Hamlin supera novato Byron em duelo milimétrico e conquista vitória da Xfinity Series em Michigan

A Xfinity Series teve uma corrida sólida neste sábado (17) no Michigan. E sempre, desde as primeiras voltas, pareceu que Brad Keselowski era quem tinha a faca e o queijo na mão para vencer. No fim das contas, porém, Denny Hamlin bateu a carteira e teve de lidar com o novato William Byron para comemorar a vitória

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Não parecia que Denny Hamlin teria uma chance de vencer a etapa de Michigan da Xfinity Series, na tarde deste sábado (17). Realmente não parecia. Brad Keselowski era o piloto mais rápido desde o começo e a impressão era de que passaria no momento em que quisesse. E se, em dado ponto, deixava a liderança, se tratava de uma questão pontual. Mas no final das contas Keselowski não conseguiu se manter na briga e acabou assistindo Hamlin vencer um duelo espetacular contra o novato William Byron.

Hamlin se deu bem no último pit-stop, quando faltavam pouco mais de 30 voltas para o fina. Até então, jamais tinha liderado a corrida. Segurou e até abriu para Keselowski, que começou a cair. Até que detritos na pista causaram uma bandeira amarela perto do fim. Hamlin relargou mal e deu espaço para Byron. O novato abriu, mas não disparou por uma nova bandeira amarela, agora causada por uma batida de Matt Tifft. 
 
A relargada final foi com duas voltas pendentes, quando Byron, um jovem de 19 anos que é cotado para ser o substituto de Dale Earnhardt, abriu um tanto. Denny foi resiliente, porém, e retomou a liderança na última curva para sair com a vitória. Byron foi o segundo, enquanto Elliott Sadler encostou na briga e quase venceu também. Keselowski foi apenas o quarto, seguido por Kyle Busch – que jamais recuperou o carro após o toque da largada em Keselowski -, Ty Dillon, Paul Menard, Ryan Reed, Bradon Jones e Cole Custer fecharam o top-10.
Denny Hamlin (Foto: Joe Gibbs)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Confira como foi a corrida:

 
Primeiro segmento
 
A largada já mostrou o primeiro problema do dia. Brad Keselowski largou pior que Kyle Busch, mas conseguiu trocar a linha para tentar consertar. Busch se movimentou e tocou com a traseira na frente do #22. Pior para Kyle, que ficou sem o controle do carro e foi embora da pista. Até ficou na corrida, mas apenas na última colocação.
 
Única Toyota no top-10, Denny Hamlin ganhava espaço nas primeiras dezenas de voltas. O #20 subiu para o segundo lugar, enquanto, mais abaixo, Justin Allgaier escalava do 22º lugar para o oitavo. Foram bons inícios de prova tanto para Hamlin quanto para Allgaier. A disputa pelo quarto lugar esquentou, também, com Paul Menard e William Byron trocando de posições e de linhas na pista para superar um ao outro. Menard foi quem se deu melhor num primeiro momento.
 
O segmento inicial terminou após 30 voltas assim como a primeira volta: com Keselowski na ponta. O campeão da Nascar não foi sequer ameaçado e completou o estágio de abertura com uma fácil vitória. 
Brad Keselowski (Foto: Xfinity)
Segundo segmento
 
O líder era Cole Custer, seguido por Allgaier e Hamlin. Vencedor do primeiro segmento, Keselowksi era o quarto e seguia à espreita. Tudo isso por conta do pit-stop – que claramente não foi tão bom para Brad, que trocou quatro pneus enquanto muita gente trocou apenas dois.
 
O segundo segmento largou, assim como o primeiro, já com uma confusão. Brandon Jones rodou no meio do pelotão e causou. Ben Kennedy e Michael Annett não foram os únicos envolvidos, mas foram só os dois que tiveram danos no carro. Nem mesmo Jones sofreu, seguindo normalmente com o #33.
 
A relargada teve um empurra empurra dando entre os quatro primeiros. Allgaier se deu pior e despencou, enquanto Keselowski apareceu rapidamente em segundo. O jovem Custer seguia resistindo na primeira posição – e já passava metade do segmento. Mas os pneus novos falaram mais alto: na 19ª de mais 30 giros, então, Keselowski passou. 
 
A apenas três voltas do fim do segmento, um pedaço de borracha causou uma bandeira amarela expressa. Quebrou uma ampla vantagem que Keselowski já colocara em relação a Hamlin, Elliott Sadler e Custer. Foi o suficiente para quase todo mundo ir aos boxes se preparar inclusive para o segmento seguinte. Sadler ficou na pista e assumiu a ponta. Mais que isso: visto que não deu tempo de limpar a pista em tempo, Sadler viu a vitória do segmento cair no colo. Sadler, Brennan Poole e Algaier ficaram e se tornaram os três primeiros. 
A batida mais forte da prova (Foto: Nascar)
Terceiro segmento
 
Sadler partiu na frente, mas Keselowski, tal qual uma sombra, novamente pulou para o segundo posto na relargada. Mas o que mais assustava no começo do último segmento não era o #22: era Busch. Depois de cair para o último lugar com o incidente da primeira volta, Kyle aparecia na sétima colocação. 
 
Os pneus de Sadler eram 25 voltas mais velhos que os do rival, portanto não daria para segurar por muito tempo. Logo após cruzar a marca dos 70 giros, Keseloeski deixou Sadler para trás. E não teria como o #1 manter Hamlin e o novato William Byron atrás dele. 
 
Sadler, porém, se manteve na luta. Não cedeu tanto espaço quanto Keselowski certamente esperava, e Byron e Hamlin se digladiavam pela terceira colocação. Até que outra bandeira amarela foi dada por detritos na pista. E todo mundo para os boxes. Hamlin, trocando dos pneus, saiu mais rápido e assumiu a ponta. Keselowski era o segundo, seguido por Ty Dillon, Menard, Byron e Sadler. 
 
A relargada mostrou três lado a lado envolvendo Busch, que tentava loucamente recuperar uma das posições frontais. A briga entre ele, Brendan Gaughan, Poole, e Custer era boa. Sadler, que trocou quatro pneus e agora recuperava o terreno perdido em relação aos cinco primeiros colocados. Hamlin se afastava de Keselowski, que começava a olhar para trás, porque Byron encostava. Até que mais uma bandeira amarela por detritos na pista foi dada.

Keselowski pulou para a ponta, mas logo foi ultrapassado por Byron. Os dois deixaram Hamlin patinando atrás. Denny voltou e deixou Brad em terceiro, porém não tinha resposta para o novato Byron, que disparava para sua primeira vitória na Xfinity. Até que Matt Tifft aconteceu. O #19 bateu e rodou, forçando nova amrela, que agora deixaria provavlemente um tempo de prorrogação.

Assim foi. Com duas voltas para o fim, nova relargada. Keselowski nem se adiantou, enquanto Hamlin e Byron se pagava. William escapou e tinha as cartas para conquistar a vitória. Hamlin e Sadler chegaram junto na última volta. Sadler tentou mergulhar, que era o mais próximo que chegava da dupla à sua frente, mas não colou. Hamlin, na última curva, deu o bote em Byron e tirou a vitória do jovem. Deu Denny Hamlin em Michigan!

 
O CANADÁ É PARA HAMILTON O QUE MÔNACO FOI PARA SENNA?

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height:
0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute;
top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube