Rosenqvist passa O’Ward no fim e vence 1ª na Indy na corrida 2 de Elkhart Lake

No sufoco, no detalhe, Felix Rosenqvist superou Pato O'Ward na penúltima volta e, assim, buscou a primeira vitória da carreira na Indy no GP de Elkhart Lake. Scott Dixon foi apenas o 12º

A segunda corrida do GP de Elkhart Lake foi completamente diferente de tudo que havia acontecido até então na temporada 2020 da Indy. Neste domingo (12), o invicto Scott Dixon foi só 12º, passou longe da briga pela vitória, que foi de tirar o fôlego entre o companheiro de Ganassi Felix Rosenqvist e Pato O’Ward, que fez a pole e liderou praticamente a prova inteira. Foi faltando duas voltas que o sueco atacou de vez e, aproveitando os pneus mais inteiros, conquistou a primeira vitória da carreira, tirando o doce da boca do rival da McLaren.

O ritmo de Rosenqvist foi muito bom, especialmente na reta final da prova, o que mostrou, mais uma vez, a força da Ganassi, que manteve o 100% de aproveitamento em 2020. A McLaren também tem do que se orgulhar, afinal, Pato fez a pole e teve uma tocada bastante segura, além de bons trabalhos nos boxes. Não saiu a primeira vitória, mas chegou o primeiro pódio do promissor mexicano.

Outro que pode ficar feliz com a atuação é Alexander Rossi, que basicamente fez sua estreia em 2020. O americano vinha na lanterna do campeonato, mas teve prova segura, foi arrojado e arrancou um lugarzinho no pódio.

Marcus Ericsson teve uma de suas melhores exibições na Indy e colocou mais uma Ganassi na quarta colocação, mostrando que o resultado de Dixon foi realmente algo anormal. O top-5 ainda teve Colton Herta, que terminou todas as corridas do ano nas sete primeiras colocações.

A Dale Coyne voltou a ter boas performances, com Santino Ferrucci e Álex Palou em sexto e sétimo, respectivamente. Takuma Sato fez boa prova de recuperação e chegou em oitavo, na frente de um apagadíssimo Josef Newgarden.

Charlie Kimball, em grande dia, completou o grupo dos dez primeiros, na frente do pesado trio Will Power, Dixon e Simon Pagenaud. Power, aliás, protagonizou momentos pouco inspirados no início, tirando Ryan Hunter-Reay e Graham Rahal da corrida.

Felix Rosenqvist venceu a primeira na Indy (Foto: IndyCar)

Saiba como foi a corrida 2 em Elkhart Lake

A largada da segunda prova da Indy em Elkhart Lake começou às 13h42 (em Brasília). E o início foi bastante complicado. Pato O’Ward e Colton Herta saíram lentos e acabaram juntando ainda mais o pelotão, que teve uma série de toques. O primeiro foi de Conor Daly, que acertou a traseira de Oliver Askew e perdeu a asa dianteira.

Na sequência, a coisa foi ficando ainda pior. Isso porque Will Power começou a corrida daquele jeito. Em duas curvas, o australiano rodou Ryan Hunter-Reay e mandou o rival para a brita. Na sequência, tocou em Graham Rahal, que foi parar na grama e bateu de forma estranha em uma perigosa quina de muro de concreto.

As batidas de Hunter-Reay e Rahal (Vídeo: Indycar)

Felizmente, tanto Ryan quanto Graham ficaram bem, apesar das batidas preocupantes. No entanto, a corrida de ambos acabou ainda na primeira volta e, é claro, bandeira amarela na pista. Daly, pelo toque em Askew, e Power acabaram sendo punidos e relargariam das duas últimas posições. Ambos também foram aos boxes, com os carros avariados, mas também entrando em estratégia diferente.

Além da sorte de Rahal ao sair ileso de uma batida daquelas e do início complicado de Power, outro destaque ficou para Scott Dixon que, por muito pouco, não foi levado pelo carro virado de Hunter-Reay. O neozelandês não apenas seguiu na pista, como relargaria em quarto.

Bandeira verde, aliás, que veio na volta 5, com O’Ward, Herta, Palou, Dixon, Rosenqvist, VeeKay, Rossi, Ericsson, Newgarden e Veach no top-10.

As posições da frente seguiam as mesmas, mas, lá no fundo, mais loucura proporcionada por Power. O #12 atravessou na grama, rodou, atropelou uma placa e, de novo, chamava bandeira amarela.

Will Power roda e quase bate em Oliver Askew (Vídeo: Indycar)

Basicamente, os incidentes de Power tiraram as sete primeiras voltas da corrida, que estavam praticamente acontecendo em bandeira amarela em sua totalidade. O australiano e Askew iam aos boxes novamente, para mais reparos.

Uma nova tentativa de relargada acontecia na volta 8, desta vez com sucesso. O’Ward escapou bem na dianteira, mas Herta não acompanhou, sendo atropelado, por fora, pelo inspirado Palou, que repetia o nível de relargadas do sábado. Lá no fundo, tudo mantido, exceto Power, que saía de 21º para 18º, tentando remar de volta.

Assim como na corrida 1, o ritmo de Newgarden com os pneus duros era sofrível. O americano não teve como segurar VeeKay, Kimball e Andretti. Rossi era o outro carro de compostos pretos, mas andava ligeiramente mais rápido que o atual campeão.

Na volta 12, Newgarden já tratou de ir aos boxes e tentar a recuperação com os pneus macios. O bicampeão ia para o último lugar e já parecia com mais uma corrida condenada.

Josef Newgarden teve início difícil com pneus duros (Foto: Indycar)

O giro seguinte viu os primeiros líderes parando. Herta e Dixon abriram os trabalhos e ambos tiveram trabalhos lentos de pit-stop. As posições se mantiveram, mas era uma boa notícia para gente como Newgarden e Pagenaud, que ficavam um pouco mais próximos.

Palou, VeeKay, Rossi e Veach foram aos boxes na volta 14 e O’Ward parou no giro posterior. O mexicano voltou com boa margem na frente de Palou, Herta, Dixon e Rossi. VeeKay, que parecia em boa posição, errou e foi parar atrás até de Newgarden.

O último dos ponteiros a parar foram Rosenqvist e Ericsson. E os suecos da Ganassi até que se deram bem. A nova ordem real da corrida tinha, então: O’Ward, Palou, Rosenqvist, Herta, Dixon, Rossi, Ericsson, Newgarden, Veach e VeeKay. Power, Ferrucci e Kellett tentavam esticar o stint e apareciam na frente do pelotão, mas logo parariam.

Aproveitando-se dos pneus macios, Rossi não estava com paciência e ia para cima de todo no mundo segundo stint com bastante decisão. Foi assim também diante de Dixon, para assumir o quinto lugar virtual.

O’Ward parecia realmente estar no dia dele e não queria saber muito de esperar os rivais pararem. Sem discutir muito, o mexicano passou Ferrucci e Power, que seguiam tentando alongar o stint e podiam mexer com as táticas da corrida.

O rendimento de Palou, por outro lado, caía bastante com os pneus duros. Não bastasse perder contato com Pato, o espanhol também foi atacado e perdeu a posição para Rosenqvist, que logo se livrava do intruso Ferrucci. Rossi, enquanto isso, tirava Herta do caminho e iniciava perseguição a Palou.

De início promissor, Palou encarou dificuldades (Foto: Indycar)

Power finalmente parava na volta 23, voltando em 18º. Ferrucci conseguiu aguentar um pouco mais, indo aos boxes no giro seguinte e retornando em 19º. Assim, faltando 31 voltas, a ordem se estabelecia com O’Ward, Rosenqvist, Palou, Rossi, Herta, Ericsson, Dixon, Newgarden, VeeKay e Sato. Do top-10, apenas Rossi e Newgarden de macios e Palou e Dixon com ritmos bem ruins de duros.

Tão ruins que o neozelandês parou cedinho pela segunda vez, botando novos pneus duros, mas mexendo bastante na asa. Parecia uma prova complicada para Dixon, em 19º. Rossi passava Palou, em belíssima performance, enquanto Newgarden e VeeKay também faziam a segunda parada.

E os demais líderes não demoraram também a visitar os boxes. Quem mais esticou o stint foi Rosenqvist, mas foi justamente o sueco que teve problema nos boxes e a vantagem de O’Ward seguiu tranquila, em 7s5.

Com a perspectiva de apenas mais uma parada, O’Ward liderava na volta 30 com 8s para Rosenqvist, 11s6 para Rossi e 14s5 para Ferrucci e Power, que já pareciam encaixar a estratégia. Dixon, Herta, Kellett, Ericsson e Newgarden fechavam o top-10. O canadense da Foyt era outro piloto na tática de Ferrucci e Power.

Pato O’Ward fez corrida brilhante em Road America (Foto: IndyCar)

Impressionava o quanto Dixon sofria para ter ritmo com os pneus duros. Mais uma vez, o neozelandês não teve como segurar Herta e Ericsson e caía para oitavo, vendo Newgarden, Sato e Palou também se aproximarem.

A distância entre O’Ward e Rosenqvist começava a cair perigosamente, já na casa dos 5s com 20 voltas para o fim. Rossi acompanhava o ritmodo sueco, mas tinha 12s6 de atraso para o líder. Herta e Ericsson passavam Ferrucci e entravam no top-5, enquanto Dixon, Newgarden, Palou e Kimball deixavam Power para trás.

Ferrucci e Power abriam os trabalhos finais na volta 40 e, nos dois giros seguintes, os demais líderes faziam o mesmo. E aí Dixon mostrou que é humano e também sofre com problemas, deixando o carro morrer nos boxes. O neozelandês despencou, de novo, para 19º e parecia totalmente fora da disputa.

Quando todo mundo parou, O’Ward tinha 6s0 para Rosenqvist e 13s3 para Rossi. Ericsson, em belíssima atuação, tinha uma distância confortável em quarto, seguido por Herta, Ferrucci, Palou, Sato, Newgarden e Kimball.

Alexander Rossi foi ao pódio em Elkhart Lake (Foto: IndyCar)

A corrida 2 de Elkhart Lake entrava nas últimas dez voltas com uma briga boa entre Ferrucci e Palou pelo sexto lugar e um enorme pelotão entre Kimball, Power, VeeKay, Dixon e Pagenaud do 10º ao 14º lugares. Mas, lá na frente, poderia ter disputa também, com Rosenqvist baixando de 4s5 para o líder Pato.

Os giros finais viram Felix tirando e tirando a distância. E tudo se complicou ainda mais quando Pato foi dar uma volta em Daly. O americano não quis saber e resolveu jogar duro, verdadeiramente disputando a posição com o líder.

O resultado daquilo foi Rosenqvist colando de vez e esperando os pneus do rival acabarem de vez, o que foi acontecendo. Com duas voltas para o fim, Pato perdeu totalmente a aderência e até tentou vender caro, mas foi batido pelo sueco, que foi quem teve sua primeira vez em Road America.

Indy 2020, GP de Elkhart Lake, Corrida 2, Final:

1F ROSENQVISTGanassi Honda1:51:22.03955 voltas
2P O’WARDMcLaren Chevrolet+2.870 
3A ROSSIAndretti Honda+8.617 
4M ERICSSONGanassi Honda+14.223 
5C HERTAAndretti Honda+32.417 
6S FERRUCCIDale Coyne Honda+35.888 
7A PALOUDale Coyne Honda+36.771 
8T SATORLL Honda+47.943 
9J NEWGARDENPenske Chevrolet+48.786 
10C KIMBALLFoyt Chevrolet+53.061 
11W POWERPenske Chevrolet+53.971 
12S DIXONGanassi Honda+54.535 
13S PAGENAUDPenske Chevrolet+56.393 
14R VEEKAYCarpenter Chevrolet+1:00.437 
15M CHILTONCarlin Chevrolet+1:00.469 
16Z VEACHAndretti Honda+1:06.835 
17J HARVEYMeyer Shank Honda+1:08.296 
18C DALYCarpenter Chevrolet+1:45.468 
19M ANDRETTIAndretti Honda+1 volta 
20D KELLETTFoyt Chevrolet+1 volta 
21O ASKEWMcLaren Chevrolet+2 voltasNC
22R HUNTER-REAYAndretti Honda+55 voltasNC
23G RAHALRLL Honda+55 voltasNC

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube