Homem forte por trás da criação da nova F2, Domenicali diz que espera terminar projeto em dois meses

O presidente da Comissão de Monopostos da FIA, ex-chefe da Ferrari e homem forte por trás da criação da nova F2, Stefano Domenicali disse que pretende terminar projeto em cerca de dois meses e admitiu que motores podem ser V4

O presidente da Comissão de Monopostos da FIA e ex-chefe da Ferrari, Stefano Domenicali, disse que pretende ter o projeto da nova F2 dentro dos próximos dois meses.
 
Segundo Domenicali, homem forte na criação da F2, a intenção é terminar o projeto de forma rápida, e por isso está em discussões com diferentes fornecedores de diferentes partes do carro para chegar a uma decisão logo.
 
"Eu diria que agora nosso maior desafio é como vamos seguir com o projeto da F2 com a intenção de que esteja entre a F3 e a F1. Isso é um desafio em que precisamos trabalhar e com sorte poderemos chegar com esse projeto muito em breve, porque é essa a meta", disse.
 
"Nós estamos discutindo com todos os fornecedores diferentes – motores e chassis e daí por diante – e precisamos oficializar para ver qual vai ser o interesse real dos maiores acionistas", explicou. 
 
"É esse o objetivo pelo qual estou forçando a Comissão para encontrar uma boa proposta dentro de dois meses, então eu quero ser proativo nisso. Leva tempo, não é fácil, mas é uma possibilidade real", seguiu.
 
Domenicali gostaria que os carros fossem difíceis de serem guiados e físicos, assim como agora falou que é a favor de motores empurrados por turbos de pequena capacidade.
Stefano Domenicali (Foto: Getty Images)
"Eu diria que isso é uma questão pessoal, sim. No fim do dia, precisamos ser pragmáticos. Somos fãs de automobilismo, apaixonados. Quando você escuta sons altos é muito bom, mas o deslocamento correto para o futuro é pequeno", falou.
 
"Turbo é o futuro, tecnologia híbrida é o futuro. Agora temos de retornar a ver o nível de custos que o sistema pode aceitar. É a questão central, e isso tem de ser pensado cuidadosamente para não ter erro", falou.
 
E Domenicali assentiu que a F2 pode utilizar um sistema de V4 e turbos de dois litros em 2017. Dessa forma, ficaria no mesmo modelo do DTM e da Súper Fórmula, abrindo possibilidade para Audi, BMW, Mercedes, Honda, Nissan e Toyota participarem da categoria.
 
"Eu realmente gostaria que todos pareçam interessados. Queremos fornecedores com grande tradição no esporte para ver como um crescimento potencial e ser parte dos negócios. Pelo menos é meu objetivo", afirmou.
 
Por fim, disse que não quer ver a F2 tirando a GP2 ou a World Series da jogada.
 
"Queremos evitar canibalizar tudo e não permitir outros times e pilotos a terem chance. Como uma federação é importante que o caminho do crescimento entre o kart e a F1 seja muito claro: F4, F3 e F2", encerrou.
 
VIU ESSA? MECÂNICO DA INDY DIVULGA VÍDEO DO PRÓPRIO ATROPELAMENTO

determinarTipoPlayer(“15439898”, “2”, “0”);

GP RECOMENDA

A corrida fantástica de 2014, o clima da Mercedes em polvorosa entre Nico Rosberg e Lewis Hamilton, a tentativa da Williams em alcançar a Ferrari, quem encerra o G4 da F1 e o que a McLaren é capaz de fazer no calor. O GRANDE PRÊMIO traz e explica os cinco principais motivos para que o fã não perca o GP do Bahrein, quarta etapa do campeonato, que acontece no próximo fim de semana no circuito desértico de Sakhir.

CACHIMBO DA PAZ

A Red Bull e a Renault selaram a paz depois de trocarem farpas publicamente mesmo depois de uma corrida em que Daniil Kvyat viu uma explosão de motor à moda antiga e um desempenho muito aquém de Daniel Ricciardo na China. A decisão de lavarem a roupa suja em casa também se deve aos resultados em si. O início de ano da equipe é o pior desde 2007, quando, segundo o sistema de distribuição de pontos atual, marcou um miserável ponto.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube