Larson admite que era “ignorante” sobre racismo e sonha com retorno à Nascar

Kyle Larson cometeu injúria racial em corrida virtual e foi suspenso da Nascar. Quatro meses depois, o piloto diz aceitar a punição e reconhece que era “ingênuo” sobre racismo

Já se vão quatro meses desde o dia que mudou a carreira de Kyle Larson. Aquilo que era para ser apenas uma corrida virtual acabou com o então piloto da Nascar usando a palavra ‘nigger’, de cunho altamente racista na cultura americana, e iniciando um efeito cascata sem precedentes, que terminaria na demissão da Ganassi quase imediatamente. Depois de longo período afastado dos holofotes, Larson reconhece que era “ignorante” sobre o racismo e que merece pagar pelo erro que cometeu.

“Eu era simplesmente ignorante e imaturo”, disse Larson à AP em sua primeira entrevista desde a saída da Nascar. “Eu não entendia a negatividade e a dor que vinha com essa palavra, eu nunca nem tinha usado essa palavra. Eu cresci no norte da Califórnia e tudo que eu fazia era correr. Esse era meu foco. Provavelmente há muitas experiências da vida real que eu não vivi, e eu simplesmente era ignorante a respeito de como a palavra é dolorosa”, seguiu.

“Eu nunca tinha percebido como eu era privilegiado na minha formação. Eu nunca precisei me preocupar com nada, suponho que eu era inocente. Não tinha uma compreensão completa de que algumas pessoas sofrem com coisas diferentes dia após dia”, ponderou.

Kyle Larson, outrora um talento do futuro, acabou chutado da Nascar por racismo (Foto: Nascar Media)

Larson, sem patrocínios, demitido da Ganassi e suspenso da Nascar, embarcou em uma jornada diferente. Caso quisesse retornar à categoria, seria necessário antes realizar um curso sobre racismo. Um dos passos foi uma visita a Minneapolis, cidade tomada por protestos após o assassinato de George Floyd, negro, pela polícia local. O ex-piloto do #42 inclusive visitou o túmulo de Floyd.

Encerrado o período de reciclagem, cabia a Larson pedir à Nascar para encerrar a suspensão. De acordo com a Fox Sports americana, Kyle entrou com o pedido nesta quarta-feira (19).

“Eu cometi um erro, estou pagando por ele e aceito isso”, destacou. “A Nascar é onde eu sempre quis estar e acredito que já provei que posso competir em alto nível. Eu gostaria de voltar e veremos se há como. Tudo que posso fazer é seguir melhorando e deixar minhas ações mostrarem quem realmente sou”, encerrou.

Caso seja liberado pela Nascar, Larson volta a ser agente livre no mercado de pilotos. O piloto chegou a surgir como forte candidato ao #48, livre após a aposentadoria de Jimmie Johnson, mas viu o plano ir pelo ralo após a injúria racial.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar