Bubba Wallace clama por fim das bandeiras confederadas na Nascar: “Tirem-nas daqui”

Único negro no grid da Nascar desde 1971, Bubba Wallace repudiou a presença de um dos símbolos mais racistas dos Estados Unidos no meio da categoria: a bandeira dos estados confederados: “É chegada a hora de mudar”, disse o piloto, que criticou a apatia de colegas que não se posicionam a respeito: “O silêncio de muitos deles vai além da frustração”

As várias manifestações nos Estados Unidos, que ganharam corpo ao redor do mundo para protestar contra o racismo e a violência policial que matou recentemente George Floyd, Breonna Taylor, Ahmaud Arbery e tantos outros negros também levaram o universo do esporte, à sua maneira, a se posicionar. No automobilismo, é verdade, são raros os exemplos de um posicionamento genuíno, e é preciso citar Lewis Hamilton, único negro na história da F1 e hexacampeão mundial, como esportista que não somente se pronunciou, mas se revoltou contra a inércia de colegas do grid a respeito. Na Nascar, a mais popular categoria dos Estados Unidos, Bubba Wallace é o único negro a fazer parte da competição desde 1971. Aos 26 anos, o piloto nascido no Alabama clamou pelo fim da presença, na categoria, de um dos símbolos mais racistas e nefastos do país: a bandeira dos estados confederados.

O pavilhão foi criado em 1861 para simbolizar a união de seis estados do sul do país (Alabama, Carolina do Sul, Flórida, Geórgia, Louisiana e Mississipi), agrários e escravistas após Abraham Lincoln, assumido abolicionista, ter vencido as eleições presidenciais em 1860. A chamada Confederação, formada pelos estados citados, proclamou ilegalmente independência, sendo acompanhada depois por Texas, Virgínia, Carolina do Norte, Arkansas, Tennessee e partes de Missouri e Kentucky, bem como territórios que hoje fazem parte do Arizona e Oklahoma.

Os símbolos confederados, portanto, vêm desta época, numa situação separatista e escravista, sendo a bandeira o emblema que celebrou um autoproclamado estado que se rebelou para manter a escravidão.

A bandeira confederada ainda é muito presente no cotidiano da Nascar (Foto: Divulgação)
A bandeira confederada ainda é muito presente no cotidiano da Nascar (Foto: Divulgação)

E falhou. A 9 de abril de 1865, em Appomattox, na Virgínia, no meio do caminho entre as capitais da União e dos Confederados, Washington e Richmond, o General Robert Edward Lee se rendeu ao General Ulysses S. Grant. Uma rendição incondicional, já após a abolição da escravidão assinada por Lincoln dois anos antes.

A guerra acabou, mas os resquícios dela ficaram para a história. Em boa parte dos territórios que se rebelaram 150 anos atrás, há um orgulho confederado de pessoas cujos antepassados foram combatentes. Ou mesmo por pessoas que lembram a rebeldia como um heroísmo de um povo que enfrentou a morte e o ônus carregado junto por todo um futuro renegado pelo que acreditava.

Em vídeo divulgado nas suas redes sociais, Darrell ‘Bubba’ Wallace, piloto da equipe de Richard Petty e na Nascar desde 2017, deixou claro: o racismo não pode mais ser ignorado.

Bubba Wallace (Foto: Nascar)
Bubba Wallace clamou pelo fim da bandeira confederada na Nascar (Foto: Nascar)

“Para nós, andar rápido não é nada estranho. Somos conscientes de que a vida pode passar rápido demais, mas agora é o momento de parar e refletir. O que aconteceu nas últimas semanas ressaltou o trabalho que ainda temos de fazer enquanto nação para condenar a desigualdade racial. As mortes de George Floyd, Breonna Taylor ou Ahmaud Arbery, junto a tantos outros no passado na comunidade negra, dilaceram nosso coração e não podem ser ignoradas por mais tempo”, disse.

“Esse processo começa por escutar e aprender porque entender o problema é o primeiro passo para resolvê-lo. Estamos comprometidos a escutar com empatia e com o coração aberto para ter uma educação melhor. Essa educação é o que devemos usar para mudar nossa nação, nossas comunidades e, o mais importante, nossas casas”, afirmou Wallace.

“Todas as nossas vozes fazem a diferença, não importa se sejam grandes ou pequenas. É nossa responsabilidade não estar calados. Temos um longo caminho pela frente. Nossas diferenças não devem nos dividir. Devemos nos unir para trabalhar juntos e contribuir com uma mudança verdadeira”, bradou o piloto.

Nascido em Mobile, no Alabama, Wallace falou também à emissora norte-americana CNN. E criticou a presença das bandeiras confederadas no meio da Nascar. “Meu próximo passo seria colocar fim à presença das bandeiras dos estados confederados. Não deveria haver nenhuma pessoa que se sinta incomodada por algo que viu. Ninguém deveria ficar incomodado quando chega a uma corrida da Nascar. Por isso, tudo começa com as bandeiras confederadas. Tirem-nas daqui! Não é lugar para isso”.

Assim como Hamilton na F1, Wallace criticou a inércia e o silêncio de muitos dos seus colegas no grid frente ao racismo e também sobre a bandeira confederada. “Tenho certeza de que tem muita gente de saco cheio disso e outras que empunham suas bandeiras dos estados confederados com orgulho, mas é chegada a hora de mudar. Temos de mudar isso. Há pouquíssimos pilotos dando sua opinião sobre este aspecto, mas o silêncio de muitos deles vai além da frustração.”

Wallace disse que pode “tomar o caminho de onde vim” caso os fãs da Nascar não concordem.

No domingo, o presidente da Nascar, Steve Phelps, reforçou o discurso por um mundo novo e também por uma Nascar nova e de tolerância zero diante do racismo. Recentemente, Kyle Larson, então piloto da Ganassi, perdeu todos os patrocinadores, foi suspenso pela categoria e demitido da equipe depois de ter proferido comentários racistas em uma corrida virtual.

“Nosso país vive momentos de dor, e as pessoas estão cansadas, com motivo, e pedem que sejam ouvidas. A comunidade negra e todos os afroamericanos têm sofrido em nosso país, e isso já foi longe demais antes de ouvirmos seus clamores por mudança. Temos de fazer melhor enquanto esporte. Temos de fazer melhor enquanto país”, clamou o dirigente.

“É tempo de escutar, de entender, de estar contra o racismo e as injustiças raciais. Pedimos aos pilotos e aos fãs que se unam nesta missão, encarar este momento como reflexão para entender que temos de melhorar enquanto esporte”, finalizou.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube