Reed supera Keselowski e vence prova de abertura da Xfinity Series em Daytona. Busch tem fraturas

Roush se recupera e vai ao Victory Lane em Daytona com Ryan Reed. A corrida foi marcada acidente que pode tirar Kyle Busch da temporada 2015

Ryan Reed venceu a emocionante prova de abertura da Nascar Xfinity Series realizada na tarde deste sábado (21) no superoval de Daytona.  A corrida de 120 voltas teve duas horas de duração e o principal acontecimento se deu a sete giros do final. Após tocar em Erik Jones, Kyle Busch rodou na saída da curva 1 e se chocou violentamente contra um muro de concreto na parte interna da pista. A barreira que não tinha a proteção do safer-barrier. Kyle fraturou a perna direita e o pé esquerdo e está fora por tempo indeterminado. Outros oito carros foram envolvidos no incidente. Matt Crafton, bicampeão da Truck Series, vai substituí-lo na Daytona 500 desse domingo.
 
O acidente gerou revolta entre os pilotos que já pediam a adoção desse tipo de proteção em toda pista. Em 2013, Denny Hamlin se lesionou gravemente após bater em um muro sem a proteção em Fontana.
 
A Daytona 500 de 2015 marca a primeira prova sem um dos irmãos Busch desde novembro de 2001. Kurt Busch, irmão mais velho de Kyle, foi suspenso na última sexta-feira após ser condenado por ter supostamente agredido sua ex-namorada. O piloto da Stewart Haas perdeu tentou recorrer da suspensão, mas perdeu os dois recursos. 
Atendimento de Kyle Busch após forte batida que pode ter custado toda a temporada (Foto: Getty Images)
 Saiba como foi a corrida em Daytona da Xfinity Series
 
Austin Dillon foi o pole-position — segunda pole da família em duas corridas. Na sexta-feira, o seu irmão Ty também conquistou a primeira posição na Truck Series. Em segundo lugar saiu Justin Marks, competindo pela Rab Racing.
 
Dillon completou a primeira volta na frente, seguido por Ryan Reed e Brendan Gaughan. Na volta três, Chris Buescher tomou a ponta. Na volta 11, foi a hora de Ty Dillon aparecer junto a Bubba Wallace na fila de cima. Ty desceu para o lado de baixo, e as duas filas seguiram lado a lado em uma disputa incessante até o início da janela de pit-stops.
 
Após o fim da primeira janela no giro 38, um grupo de seis pilotos passou a dominar a prova, abrindo vantagem em relação ao pelotão. Busch, Dale Earnhardt Jr, Kyle Larson,  Buescher, Gaughan e Jones. 
 
O pelotão só alcançou o grupo na volta 58. A segunda fila foi puxada pelos carros da RCR, Austin, Ty Dillon e Gaughan na tarde interna.
 
A prova seguiu tranquilla. Regan Smith assumiu a liderança faltando 42 voltas. O atual vice-campeão esteve na frente até a bandeira amarela da volta 81, quando Chris Cocknum perdeu um pneu nos pits, gerando a primeira bandeira amarela do dia.
 
Smith continuou na frente após a relargada, até ser desafiado pela linha de cima, com Daniel Suarez e Larson, O mexicano que estreava na Joe Gibbs estava duas voltas atrás do líder e foi tocado por Larson, perdendo o controle e provocando um grande acidente. 12 carros foram envolvidos, incluindo o líder da prova, Regan Smith, que capotou de maneira espetacular ao ser ndo coletado por Brendan Gaughan na aterrissagem.

Austin Dillon, que havia escapado ileso ao acidente, foi acertado durante a bandeira vermelha pelo veterano Mike Wallace. A partir desse momento, a prova até então calma ficou conturbada, com os mais variados incidentes ocorrendo.

 
Na relargada da volta 107, Brad Keselowski tomou a ponta. A linha de cima vinha trabalhando com força. Larson chegou a andar lado a lado com Keselowski quando, faltando sete voltas, Busch errou o toque em Jones, que rodou coletando Busch e mais oito carros. Busch bateu forte no muro interno entre as curvas 1 e 2. O piloto da Joe Gibbs Racing saiu sozinho do carro, mas logo foi atendido pelos fiscais.  A ausência do safer-barrier contribuiu para violência do acidente. Kyle foi levado em uma ambulância ao hospital Hallifax, aonde se constatou uma fratura na perna direita e outra no pé esquerdo. Com isso, Busch está fora da Daytona 500.
 
Não existe previsão para o seu retorno. Matt Crafton, seu melhor amigo e atual campeão da Truck Series, foi anunciado como seu substituto na Daytona 500.
 
A bandeira verde foi dada faltando quatro voltas para o final. Larson andou por três voltas lado a lado com Keselowski, líder da prova. Na abertura da última volta, Aric Almirola errou o toque e fez com que Larson rodasse, levando com ele Ross Chastain, que estava em uma milagrosa terceira posição. A bandeira amarela não veio. Enquanto isso, os carros de Jack Roush surgiram e tomaram a ponta. Repetindo a formula da última sexta-feira, Buescher, o melhor piloto do dia, trabalhou junto ao seu companheiro Reed para superar Keselowski na última volta. Na reta oposta, Brad subiu tentando bloquear o lado de cima, mas Reed escolheu ir por baixo driblando o rival. Com isso, o piloto da Roush abriu distância e partiu para vitória. Já Brad perdeu velocidade, sendo superado por Ty Dillon, Chris Buescher e Austin Dillon.
 
Com a vitória, Reed assumiu a ponta do campeonato, com Chris Buescher em segundo. É a primeira dobradinha da equipe desde Iowa 2011, quando Ricky Stenhouse superou Carl Edwards.
 
Após um ano de estreia complicado, Reed deu a volta por cima. A face de Jack Roush ao ver o seu piloto cruzar a linha de chegada valeu mais do que mil palavras. A tradicional equipe sofre com pesadas críticas sobre sua atual administração. Os três pilotos da Nascar estão sendo contestados. Mesmo em segundo, Buescher foi o grande nome da tarde, trabalhando com todos os pilotos durante todo o dia.
 
PINTURA POR CARIDADE

A nova regra da FIA a respeito das trocas de capacetes ao longo do ano não intimida Sebastian Vettel.Piloto que ‘lançou a moda’ ao trocar frequentemente de capacete ao longo da carreira, Vettel vem usando um casco branco com a bandeira da Alemanha em destaque na pré-temporada com a Ferrari.

Mas dependendo de qual for a punição a ser paga pelo desrespeito a regra, o tetracampeão não deve abandonar definitivamente o hábito.

É VOCÊ, KIMI?

Kimi Räikkönen está sorridente e falante em 2015. É o que diz Maurizio Arrivabene, novo chefe da Ferrari, a respeito da postura do finlandês nos bastidores da equipe durante a pré-temporada. Mas o italiano aponta mais motivos para relatar porque tem certeza que verá o campeão de 2007 provando seu valor no campeonato deste ano. De acordo com Arrivabene, que fez sua primeira aparição como chefe da Ferrari em um circuito nesta semana em Barcelona, o principal fator é o carro. Kimi está bem mais confortável.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar