Clash da Nascar termina com seis carros na pista e vitória de Jones

Quatro grandes acidentes em sequência, seis sobreviventes e 12 abandonos. O Clash abriu a temporada da Nascar em grande estilo, com Erik Jones vencendo em Daytona mesmo com um carro dos mais arrebentados

A temporada 2020 da Nascar começou de forma bastante icônica. O Clash, corrida extracampeonato com grid de apenas 18 carros, transformou-se rapidamente em um festival de acidentes: depois de quatro batidas em sequência nas voltas finais e com virtualmente todos os carros do grid envolvidos em algum tipo de toque, só seis tiveram condições de ir até o final. Foi nesse cenário que Erik Jones, mesmo com a dianteira destroçada, conseguiu a vitória.
 
A corrida vinha estranhamente calma até a volta de 67 das 75 originalmente programadas. Foi aí que Joey Logano, tentando bloquear uma ultrapassagem de Kyle Busch pela liderança, causou um acidente envolvendo seis carros numa tacada só. Quatro desses seguiram na prova, com dois abandonando em definitivo. Na volta 74, um impacto dos mais bizarros: antes mesmo da relargada ser autorizada, mais de um carro derrapou e perdeu controle, causando um novo strike que tiraria mais três de combate e deixaria 13 carros na pista.
Erik Jones venceu com o que sobrou do carro #20 (Foto: Reprodução)
A terceira batida, já nas voltas de prorrogação, aconteceu quando Denny Hamlin furou um pneu enquanto liderava, virando um alvo para quem vinha atrás. Outros seis carros precisaram voltar para a garagem, deixando sete dos originais 18 ainda competindo.
 
A nova relargada teve Kyle Larson e Chase Elliott brigando pela liderança e, sem surpresas, batendo. Só Elliott abandonou desta vez, deixando o grid com seis carros, cinco deles na volta do líder.
 
Será que a nova relargada seria limpa? Sim, incrivelmente: Jones foi para a liderança mesmo com um carro arrebentado e, usando o companheiro Hamlin, uma volta atrás, como escudeiro, ficou em condições perfeitas para vencer. O carro, entretanto, voltou aos boxes da Joe Gibbs com mais do que uma ou duas cicatrizes…

Austin Dillon cruzou a linha de chegada em segundo, mas sem muito contato com Jones. Clint Bowyer surgiu em terceiro, com Kyle Larson em quarto. Ryan Newman, com problemas mecânicos na volta final, ainda salvou um quinto lugar. Hamlin, uma volta atrás, foi o sexto e último a cruzar a linha de chegada.

 

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube