Blaney dá troco em Ty Dillon, retoma liderança no final e garante vitória na etapa de Kentucky da Xfinity

Ryan Blaney e Ty Dillon, em dois atos, travaram a briga pela vitória em Kentucky. Na primeira cartada, Dillon tomou a ponta enquanto seu rival colapsava. Mas Blaney, como de costume para quem ri por último, tirou a sorte grande na última partida, garantindo sua segunda vitória na temporada

Ryan Blaney e Ty Dillon travaram, ao longo de duas relargadas, a grande disputa pela vitória na etapa de Kentucky da Xfinity Series, realizada neste sábado (26). Primeiro, Dillon ultrapassou o adversário. Mas, na última partida, Blaney deu o troco e abriu o suficiente para confirmar sua segunda vitória em 2015.
 
Blaney mostrou em vários momentos que  tinha um ritmo bastante forte. Passada metade da prova, parecia que o grande adversário do #22 seria a longa sequência de bandeiras amarelas, que dificultou o andamento da prova e embaralhou as estratégias – foi aí que Dillon cresceu, quase superando Ryan.
Ryan Blaney conquistou sua segunda vitória de 2015 em Kentucky (Foto: AP)
Regan Smith, outro beneficiado por cartadas certeiras em bandeiras amarelas, conseguiu um sólido terceiro lugar. Chase Elliott e Brandon Jones, mais constantes, garantiram quarto e quinto lugares, respectivamente.
 
O grande acidente da prova aconteceu entre Brendan Poole e Harrisson Rhodes. Na ocasião, o #42 de Poole ficou fora de controle, rodando sozinho. O #0, sem conseguir evitar um impacto, encheu com tudo a lateral do adversário. Com isso, vários detritos se acumularam na pista, exigindo uma bandeira vermelha que durou 22 minutos.

Entre mortos e feridos, a briga pelo título embolou. O líder, Chris Buescher, teve uma prova apagada, sem ritmo, mas conseguiu salvar um sétimo lugar – menos do que o top-5 de Dillon e Elliott, seus maiores adversários. Agora, a vantagem do primeiro para Ty, segundo, é de meros 19 pontos. O atual campeão, Chase, deve apenas 25 para Buescher.
 
A próxima etapa da Xfinity Series será disputada em Dover, já no próximo final de semana.

Saiba como foi a etapa de Kentucky da Xfinity Series

 
A largada foi dada e, com certa facilidade, Brian Scott tomou a liderança de Daniel Suárez, que não havia largado muito bem. Ty Dillon, Chase Elliott e Regan Smith fechavam o top-5.
 
A primeira batida da noite aconteceu pouco depois. Ryan Reed, Brennan Poole e Blake Koch se tocaram, indo para o muro externo. Bandeira amarela, portanto.
 
A relargada veio pouco depois. Na ocasião, Scott manteve a ponta, mas agora com Elliott e Dillon atrás. Isso por causa de outra largada ruim de Suárez, agora quarto. Ryan Blaney era o quinto.
 
Enquanto isso, o líder do campeonato estava apagado. Chris Buescher, apenas em 12º, reportava problemas de dirigibilidade para sua equipe.
 
A segunda amarela veio no 26º giro. Michael Self perdeu o controle do carro, batendo de frente com o muro. Foi a deixa para a primeira rodada de pits, sob amarela.
 
Ty Dillon saiu dos boxes com a liderança, trocando apenas dois pneus – assim como Darrell Wallace Jr, segundo. Scott, Blaney e Suárez, com quatro pneus novos, fechavam o top-5.
 
Na relargada, a briga foi intensa entre os dois primeiros. Isso até que Blaney e Scott, com pneus novos partissem para cima. Dillon, apesar de não trocar quatro tiras, seguiu líder. Brian, Ryan, Suárez e Wallace Jr fechavam o top-5.
 
Apesar dos pneus velhos, Dillon conseguia se sustentar contra Blaney. A dupla, enquanto isso, abria uma vantagem razoável sobre Scott, ainda terceiro.
 
Sempre perto dos líderes, Blaney só conseguiu ultrapassar Dillon na volta 54. Mas, quando o fez, se consolidou e começou a abrir vantagem aos poucos.
Buescher, apesar do dia apagado, conseguiu sustentar a liderança no campeonato (Foto: AP)
Com 66 voltas completas, estava claro que o ritmo daqueles que trocaram apenas dois pneus começou a cair com mais agilidade. Ty já estava 2s5 atrás de Blaney, enquanto Wallace Jr caia de quinto para sétimo.
O mesmo não podia ser dito de Suárez, que parecia crescer em longos trechos de bandeira verde. O mexicano conseguiu ultrapassar Blaney, assumindo o terceiro posto. Depois, rapidamente encostou em Dillon, mas ainda sem ultrapassar.
 
A bandeira amarela foi acionada pouco depois, por causa de detritos na pista. Isso aconteceu enquanto Blaney entrava nos boxes. Mas, com a intervenção, Ryan precisou passar reto, sem fazer sua parada e perdendo a liderança – agora de Dillon.
 
Na saída dos boxes, a ordem acabou como Scott, Wallace Jr., Brandon Jones, Suarez e Blaney.
 
Na relargada, os três primeiros colocados dispararam. Scott manteve a ponta, mas não sem brigar muito com os Jones – Brandon e Erik, segundo e terceiro. Elliott e Sadler fechavam o top-5.
 
A bandeira amarela voltou pouco depois. Poole, já com danos no carro, rodou sozinho, sendo atingido em cheio por Harrisson Rhodes. O impacto, que acabou com a prova dos dois, exigiu a bandeira vermelha.

Depois de 22 minutos de carros parados na pista, a amarela foi acionada, preparando os pilotos para a relargada. Suárez, com um pequeno problema na frente do carro, precisou fazer um pit, perdendo diversas posições.
 
A relargada veio e Scott segurou a liderança. Elliott saltou para segundo, com Brandon Jones em terceiro e Blaney em quarto. Erik Jones, com uma largada ruim, caiu para quinto.
 
A bandeira amarela, todavia, foi acionada pouco depois. Ainda dava para ver detritos na pista.
 
A relargada, logo depois, colocou Bradon na liderança, com Scott e Wallace Jr atrás. Erik Jones e Dillon fechavam o top-5. Pena que a corrida, acidenteada, tratou de paralisar as brigas logo depois: Lupton Dylan bateu no muro, trazendo mais uma amarela.
 
Alguns pilotos optaram por parar, mas trata-se de uma minoria. Scott, Wallace Jr e Ty Dillon foram os três primeiros dentre a turma que parou.
 
Pouco depois, o pior aconteceu: a chuva começou a cair. Mas, como era apenas uma garoa, poucos minutos bastaram para a relargada acontecer.
 
E foi aí que Blaney passou Brandon. Sadler e Elliott, beneficiados pelos pits alheios, estavam no top-5. Dillon, voando baixo, já estava em quinto.
 
Elliott, na briga pelo título, conseguiu passar Sadler depois, mas com o ônus de perder contato com Brandon Jones, segundo – que, por sua vez, já estava muito atrás de Blaney.
Brandon Jones fez uma prova sólida, brigando pela vitória (Foto: Reprodução/Twitter)
Com 50 voltas para o fim, os pilotos partiram para pits em bandeira verde. Assim, Dillon – que havia parado bem antes – pôde aproveitar a liderança, apesar da necessidade de parar novamente em breve. O líder virtual, Blaney, estava uma volta atrás.
 
Mas Ty não tinha ritmo para se sustentar. Sem o melhor dos ritmos, o #3 perdeu a liderança para Erik Jones.
 
Em seguida, a bandeira amarela foi acionada, novamente por causa de detritos na pista. Com isso, a ordem anterior dos ponteiros seria reestabelecida.
 
Com 28 voltas para o fim, Blaney era o novo líder. Erik Jones e Regan Smith, beneficiados por fazer paradas em bandeira amarela, vinham em segundo e terceiro.
 
Ao relargar, os dois primeiros seguiram intocados. Smith, todavia, perdeu uma posição para o inesperado Matt Tiff, com a mesma estratégia. Brendan Gaughan e Ty Dillon fechavam o top-5.
 
Faltavam 18 voltas para o fim da prova e a bandeira amarela, sempre ela, voltou. Eric McClure, depois de encher a traseira no muro, causou a nova intervenção.
A relargada que sucedeu foi decisiva. Ty Dillon tomou a ponta, enquanto Smith se consolidava em segundo. Para Blaney, restava o terceiro lugar depois de largar mal. Elliott e Gaughan fechavam o top-5.
 
Mas a ação foi interrompida novamente. Jeremy Clemens havia batido, trazendo mais uma amarela.
 
Na nova relargada, Blaney inverteu a ação de Dillon. Mesmo partindo do terceiro lugar, o piloto da Penske conseguiu, em apenas uma volta, retomar a liderança.
 
Aí, não perdeu mais. Dillon se contentou com o segundo lugar, enquanto Smith, Elliott e Brandon Jones fechavam o top-5.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube