDRETTI HONDA +137 voltas NC
21 20 ED CARPENTER EUA CARPENTER CHEVROLET +143 voltas NC
22 14 TAKUMA SATO JAP FOYT HONDA +199 voltas NC
 
PADDOCK GP #42 RECEBE LUCAS DI GRASSI

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube