Constante, Logano se beneficia de longos trechos em bandeira verde para vencer etapa de Bristol da Nascar

A chave para a vitória de Joey Logano em Bristol foi o ritmo superior em longos trechos de bandeiras verdes – com pneus gastos e pouco combustível. E foi nessas condições que superou Kyle Busch e Carl Edwards. Depois, só voltou a ser ameaçado por Kevin Harvick nos últimos giros, mas sem perder a ponta para o atual campeão da Sprint Cup

O apertado oval de Bristol parece ser a receita ideal para uma prova recheada de acidentes. Mesmo assim, longos trechos em bandeira verde foram determinantes para o rumo da disputa. E quem tirou proveito disso foi Joey Logano, que venceu a corrida na noite deste sábado (22).
 
Comparando com seus rivais – principalmente Kyle Busch e Carl Edwards –, a Penske de Logano rendia muito mais com pneus gastos e pouco combustível. E foi nessas condições que o #22 passou os dois pilotos da Joe Gibbs Racing, tomando a ponta em definitivo.
Logano mostrou um grande ritmo em longos trechos de bandeira verde (Foto: Nascar)
Nos últimos estágios da corrida, um veloz Kevin Harvick chegou a ameaçar Logano, mas não conseguiu fazer a ultrapassagem. A dupla seguiu muito próxima até o fim, mas Joey conseguia se sustentar com o mínimo de vantagem, até cruzar a linha de chegada e vencer.
 
Harvick, aliás, que teve um dia turbulento. O #4 foi punido duas vezes – primeiro por irregularidades de sua equipe de mecânicos, depois por excesso de velocidade nos boxes –, mas deu a volta por cima, sempre se mantendo na volta do líder. O segundo lugar recompensou o dia exigente.
 
O terceiro colocado foi Denny Hamlin, que obteve o melhor resultado da Joe Gibbs Racing na noite. A equipe teve uma série de dilemas com seus outros três pilotos: Matt Kenseth abandonou com um motor quebrado; Carl Edwards teve um pneu furado e perdeu voltas; Kyle Busch foi punido por excesso de velocidade nos boxes.

Os dois pilotos que fecharam o top-5 foram Jimmie Johnson, quarto, e Clint Bowyer, quinto. A dupla fez uma prova inconstante, mas conseguiu crescer nas parte decisiva da disputa.
 
Esta foi a terceira vitória de Joey Logano em 2015, dando sequência aos triunfos de Daytona e Watkins Glen.
 
A próxima etapa da Sprint Cup será disputada em Darlington, em duas semanas.

Saiba como foi a etapa de Bristol da Sprint Cup

 
O céu estava aberto no fim de tarde do Tennessee. A chance de chuva, que havia ameaçado diversas etapas da Nascar em 2015, não existia para a prova de Bristol.
 
Hamlin conseguiu manter a liderança na largada, ainda com Kyle Busch, Carl Edwards, David Ragan e Joey Logano no top-5, mantendo a ordem do treino oficial.
 
Os líderes alcançaram os retardatários muito rapidamente, já na 20ª volta. E, enquanto fazia ultrapassagens, Hamlin perdeu a vantagem sobre Kyle Busch. Pouco depois, o #18 encontrou um espaço por dentro e tomou a liderança de Denny.
Kyle Busch liderou em Bristol, mas perdeu muito tempo com punição (Foto: Nascar)
As primeiras cinquenta voltas passaram voando, ainda sem grandes alterações na classificação. Mas uma bandeira amarela no 52º giro, por causa de detritos, poderia embaralhar as coisas.
 
Os líderes aproveitaram a amarela para fazer seus pits. Kyle Busch seguiu ponteiro depois da parada, mas agora com Kyle Larson – que trocou apenas dois pneus – em segundo. Logano, Edwards e Hamlin fechavam o top-5.
 
A bandeira verde foi acionada e Hamlin logo saltou para segundo, atrás apenas de Kyle Busch. Larson, Logano e Ragan fechavam o top-5.
Ragan, que tem o péssimo hábito de perder ritmo ao longo da prova, começava a segurar alguns pilotos que vinham atrás. Um dos que estavam presos era Matt Kenseth, que conseguiu passar o #55 e entrar no top-5.
 
Larson, que havia perdido uma posição para Hamlin na relargada, deu o troco na volta 96. O #42 conseguia um ritmo incrível, mesmo com pneus mais gastos, e se consolidava em segundo.
 
Com 111 voltas completas, o primeiro problema mecânico da prova. O motor de Kenseth começou a soltar fumaça, dando sérios indícios de que a prova do #20 acabaria ali. O piloto da Joe Gibbs recolheu para a garagem.
 
Enquanto isso, Kyle Busch abria quase 3s sobre Larson, que vinha perdendo quase 0s5 por volta. Com isso, Hamlin não teve dificuldades para retomar o segundo posto.
Hamlin começou bem em Bristol, mas perdeu ritmo ao longo da noite (Foto: AP)
Larson sofria muito para se sustentar. O resultado dessa luta foi um pneu dianteiro furado, seguido de um toque no muro. O #42 partiu para um pit emergencial, enquanto a bandeira amarela era acionada.
 
Os pilotos partiram para uma parada durante a amarela. Nos boxes, Hamlin retomou a ponta, enquanto Kyle Busch se contentava com o segundo posto. Logano, Kevin Harvick e Edwards vinham atrás.
 
Hamlin sustentou a liderança na relargada, enquanto Kyle Busch segurava Logano. Harvick, que estaria em quarto, perdeu o posto após uma punição, por causa de alguma irregularidade com sua equipe nos boxes.
 
A amarela retornou logo depois. AJ Allmendinger fora tocado por Ricky Stenhouse Jr., batendo no muro interno.
 
A relargada foi dada logo depois e Hamlin seguiu líder. Mas, dessa vez, Kyle Busch parecia ter muito mais ação.
 
O ímpeto de Busch foi recompensado. Kyle tomou a liderança, ocupada por Hamlin, logo depois. Logano, Clint Bowyer e Edwards seguiam no top-5.
 
O trecho em bandeira verde, apesar de não ser dos mais longos, estava sendo bastante custoso para Hamlin. O #11 logo foi ameaçado por Logano, até ser ultrapassado na volta 179.
 
Sem Hamlin no caminho, Logano conseguiu colar em Kyle Busch sem dificuldades. Os retardatários certamente ajudavam o piloto da Penske.
 
Outro que se aproveitou do momento ruim de Hamlin foi Bowyer, que não tardou em tomar o terceiro posto. Edwards, no vácuo de Clint, também conseguiu passar Denny. O mesmo problema que acometeu Hamlin pareceu atingiu Kyle Busch. O #18 não conseguiu segurar a pressão de Logano, caindo para segundo. Pouco depois, Bowyer conseguiu fazer a mesma manobra, assumindo segundo lugar.
 
A amarela só retornou na volta 251, por causa de detritos na pista. Os pilotos, que estavam próximos de fazer uma parada em bandeira verde, optaram por fazer o pit na intervenção.
 
O grande nome dessa rodada de pits foi Edwards. O #19 foi muito veloz, saltando de quarto para primeiro. Atrás, Kyle Busch, Bowyer, Logano e Martin Truex Jr. fechavam o top-5.
 
A única alteração do top-5 na relargada foi a ultrapassagem de Kurt Busch sobre Hamlin e Truex Jr., assumindo o quinto posto.
 
Conforme as voltas passavam, as ultrapassagens sobre retardatários voltavam a ganhar em importância. E isso prejudicou Edwards, que perdeu a liderança enquanto tentava passar um carro muito mais lento. Kyle Busch, que liderou o maior número de voltas, retornou à ponta.
 
Logo atrás, Logano deixava Bowyer para trás. Ficava claro que a carta na manga de Joey eram os trechos longos em bandeira verde.
 
Outro que conseguia se dar bem em trechos mais longos era Edwards. Com pneus mais gastos, o #19 deu o troco em Kyle.
Kyle perderia mais uma posição logo depois, agora para Logano. No momento, o piloto da Penske era o mais rápido do grid, crescendo sobre Edwards.
 
O ritmo de Kyle estava caindo tanto que o #18 optou por fazer um pit não programado para acertar algum problema em seu carro. Com isso, Busch caiu para 18º.
 
A briga entre Edwards e Logano ficava cada vez mais intense. E o ritmo melhor de Joey com pneus gastos fez a diferença: a liderança caiu no colo do piloto da Penske. Atrás dos dois, Bowyer, Ragan – depois de bater em Kurt Busch – e Harvick.
 
Edwards, logo depois de ser ultrapassado, começou a reclamar de problemas semelhantes aos de Kyle Busch. Mas, antes de ir aos boxes, o pneu de Carl furou, fazendo o #19 se arrastar até os pits.
 
A bandeira amarela retornou já na volta seguinte. Larson teve outro pneu furado e foi reto contra o muro. Com isso, todos os pilotos – exceto Kyle Busch – foram aos boxes.
 
Logano manteve a liderança nos boxes, seguido por Hamlin, Ragan, Bowyer e Jimmie Johnson. Kyle Busch, novamente na volta do líder, era o 13º.
 
A bandeira verde foi acionada, e logo suspensa. Duas voltas depois da relargada houve um incidente entre dois pilotos da Michael Waltrip Racing: Bowyer e Ragan. Johnson prensou os dois, que rodaram. David, aliás, bateu no muro interno com certa força.
Edwards liderou várias voltas em Bristol, até ser vítima de um pneu furado (Foto: Nascar)
Kyle Busch, estranhamente, foi para mais uma parada nesta bandeira amarela. Mas, desta vez, o #18 seguiria na volta do líder.
 
A relargada foi dada logo depois e o nome que saltou aos olhos foi Jeff Gordon. O #24, que fazia uma prova apagada, cresceu depois da última rodada de pits e ficou em sexto. Na primeira volta após a amarela, saltou para uma incrível segunda posição, atrás apenas de Logano. Hamlin, Keselowski e Johnson vinham atrás.
 
Todavia, a bandeira verde foi novamente efêmera. Isso por causa de Stenhouse Jr., que fora tocado na traseira, o que resultou em uma rodada e uma batida forte no muro.
 
Mas o segundo posto de Gordon não durou muito. Keselowski o ultrapassou, tomando a posição. Na sequência, Dale Earnhardt Jr. tomou o terceiro posto e espremeu o #24, permitindo a manobra de Hamlin sobre o veterano. Duas voltas, três posições a menos.
 
Enquanto isso, Logano abria. Era a primeira vez em um bom tempo que a Penske tinha seus dois carros nas duas primeiras posições na Sprint Cup.
 
Pouco atrás, a briga pelas últimas posições do top-5 esquentava. Gordon conseguiu tomar o quarto lugar de Hamlin, mas logo Kyle Busch voltou às posições de destaque, ultrapassando os dois.
 
E a ação envolvendo Gordon não parou aí. O #24, com uma pintura retrô, reclamou de vibrações no carro. O problema o obrigou a fazer um pit em bandeira verde, perdendo duas voltas.
 
Com 80 voltas para o fim, o top-5 – que havia passado por grandes mudanças em um curto espaço de tempo – era Logano, Keselowski, Kyle Busch, Hamlin e Harvick.
 
A oitava bandeira amarela da noite veio com 70 giros para o fim. O motivo, novamente, era a presença de detritos na pista.
Harvick chegou perto de vencer em Bristol, mas precisou se contentar com o quase (Foto: Reprodução/Twitter)
Os pilotos foram aos boxes novamente. Logano foi o primeiro a sair dos boxes, agora com Kyle Busch, Hamlin, Harvick e Johnson atrás. Todavia, Keselowski não parou e assumiu a ponta.
 
A bandeira verde foi dada e Kyle Busch logo recebeu notícias ruins. Havia excedido o limite de velocidade nos boxes e seria punido, caindo para 14º.
 
Entre os outros líderes, Keselowski  passava por uma relargada difícil. Seus pneus, mais gastos, o deixaram apenas em sexto lugar após poucas voltas.
 
O companheiro de Brad, Logano, passava a se preocupar com Harvick. O atual campeão saltou para o segundo lugar na relargada e estava próximo. A vantagem sobre os demais pilotos do top-5 – Hamlin, Dale Jr. e Johnson – crescia.
 
Harvick conseguia se manter sempre próximo de Logano, mas ainda sem condições de fazer uma ultrapassagem. Até Hamlin, terceiro, conseguia se aproximar. A vantagem dos três sobre os últimos dois pilotos do top-5 – Johnson e Bowyer – era grande.
 
Apesar dos retardatários, sempre atrapalhando os líderes, Harvick simplesmente não parecia capaz de se aproximar muito de Logano. O mesmo valia para Hamlin.
 
Fechando o top-5, Johnson abria bastante sobre Bowyer, mas não era capaz de se aproximar de Hamlin.
 
As voltas de Bristol passaram voando e, no fim das contas, as ultrapassagens cessaram. Logano cruzou a linha de chegada em primeiro, trazendo Harvick, Hamlin, Johnson e Bowyer atrás.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube