Sem protestos durante execução do hino, Nascar contraria ligas americanas e ganha elogios de Trump

Enquanto jogadores da NFL e da NBA fizeram forte oposição aos comentários do presidente Donald Trump, contrário aos protestos durante execuções do hino americano, a Nascar teve um dia como qualquer outro em New Hampshire. Questionados sobre o que fariam com alguém que se ajoelhasse no hino, os chefes Richard Petty e Richard Childress falaram em demissão

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

O domingo era de ação na pista em New Hampshire, mas a Nascar não conseguiu escapar do grande debate sobre protestos durante a execução do hino americano em eventos esportivos. Enquanto jogadores de ligas como a NFL, de futebol americano, e da NBA, de basquete, deram corpo a um movimento de oposição ao presidente Donald Trump, a Nascar seguiu fazendo o mesmo de sempre – o que rendeu elogios de Trump nas redes sociais.
 
Todos os membros de equipes da Nascar acompanharam o ritual do hino normalmente. A postura é rotineira, mas também representava uma forma de imposição do campeonato, fazendo oposição ao crescente rito de protestos durante a cerimônia.
 
“Qualquer um que não se levante na hora do hino deveria sair do país. Ponto final”, disse Richard Petty, chefe de equipe e heptacampeão da Nascar. Em seguida, Petty também afirmou que demitiria um membro de equipe que se ajoelhasse durante o hino. 
A Nascar entrou no debate sobre protestos durante execução do hino americano (Foto: Nascar)
Richard Childress, chefe de uma das equipes mais tradicionais da Nascar, tomou postura semelhante. “Qualquer um que trabalha para mim deve respeitar o país em que vivemos. Tantas pessoas deram suas vidas por isso. Isso é a América”, comentou.
 
Pelo Twitter, Trump elogiou a Nascar, único campeonato americano claramente ao seu lado. “Muito orgulhoso da Nascar e seus fãs. Eles não vão tolerar o desrespeito à bandeira ou ao país e disseram isso em alto e bom som”, escreveu.
 
Na mesma rede social, Dale Earnhardt Jr. foi o único piloto que falou abertamente sobre o assunto, exaltando o direito de protestar. O piloto mais popular da categoria recordou uma frase do presidente americano John Kennedy. “Todos os americanos têm assegurados os direitos do protesto pacífico. Aqueles que tornarem a revolução pacífica impossível vão tornar a revolução violenta inevitável”, escreveu.
 
Horas após as manifestações de Trump e Earnhardt, a Nascar emitiu um comunicado exaltando a liberdade dos americanos de "expressar opiniões de forma pacífica.

"O esporte é uma influência unificadora em nossa sociedade, unindo pessoas com trajetórias e crenças diferentes. Nosso respeito pelo hino nacional sempre foi um marco dos nossos eventos pré-corrida. Graças aos sacrifícios de muitos, vivemos em um país de liberdades incomparáveis, incluindo o direito das pessoas de expressar opiniões de forma pacífica", afirmou a categoria.

Entenda o caso

 
A polêmica envolvendo as ligas esportivas e Donald Trump começou ainda na sexta-feira. Stephen Curry, jogador de basquete do Golden State Warriors, recusou o convite de participar de uma visita à Casa Branca, evento tradicional para equipes campeãs da NBA. Trump contra-atacou no dia seguinte, quando retirou o convite feito a todos os jogadores do time. O republicano alegou que a hesitação ao convite configurava desrespeito ao país.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Ainda no sábado, Trump levou a briga com as ligas americanas a um novo nível. Durante evento no estado americano do Alabama, o presidente disse que os jogadores que desrespeitam a bandeira ou o país deveriam ser demitidos. “Levem esse filho da puta para fora do campo agora. Fora, está demitido”, disse.
 
O comentário energético só causou mais protestos. Ao longo da rodada do fim de semana da NFL, diversas foram as cenas de jogadores se ajoelhando durante a execução do hino americano. Outros jogadores sequer deixaram os vestiários para a cerimônia.
 
’SOLDADINHO’ DA PENSKE?

CASTRONEVES TEM FALTA DE TÍTULO COMO MANCHA NA CARREIRA  

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube