Austin Dillon se beneficia de acidente de Scott em Daytona e vence prova da Xfinity Series marcada por ‘big-one’

A etapa de Daytona da Xfinity Series, disputada neste sábado (4), teve interrupção por causa da chuva, dois big-ones e bandeira vermelha. Todas essas variáveis embaralharam o grid e terminaram por beneficiar Austin Dillon, que herdou a ponta de Brian Scott. O ex-líder havia liderado a maior parte das voltas, até causar um grande acidente na reta oposta

Vencer em Daytona é o sonho de qualquer piloto da Nascar. E na etapa deste sábado (4) da Xfinity Series a honra coube a Austin Dillon, que teve alguma dose de sorte. O piloto do #33 se beneficiou do ‘big-one’ causado por Brian Scott, que havia liderado a maior parte da prova.
 
Dillon herdou a ponta com três voltas para o fim e, na prorrogação, não foi ameaçado por mais ninguém. Elliott Sadler, Chase Elliott e Kasey Kahne vieram logo atrás.
Austin Dillon evitou acidentes e venceu em Daytona (Foto: Nascar)
Brian Scott liderou mais de 80 voltas, mas foi vítima de seu próprio erro. O #2, tentando defender a liderança, balançou muito na reta oposta e causou o grande acidente que terminou com sua noite – isso com três voltas para o fim.

A prova em Daytona começou agitada, com três bandeiras amarelas em 18 voltas. Mas, daí em diante, os ânimos se acalmaram. Apenas com 20 giros para o fim que a agressividade dos pilotos voltou a se sobressair. E com tudo: um big-one aconteceu com dez voltas para o fim, tirando vários pilotos da prova e causando uma bandeira vermelha.

A prova começou com mais de 1h de atraso. A chuva, que levou ao cancelamento da classificação da Sprint Cup, foi a culpada. O medo de que mais garoas afetassem a continuidade da corrida acabou não se confirmando.

 
A próxima etapa da Xfinity Series será disputada já no próximo final de semana, em Kentucky.

Saiba como foi a etapa da Xfinity Series em Daytona

A chuva atingiu Daytona com vigor, atrasando a largada da Xfinity Series em mais de 1h. As nuvens, carregadas, seguiam contornando a pista. As chances de mais interrupções não eram tão grandes, mas existiam.

 
Daniel Suárez conseguiu segurar a ponta na primeira volta. Brian Scott tentou, mas não conseguiu ir além da segunda posição. Isso até a volta dois, quando o #2 tomou a ponta.
 
Foi só o começo da perda de posições do mexicano. Joey Logano e Ty Dillon, agora segundo e terceiro, deixaram Suárez em quarto. David Ragan fechava os cinco primeiros.
 
A primeira bandeira amarela veio cedo. Bobby Gerhart, após um toque, perdeu a traseira, rodou, e precisou ir aos boxes.
 
A relargada foi crucial para Suárez se recuperar. Antes em quarto, o #18 retomou a ponta em questão de uma volta. Scott, Ty Dillon, Ragan e Ryan Reed vinham atrás.
 
A ação foi interrompida logo depois, com mais uma amarela. Foi a vez de Cale Conley rodar e causar a segunda interrupção.
 
Mais uma relargada, mais uma troca de líder. Scott passou Suárez, mas a diferença era mínima. Um liderava a linha de baixa, o outro liderava a de cima. Eventualmente, Daniel cedeu e caiu para quarto. Entre os dois pilotos, Ty Dillon e Reed.
Daytona, pista da etapa deste sábado (4) da Xfinity (Foto: Nascar)
A bandeira amarela, sempre ela, voltou na volta 15. Derrick Cope acertou o muro e deixou o carro todo desequilibrado. Nesse ritmo, veríamos as 24h de Daytona sendo realizadas em julho.
 
Os pilotos aproveitaram para fazer o primeiro pit da noite. Scott, Logano, Ty Dillon, Suárez e Reed apareceram como os cinco primeiros na saída do pitlane.
Pela segunda vez seguida, Logano largou bastante mal. Saindo de segundo, terminou a volta 22 em sexto. Enquanto isso, Scott seguia fazendo uma corrida sólida, ainda em primeiro. Atrás vinham Ty Dillon, Reed, Sadler e Suárez.
 
O dia de Suárez, que não era tão bom quanto poderia ser, piorou um pouco mais. O mexicano seguiu perdendo posições, eventualmente aparecendo em oitavo.
 
Aos poucos, os quatro primeiros colocados se consolidavam conforme as duas fileiras de carros se fundiam e formavam uma só. O ponto fora da curva era Kasey Kahne que, depois de largar em 16º, aparecia em quinto.
 
Os pits começavam a se aproximar e, na volta 56, uma segunda fila voltou a existir. Logano era o seu líder e aparecia em sétimo. O piloto da Penske parecia capaz de ameaçar os líderes.
Scott liderou, mas não ganhou (Foto: Reprodução/Twitter)
Na 57, a segunda rodada de pits começou. Ao fim desta, Scott seguia líder, mas com Reed em segundo. Sadler foi outro que cresceu, voltando em terceiro. Ty e Austin Dillon fechavam os cinco primeiros.
 
A prova seguiu sem ultrapassagens entre os líderes. Mas a oportunidade para dar uma chacoalhada na classificação veio na volta 81. A bandeira amarela havia sido ativada após uma rodada do #14 de Conley.
Com 17 voltas para o fim, os pilotos optaram por não ir aos boxes. Mas o grande número de carros agrupados parecia uma garantia para mais confusão.
 
Na relargada, como de costume nesta prova, Scott conseguiu segurar a liderança com tranquilidade, enquanto Reed tentava ameaçar e perdia muitas posições. Com isso, Sadler era o novo segundo colocado. Austin Dillon, Jones e Ragan fechavam o top-5.
 
O primeiro big-one da noite veio na volta 90. Tudo começou com Ty Dillon tocando em Reed, fazendo-o perder a traseira. O que veio depois, com todos os carros grudados, foi pura reação em cadeia. Ao todo, mais de dez pilotos do meio de pelotão acabaram com algum dano no carro. A bandeira vermelha foi acionada.
 
A bandeira vermelha foi substituída por uma amarela poucos minutos depois. Com 7 voltas para o fim, a ordem era Scott, Sadler, Austin Dillon, Jones e Ragan.

Mas a ação estava longe do fim. Mesmo. Com três voltas para o fim, Scott começou a se defender com mais veemência, tentando ocupar o máximo de espaço possível na pista. O resultado foi um toque na reta oposta, que terminou com o líder e vários outros pilotos fora de combate – era o segundo ‘big-one’ da noite.
 
O novo líder passou a ser Austin Dillon, com Sadler e Elliott atrás. A relargada, realizada em yellow-green-white, poderia arriscar o novo ponteiro. Mas não foi isso que aconteceu: o #33 conseguiu uma grande vitória.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube