Retrospectiva 2023: Palou massacra concorrência e se consolida na elite da Indy

Álex Palou deu a volta por cima após um 2022 conturbado, emplacou uma das melhores temporadas de todos os tempos da Indy e oficialmente se consolidou na elite do esporte a motor

5 vitórias, outros 5 pódios, 100% de presença no top-10, pole das 500 Milhas de Indianápolis e taça conquistada antes da última corrida. Não há exagero algum em dizer: o que Álex Palou registrou em 2023 foi uma das temporadas mais impressionantes e dominantes da história da Indy.

Álex já tinha chutado a porta em 2021 ao conquistar um surpreendente título logo no primeiro ano de Ganassi. Em 2022, até teve um início bom de campeonato, mas o imbróglio judicial por conta de uma possível transferência para a McLaren claramente entrou na mente do catalão, que só foi vencer em Laguna Seca, no fim da temporada, e não brigou pelo bicampeonato.

Para 2023, a mentalidade mudou. Com o conflito aparentemente resolvido, Palou ganhou a confiança da Ganassi novamente, e foi agindo pouco a pouco. Nas primeiras quatro corridas do ano, registrou um pódio no Texas, mas as boas pontuações já o colocavam entre os primeiros em um momento crucial da temporada, quando tudo ainda está muito embolado.

Álex Palou faz a Indy parecer coisa fácil (Foto: Indycar)

Aí, é claro, chegou maio. O mês que separa os homens dos meninos. No misto de Indianápolis, largou de terceiro, assumiu a segunda posição e se deu bem no xadrez contra Pato O’Ward para vencer. Cravou a pole da Indy 500, e só não teve mais chances de vitória por conta de um incidente com Rinus VeeKay nos boxes. Apesar disso, um quarto lugar muito valioso para o campeonato.

Então, veio a mágica sequência que coroou o campeonato. Em Detroit, largou da pole-position e dominou a conturbada corrida de rua no Michigan para disparar de vez na ponta. Em Road America, partiu de segundo e ficou na cola de Colton Herta o tempo inteiro, até uma ultrapassagem nas voltas finais.

Já em Mid-Ohio, um nó estratégico em Herta e Graham Rahal para três triunfos em sequência. Foi a primeira vez que isso aconteceu na Indy desde 2020. A partir daquele momento, o título de Álex era muito claro e ele poderia apenas pilotar de forma automática. Mas muito longe disso. Já na prova seguinte, em Toronto, conquistou um absurdo segundo lugar apesar de danos na asa dianteira. Teve outro par de pódios em Iowa e Nashville, e foi administrando a vantagem até Portland.

Álex Palou, o campeão de 2023 (Foto: Indycar)

Por lá, tinha um match-point apenas com um pódio. Largou de quinto. E venceu. Mesmo com título já garantido, ainda emplacou um terceiro lugar na corrida final, em Laguna Seca, coroando uma das melhores temporadas de todos os tempos.

Nem uma nova imensa polêmica contratual tirou Álex dos trilhos. Mesmo de contrato assinado com a McLaren, o espanhol afirmou que não tinha o desejo de se juntar ao time papaia, optando pela permanência na equipe que o deu dois títulos até aqui. A disputa vai, mais uma vez, para os tribunais, com a esquadra inglesa furiosa pelo descompromisso do espanhol.

Se 2021 foi surpreendente, 2023 indica que Palou é, sim, um titã da Indy. E que já está escrevendo o nome entre os grandes do esporte a motor, com favoritismo já para 2024.

Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

🏁 O GRANDE PRÊMIO agora está no Comunidades WhatsApp. Clique aqui para participar e receber as notícias da Indy direto no seu celular! Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra, Escanteio SP e Teleguiado.