Kyle Busch completa varrida em Indianápolis e engata terceira vitória seguida na temporada da Nascar

Ninguém jamais havia vencido no mesmo final de semana pela Xfinity e pela Sprint Cup em Indianápolis. Isso é, ninguém até Kyle Busch, neste domingo (26). Ele e seu carro cheio de Skittles foram os mais rápidos o tempo inteiro

Sensacional. Se Kyle Busch nunca havia vencido em Indianápolis pela Sprint Cup, agora ele venceu e fez a dupla: no sábado, ganhou na Xfinity Series. Neste domingo (26), embora nunca tenha tido o controle da corrida até as voltas finais, foi rápido o tempo todo – quase sempre o mais rápido da pista – e mostrou que tem todo o 'momentum' da temporada. São três vitórias seguidas. Desde Jimmie Johnson em 2007 um piloto não conseguia engatar uma trinca de vitórias na Sprint Cup, mas a série do Busch mais novo é brilhante.

Na segunda colocação, Logano apertou no fim – se não fosse pelo erro de Trevor Bayne mandar a corrida para a prorrogação, talvez Busch não resistisse -, mas ficou a alguns metros de vencer pós-ataque em bandeira branca. Faz muito tempo que Logano não vence, desde a abertura da temporada, a Daytona 500.

Kyle Busch comemora mais uma vitória, agora em Indianápolis (Foto: AP)
A terceira posição tem de ser um final amargo para Kevin Harvick, que vencia a cinco voltas do fim. Depois de ser passado por Busch, foi também por Logano depois que o vencedor da prova o escolheu para empurrá-lo. Nisso tudo, o atual campeão ainda recuperou uma posição perdida, deixando Martin Truex Jr. na quarta colocação geral.
 
Nota a ser mais lamentada na emocionante Brickyard 400 foi a batida de Jeff Gordon. Cinco vezes e maior vencedor da prova que foi instituída em 1994, Gordon fazia sua despedida em Indianápolis, mas acabou envolvido num problema entre Harvick e Clint Bowyer. O #15 rodou, e Gordon tentou sair. O movimento brusco jogou o carro no muro e o tirou por completo da briga.
 
A próxima prova, dia 2 de agosto, é em Pocono. Faltam seis para o Chase. Ky Busch, que já tem quatro vitórias no ano, precisa apenas superar o 30º posto para poder ser um dos 16 felizardos. Já é o 31º.

Confira como foi a corrida:

Com os procedimentos de largada adiantados por conta da ameça de tempestade durante a corrida, a saída foi bem limpa de um pelotão que tem arrumado boas confusões nos primeiros metros das provas. Mas Joey Logano rapidamente tomou a ponta de Carl Edwards e abriu.
 
Kyle Busch, que vencera na XFinity Series no sábado, rapidamente pulou do nono para o quinto lugar – em menos de dez voltas.
 
Na 13ª, Edwards aproveitou da perda de desempenho de Logano, que tinha sujeira no assoalho. Logano se livrou da sujeira, mas não recuperou o ritmo do começo. Pelas oito voltas seguintes, foi passado por Kevin Harvick e Ky Busch.
 
A temperatura quente em Indianápolis forçou os pilotos a anteciparem a janela por conta do desgaste dos pneus. Se a previsão era a volta 37, Kurt Busch, Harvick e Dale Jr foram alguns dos que pararam nove voltas antes. Os outros dois do top-3, Edwards e Ky Busch foram na 32.
Na 36, Austin Dillon entrou no pit-lane para cumprir uma punição por excesso de velocidade no local. Passou rápido demais e ganhou outra punição por andar rápido demais no pit. Momento pastelão.
 
Após as paradas em bandeira verde, Harvick assumiu a liderança. Mas não demorou para que Edwards encostasse para atacar. Busch chegou, também. Exatamente atrás deles, os retardatários Landon Cassill e Brian Scott lutavam pela 27ª posição.
Joey Logano e Carl Edwards (Foto: AP)
Ainda em 15º, Jeff Gordon, maior vencedor da prova, avisou ao time que não estava conseguindo encontrar potência suficiente para fazer ultrapassagens apesar de não estar lento.
 
Na volta 44, a primeira bandeira amarela na corrida. O motivo não foi um big one ou um acidente qualquer, mas balões de gás (ou bexigas de gás, se o leitor for paulista) caindo pela pista.
 
Muita gente optou por ir aos boxes de novo, inclusive Harvick, Busch e Edwards. Logano preferiu não parar, assim como David Ragan, Jimmie Johnson, Denny Hamlin e Ku Busch.
 
Logo após a relargada, na 48, Gordon se viu prejudicado pelo problema entre Clint Bowyer e Harvick. O #24 foi no muro, deixando seu carro claramente comprometido. Bowyer, que foi quem escapou e causou a confusão, rodou e foi para a grama. Mais uma amarela.
 
Nova relargada na 55, com Logano abrindo e Martin Truex Jr. como o primeiro a ter parado. Rapidamente ele já era o terceiro. Depois que Johnson parou, na 60, Truex Jr passou a ser o segundo, mas bem pressionado por Ky Busch.
 
Pouco depois, fim da participação de Gordon na pista em que venceu mais que todo mundo desde que ela entrou no calendário, em 1994. Foram cinco triunfos por lá.
Torcida que tinha Jeff Gordon na cabeça saiu chateada (Foto: AP)
Na marca de metade da prova, Harvick trazia Stewart, Brad Keselowski, Edwards e Danica Patrick no top-5. Também chegou a informação de que chovia na região metropolitana de Indianápolis. 

Na 90, bandeira amarela por conta de sujeira na pista. Neste exato momento, Ky Busch ia entrando nos boxes e fez um movimento rápido para sair. Por pouco, escapou do cone.
 
Quando da relargada, na 97ª, Harvick avançou, mas Keselowski foi muito mal, caindo para a décima colocação. Edwards e Matt Kenseth eram terceiro e quarto colocados. 
 
Busch mais jovem passou a dominar, passou fácil por Kenseth e dava um calor forte em Edwards quando Aric Almirola perdeu a linha de direção, a traseira, rodou e tocou o muro. Mais uma amarela, agora na 107. Dentre os primeiros colocados, o único a colocar combustível e quatro pneus novos foi Stewart, numa estratégia diferente.
Mais uma vez, Ky Busch foi quem demandou atenções na largada. Rapidamente, passou por Larson e encostou de novo em Kenseth. Logano agora aparecia na segunda colocação, atrás só do atual campeão.
 
52 voltas depois, Gordon colocou o #24 de novo na pista.
 
Mais uma bandeira amarela na 119, quando Brian Scott tocou no muro, quase acertou Sam Hornish Jr, e ficou sem pneu. 
 
Assim que relargou, a 36 voltas do fim, Ricky Steinhouse Jr também tocou o muro e forçou amarela. O então líder, Ragan, e Johnson, foram aos boxes. Neste momento, contavam com mais uma bandeira amarela, já que os outros ainda precisariam parar mais uma vez.
 
130 voltas, e Keselowski era o líder, mas definitivamente precisaria de mais uma parada no pit, já que não passava por lá desde o 108º giro. Harvick tinha 0s5 de vantagem atrás. 25 pilotos ainda estavam na volta do líder.
Kevin Harvick (Foto: AP)
Com muita gente esperando uma bandeira amarela, eis que ela apareceu. Almirola de novo, agora um bate bate mais que proposital com Trevor Bayne. Detritos na pista por conta do pneu estourado no carro #43.
 
Aos que parar era inevitável, Kenseth e Keselowski, posições 13 e 14, hora de ir. Os líderes, todos entre os doze primeiros colocados, que pararam na 120, torciam para os giros na amarela garantirem que o combustível e os pneus chegassem ao fim.

Relargada na 146 foi boa para Ky Busch, que subiu para o segundo lugar, e péssima para Edwards, que teve de segurar para não rodar e foi parar no 15º lugar. Mas antes que Busch pudesse atacar Harvick, Kasey Kahne tocou Dale Jr, que rodou e acertou o muro para nova paralização.

 
O nome das relargadas na prova do Brickyard em 2015 foi Kyle Busch. Sem dificuldades ele tomou a ponta de Harvick a sete voltas do fim assim que a verde foi acionada. Mas sujeira na pista fez a direção de prova chamar mais uma amarela a cinco giros do fim.
 
A duas voltas do final, Busch escolheu a linha de dentro para deixar Logano o empurrar. Deu certo, mas Joey foi ainda mais rápido e não fosse pela rodada de Bayne forçando a primeira prorrogação por mais uma amarela, talvez não desse para segurar.

Para a largada da prorrogação, mais uma vez Busch escolheu ir por dentro, agora empurrado por Truex Jr. E deu certo. Ele escapou na volta da bandeira verde, segurou Logano na bandeira branca e comemorou na quadriculada. Kyle Busch beijou os tijolos duas vezes em dois dias, já é quase um affair.
 
Top-10: Ky Busch, Logano, Harvick, Truex Jr., Hamlin, Bowyer, Kenseth, Ku Busch, Larson e Keselowski.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube