Em nota, CBA desmente investigação do MP e critica conduta “incompatível com a ética desportiva” de delatores

A Confederação Brasileira de Automobilismo divulgou comunicado oficial na noite deste sábado desmentindo as denúncias reveladas pela revista ‘IstoÉ'

 A Confederação Brasileira de Automobilismo (CBA) respondeu às denúncias reveladas por reportagem da revista ‘IstoÉ’ e negou que esteja sendo investigada pelo Ministério Público e pela OAB. Além disso, assegurou que as contas da diretoria que assumiu o comando da entidade em 2009, sob a liderança do presidente Cleyton Pinteiro, foram todas aprovadas pelo Conselho Fiscal.

Neste sábado (16), a ‘IstoÉ’ revelou que denúncias recebidas pelo Ministério Público estavam sendo investigadas. De acordo com o semanário, os dirigentes da instituição que guia o automobilismo brasileiro estavam sendo acusados de fraude, tráfico de influência, compadrio, uso indevido do cartão corporativo e recebimentos irregulares por consultorias.

Em nota divulgada nesta noite, a CBA desmentiu as informações e ainda desqualificou os autores da denúncia entregue aos órgãos públicos, os ex-dirigentes Dione Rodrigues e Antônio dos Santos Neto.

Confira a íntegra do texto enviado pela CBA:

“A Confederação Brasileira de Automobilismo vem a público confirmar e ratificar que todas as contas de sua atual Diretoria (2009/2013) receberam parecer favorável do Conselho Fiscal, foram aprovadas pela Assembleia Geral, sendo que a dos três últimos exercícios foram auditadas por empresa independente de auditoria e colocadas à disposição de todos os interessados no síte da entidade . 

A Confederação Brasileira de Automobilismo esclarece que os membros da sua Diretoria não são remunerados e que efetua pagamentos, apenas, a empregados e prestadores de serviço, na forma da lei.

A Confederação Brasileira de Automobilismo informa, ainda, que os seus poderes, a Diretoria, a Assembleia Geral e o Superior Tribunal de Justiça Desportiva são constituídos na forma da lei, sendo que o STJD do Automobilismo é constituído por membros indicados pela Ordem dos Advogados do Brasil, pelos pilotos, pelos Comissários Técnicos e Desportivos (árbitros) e pela própria Confederação, conforme disposto na Lei 9615/88.

A Confederação Brasileira de Automobilismo esclarece que não está sob investigação de qualquer órgão público e que a denúncia feita perante o Ministério Público Federal por ex-dirigentes, afastados do convívio associativo em virtude de comportamento, no mínimo, incompatível com a ética desportiva, recebeu parecer pelo seu arquivamento, estando o procedimento em trâmites burocráticos para tal finalidade.

A Confederação Brasileira de Automobilismo, por derradeiro, informa que está estudando medidas judiciais contra seus detratores, inclusive, em face daqueles que, manipulando fatos sem apurar a verdade, dão eco às denúncias contra esta Confederação.”

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar