Retrospectiva 2021: Kanaan ganha nova chance na Ganassi, mas cartas jogam contra

Tony Kanaan ganhou uma chance de ouro na Ganassi, mas o azar tomou conta na maior parte das oportunidades que teve na Indy em 2021

OS MELHORES E OS PIORES DE MOTOGP E INDY + AS FINAIS DE F2 E STOCK CAR

O clima de 2020 parecia de despedida para Tony Kanaan. Fora da Foyt, time que tinha representado nas três temporadas anteriores, o objetivo era arranjar um lugar para correr em 2021, e uma oportunidade quase inesperada caiu do colo. Heptacampeão e lenda da Nascar, Jimmie Johnson decidiu se aventurar na Indy e conseguiu patrocínios bons o suficiente para bancar um quarto carro na Ganassi. Porém, aos 45 anos, não queria andar nos ovais de cara, um nome se tornou necessário para quatro etapas no ano, e o nome que surgiu foi do amigo e experiente Kanaan.

Tony teve uma passagem de quatro temporadas pela Ganassi, entre 2014 e 2017. Apesar da vitória em Fontana, em seu ano de estreia, ele mesmo reconheceu que não esteve 100% confortável e desempenhando o máximo que poderia pelo time, e acabou trocado por Ed Jones em 2018. De qualquer forma, Kanaan queria andar nos ovais, e recebeu o melhor carro possível para esta missão.

No mesmo ano em que foi se aventurar na Stock Car, Kanaan viu nenhum vento de sorte soprar ao seu favor na Indy. Logo na estreia, na rodada dupla do Texas, viu a classificação ser cancelada por conta da chuva no oval. A solução da categoria foi largar os pilotos na ordem do campeonato. Sem participações na temporada, precisou sair de 23º e 20º nas corridas, se recuperando para 11º e 15º respectivamente.

LEIA TAMBÉM: Retrospectiva 2021: Mesmo com Dixon abaixo, Ganassi sobra e vê Penske patinar na Indy 
Retrospectiva 2021: Palou vira estrela, Newgarden se consolida e Dixon decepciona
Retrospectiva 2021: Título de Palou confirma invasão da nova geração no topo da Indy

Tony Kanaan em Gateway (Foto: IndyCar)

Depois de um bom tempo, finalmente Tony tinha um carro bom o suficiente para brigar pelo segundo anel das 500 Milhas de Indianápolis, e o bom desempenho da Ganassi foi garantido pela pole-position de Scott Dixon e o jeito com que Álex Palou pôde brigar pela vitória até o fim.

Mas lá estava o azar de novo. Apesar de largar entre os primeiros, foi pego de surpresa na estratégia pelo acidente de Stefan Wilson. Forçado a fazer uma parada de emergência pelo risco de pane seca, realizou um pit-stop com boxes fechados e foi jogado ao fundo do grid em uma relargada. Ainda conseguiu remar para fechar em décimo, mas o gosto no Brickyard saiu extremamente amargo.

Depois de mais experiências na Stock Car e uma passagem pela novata SRX, Kanaan retornou para finalizar a temporada em Gateway. Com menos interferências, teve uma classificação longe do ideal e fechou a corrida apenas em 13º.

Para 2022, a esperança é que o azar fique mais longe, e o brasileiro consiga usufruir melhor do bom equipamento que tem para ser competitivo da forma que ele e a Ganassi desejam.

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar