Logano se vale de ataque no fim e conquista primeira vitória da carreira nas 500 Milhas de Daytona

Joey Logano liderou as voltas finais depois de uma Daytona 500 disputadíssima desde as primeiras voltas e caminhou para sua primeira vitória no superoval da Flórida. Kevin Harvick foi o segundo e Dale Earnhardt Jr. ficou em terceiro

Uma ofensiva a dez voltas do fim da prova abriu a Joey Logano o caminho para sua primeira vitória nas 500 Milhas de Daytona, corrida que abriu a temporada 2015 da Nascar neste domingo (22). O piloto conseguiu se segurar na frente mesmo com as duas bandeiras amarelas que acabaram surgindo posteriormente, garantindo assim a presença no Chase, a fase final do campeonato.

O ataque do carro #22 da Penske se deu num momento crucial e temeroso em que todos os carros estavam agrupados em filas com três carros. Logano vinha na linha de cima na volta 190 e recebeu um precioso empurrão de Clint Bowyer para avançar sobre Jimmie Johnson e Denny Hamlin, destacando-se na primeira posição.

Joey Logano vence em Daytona (Foto: Getty Images)

A três voltas do fim, Justin Allgaier provocou uma bandeira amarela ao ver seu carro #51 fumar e posteriormente rodar no próprio óleo expelido. A direção da Nascar acabou acionando a vermelha para que a corrida terminasse no esquema 'green-white-checkered', a prorrogação.

Logano escolheu a linha de cima na relargada ao lado de Hamlin e aproveitou-se bem, dominando a pista por completo. Atrás dele surgiu Kevin Harvick e um rapidíssimo carro que poderia atrapalhar os planos do rival. Mas um acidente que envolveu vários carros, dentre os quais Jeff Gordon foi protagonista, acabou definindo a situação a favor de Joey.

Harvick ficou com a segunda colocação e Dale Earnhardt Jr. terminou em terceiro.

Saiba como foram as 500 Milhas de Daytona da Nascar

Foram 27 trocas de liderança e 12 líderes diferentes. Oito bandeiras amarelas e uma vermelha foram acionadas. O único grande acidente ocorreu na última volta. O incidente envolveu Jeff Gordon, Kyle Larson e Austin Dillon.
 
A prova de 200 voltas parecia destinada a Gordon, que dominou a primeira parte do evento. A liderança do tetracampeão foi ameaçada apenas por Jimmie Johnson e Logano.
 
Os pilotos estavam cautelosos, isso fez a corrida ter poucos incidentes. No inicio apenas duas bandeiras amarelas ocorreram — Landon Cassill (problemas no motor), no giro 18, e Tony Stewart  no 41. Stewart perdeu o carro na saída da curva 3. Ryan Blaney, Matt Kenseth e Michael Waltrip foram envolvidos no incidente. O veterano assumiu a culpa pelo acidente. Mesmo sendo um dos maiores vencedores da pista, Stewart nunca ganhou a Daytona 500.
 
O domínio de Gordon durou até a relargada da volta 110. Earnhardt Jr. assumiu a liderança. Assim como nas provas preliminares, a posição de pista era fator favorável aos lideres. Logano assumiu a ponta na volta 146, com Dale e Johnson atrás. Kevin Harvick, atual campeão, aparecia em quinto.
 
Após o quarto ciclo de paradas nos boxes, Johnson assumiu a liderança, com Harvick na cola. Na volta 160, Brad Keselowski teve problemas no motor do seu Ford Fusion, provocando a quarta bandeira amarela da tarde. A fumaça da explosão fez com que Jamie McMurray e Ryan Newman também tivessem problemas.
 
Na relargada da volta 165, os Toyotas apareceram com força. Clint Bowyer empurrou Carl Edwards para ponta, que seguiu na frente enquanto Bowyer era engolido pelo pelotão. Na linha de cima, os carros da Hendrick Motorsports se organizavam, com Johnson tomando a ponta na passagem 167. Até aquele momento, os carros da equipe de Rick Hendrick haviam liderado 140 das 168 voltas completadas.
 
Com o passar do tempo, os pilotos ficaram agressivos, proporcionando três filas lado a lado. Pouco depois, outro motor Ford teve problemas: Ryan Blaney, que estreava pela tradicional Wood Brothers, sofreu o infortúnio. Blaney conseguiu tirar o carro da frente dos outros competidores, evitando maiores complicações.
 
Com 24 voltas para o final, a quinta bandeira amarela trouxe a chance dos pilotos poderem fazer a última parada.
 
Na volta 181, foi dada a relargada. Johnson manteve a ponta, pressionado por Logano na linha de cima. Hamlin e Martin Truex Jr. partiram para o ataque. Nesse momento, 20 carros estavam separados por apenas meio segundo.
 
Foi, então, quando se deu a manobra da corrida: Bowyer empurrou Logano, fazendo com que a terceira linha fosse a mais forte, na 190. Na volta seguinte, o piloto da Penske conseguiu tomar a frente do pelotão, se estabelecendo na liderança.
 
Quando faltavam quatro voltas para o final, o motor de Justin Allgaier estourou, fazendo com que rodasse. O acidente provocou a sexta bandeira amarela. Esse incidente trouxe a primeira bandeira vermelha da corrida.
 
Após sete minutos de paralisação, os carros voltaram para pista. Logano e Hamlin relargaram na primeira fila. Quando a bandeira verde foi novamente acionada, Logano disparou, empurrado novamente por Bowyer. Hamlin perdeu o momento e ficou para trás.
 
Na penúltima passagem, Harvick subiu para o segundo lugar, mas logo na sequência, um acidente envolvendo Austn Dillon e Gordon causou a sétima bandeira amarela da tarde. Como a branca já havia sido acionada, Logano foi dado como o vencedor.
 
Além de ser a primeira vitória de Joey na Daytona 500, também é a segunda vez que a Penske triunfa na principal prova da Nascar — Ryan Newman venceu em 2008 pela equipes de Roger Penske.
 
Harvick, atual campeão da categoria, terminou em segundo. Earnhardt Jr. foi o terceiro, Johnson o quarto e Hamlin, segundo colocado de 2014, em quinto. O piloto que mais liderou foi Jeff Gordon com 87 voltas.
 
A próxima etapa do campeonato é em Atlanta no próximo domingo.

Nascar, 500 Milhas de Daytona, final:

1 48 JIMMIE JOHNSON EUA HENDRICK CHEVROLET 203 voltas
2 4 KEVIN HARVICK EUA STEWART-HAAS CHEVROLET +1.006
3 88 DALE EARNHARDT JR. EUA PENSKE CHEVROLET +1.193
4 11 DENNY HAMLIN EUA JOE GIBBS TOYOTA +1.761
5 48 JIMMIE JOHNSON EUA HENDRICK CHEVROLET +2.102
6 13 CASEY MEARS EUA GERMAIN CHEVROLET +2.578
7 15 CLINT BOWYER EUA MICHAEL WALTRIP TOYOTA +2.779
8 78 MARTIN TRUEX JR. EUA FURNITURE ROW CHEVROLET +3.167
9 5 KASEY KAHNE EUA HENDRICK CHEVROLET +3.340
10 16 GREG BIFLE EUA ROUSH FENWAY CHEVROLET +3.373
11 38 DAVID GILLIAND EUA FRONT ROW FORD +3.573
12 9 SAM HORNISH JR. EUA RICHARD PETTY CHEVROLET +3.765
13 46 MICHAEL ANNETT EUA H SCOTT CHEVROLET +4.141
14 3 AUSTIN DILLON EUA RICHARD CHILDRESS CHEVROLET +4.239
15 43 ARIC ALMIROLA EUA RICHARD PETTY CHEVROLET +4.646
16 41 REGAN SMITH EUA STEWART-HAAS CHEVROLET +8.236
17 34 DAVID RAGAN EUA FRONT ROW FORD +8.317
18 83 JOHNNY SAUTER EUA GANASSI CHEVROLET +8.612
19 18 MATT CRAFTON EUA JOE GIBBS TOYOTA +9.992
20 47 AJ ALLMENDINGER EUA JTS DAUGHERTY CHEVROLET +12.213
21 10 DANICA PATRICK EUA STEWART-HAAS CHEVROLET +12.471
22 35 COLE WHITT EUA FRONT ROW FORD +13.696
23 1 JAMIE McMURRAY EUA GANASSI CHEVROLET +17.234
24 19 CARL EDWARDS EUA JOE GIBBS TOYOTA +17.301
25 55 MICHAEL WALTRIP EUA MICHAEL WALTRIP TOYOTA +17.410
26 32 BOBBY LABONTE EUA GO F A S FORD +17.430
27 27 PAUL MENARD EUA RICHARD CHILDRESS CHEVROLET +19.941
28 33 TY DILLON EUA RICHARD CHILDRESS CHEVROLET +23.167
29 17 RICKY STENHOUSE JR. EUA ROUSH FENWAY CHEVROLET +23.632
30 6 TREVOR BAYNE EUA ROUSH FENWAY CHEVROLET +30.003
31 95 MICHAEL McDOWELL EUA LEAVINE FORD +32.673
32 44 REED SORENSON EUA XTREME CHEVROLET +50.105
33 24 JEFF GORDON EUA HENDRICK CHEVROLET +1:08.921
34 42 KYLE LARSON EUA GANASSI CHEVROLET +1 volta
35 20 MATT KENSETH EUA JOE GIBBS TOYOTA +1 volta
36 66 MIKE WALLACE EUA PREMIUM CHEVROLET +4 voltas
37 51 JUSTIN ALLGAIER EUA H SCOTT CHEVROLET +6 voltas
38 31 RYAN NEWMAN EUA RICHARD CHILDRESS CHEVROLET +19 voltas
39 21 RYAN BLANEY EUA WOOD BROTHERS FORD +28 voltas
40 23 JJ YELEY EUA BK TOYOTA +42 voltas
41 2 BRAD KESELOWSKI EUA PENSKE CHEVROLET +43 voltas
42 14 TONY STEWART EUA STEWART-HAAS CHEVROLET +131 voltas
43 40 LANDON CASSILL EUA HILLMAN SMITH CHEVROLET +185 voltas
PINTURA POR CARIDADE

A nova regra da FIA a respeito das trocas de capacetes ao longo do ano não intimida Sebastian Vettel.Piloto que ‘lançou a moda’ ao trocar frequentemente de capacete ao longo da carreira, Vettel vem usando um casco branco com a bandeira da Alemanha em destaque na pré-temporada com a Ferrari.

Mas dependendo de qual for a punição a ser paga pelo desrespeito a regra, o tetracampeão não deve abandonar definitivamente o hábito.

É VOCÊ, KIMI?

Kimi Räikkönen está sorridente e falante em 2015. É o que diz Maurizio Arrivabene, novo chefe da Ferrari, a respeito da postura do finlandês nos bastidores da equipe durante a pré-temporada. Mas o italiano aponta mais motivos para relatar porque tem certeza que verá o campeão de 2007 provando seu valor no campeonato deste ano. De acordo com Arrivabene, que fez sua primeira aparição como chefe da Ferrari em um circuito nesta semana em Barcelona, o principal fator é o carro. Kimi está bem mais confortável.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube