Dos eSports à F1: como os ‘odds’ ajudam a se dar bem no mundo das apostas

Ao passo em que o automobilismo começa a retomar suas atividades, eventos do eSports e até mesmo reality-shows movimentam o noticiário e atraem pessoas ao mercado das apostas. E saber ler as probabilidades é muito importante para quem almeja ganhar dinheiro neste universo

Em tempos de quarentena e distanciamento, o mercado de apostas online ganhou ainda mais protagonismo e atrai cada vez mais interessados em se divertir e também em lucrar neste mundo. Antes desta época em que as atividades esportivas estão começando a ser retomadas, muitos apostadores aproveitaram a ascensão dos eSports e até programas de entretenimento, como o Big Brother Brasil, para ganhar um bom dinheiro. Agora, com a retomada e a perspectiva de um segundo semestre esportivo intenso com a volta da F1 e dos principais campeonatos de futebol, o movimento em torno das apostas tende a aumentar ainda mais.

Mas para o iniciante se dar bem neste universo, é importante saber ler os ‘odds’, que são as probabilidades calculadas pelas casas de apostas a respeito de eventos esportivos como corridas, partidas de futebol, lutas de MMA ou reality-shows, por exemplo. Sobretudo para quem é iniciante na prática, é fundamental analisar o desempenho dos participantes envolvidos.

O fato é que cada site de aposta trabalha com uma fórmula própria de calcular os ‘odds’, mas todas, de certa forma, analisam o desempenho anterior dos competidores. Partindo do exemplo do futebol, em uma eventual final de Copa do Mundo entre Brasil x Argentina, vários fatores influenciam para que este ou aquele time pague menos ou mais ao apostador, como performance dos jogadores, gols e até histórico.

Max Verstappen surge como boa aposta para a primeira corrida da F1 em 2020 (Foto: Red Bull Content Pool)

Os ‘odds’ funcionam assim: se as casas apontarem que as chances do Brasil ser campeão contra a Argentina são de 1.33, e caso esta seja esta a opção vencedora, o valor pago a quem apostar R$ 10 vai ser de R$ 13,30, de modo que R$ 3,30 representam o valor do lucro obtido.

Trazendo para o exemplo da Fórmula 1, que vai abrir a temporada 2020 no próximo 5 de julho com o GP da Áustria, no Red Bull Ring, a aposta em Lewis Hamilton é a que paga menos na plataforma SportingBet, 2.85, já que o hexacampeão é o favorito à vitória por toda a sua notória capacidade e também por estar na melhor equipe do grid, a Mercedes. Assim, quem apostar R$ 100, por exemplo, leva R$ 285 caso o britânico vença a prova.

E a aposta em Max Verstappen, até pelo fato de o holandês ter triunfado no ano passado com a Red Bull, paga 3.25. Menos, por exemplo, que Valtteri Bottas, companheiro de equipe de Hamilton, cuja aposta paga 6.50 caso o nórdico chegue ao topo do pódio.

Outro exemplo de como o mundo das apostas é abrangente diz respeito ao Big Brother Brasil 20. A edição do reality-show que parou o país entre janeiro e abril rendeu grandes audiências e inclusive um histórico paredão, protagonizado por Felipe Prior e Manu Gavassi, que rendeu mais de 1,5 bilhão de votos.

Algumas casas de aposta disponibilizaram ‘odds’ sobre quem seria o eliminado de cada semana, quem estaria na final e quem seria o vencedor. Babu Santana, que em várias enquetes despontou como favorito do público ao prêmio de R$ 1,5 milhão, naturalmente tinha as probabilidades mais claras de vitória. Mas o ator foi eliminado antes do fim de semana da grande final, que coroou Thelma Assis. A anestesiologista, que ao longo do programa não era a mais cotada como vitoriosa, foi a grande campeã da edição.

O BBB 20 mostrou que, aos iniciantes, cabe analisar não somente os ‘odds’, mas também as peculiaridades de cada evento antes de fazer apostar. Por isso, sempre vale a velha máxima: aposte com sabedoria. E boa sorte.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube