Rali

Al-Attiyah vence penúltima especial e encaminha vitória para Toyota no Dakar. Peterhansel abandona

Nasser Al-Attiyah manteve o forte ritmo de prova e ainda contou com os azares de dois pilotos que estavam à sua frente nos quilômetros finais da especial em laço em Pisco. Sébastien Loeb e Cyril Despres ficaram pelo caminho, e o catariano encaminhou de vez o tri do Rali Dakar. Stéphane Peterhansel, após problemas com o navegador David Castera, abandonou a disputa

Warm Up / FERNANDO SILVA, de Sumaré
Etapa em laço
9ª etapa – Pisco – Pisco
Trecho de especial: 313 km
Deslocamentos: 96 km
Trecho total: 409 km
 
Nasser Al-Attiyah está a apenas um dia de conquistar pela terceira vez o Rali Dakar. Campeão em 2011 pela Volkswagen, e em 2015, como piloto da Mini, o catariano tem apenas uma curta especial, de 112 km entre Pisco e Lima, no Peru, para dar à Toyota sua primeira conquista no maior rali do mundo. Na nona e penúltima especial, disputada em laço ao redor de Pisco nesta quarta-feira (16), Al-Attiyah, ao lado do navegador francês Matthieu Baumel, administrou a confortável vantagem perante os adversários mais diretos, mas mesmo assim manteve o forte ritmo de prova para levar o Toyota Hilux #301 à vitória, a terceira dentre nove especiais.
 
A grande baixa do dia foi o abandono do lendário Stéphane Peterhansel. Dono de nada menos que 13 conquistas no maior rali do mundo (seis nas motos e sete nos carros), o francês viveu uma jornada irregular neste janeiro pelo deserto peruano, chegou a vencer duas especiais, mas enfrentou toda sorte de problemas. 
Nasser Al-Attiyah está a um dia de conquistar o Dakar pela terceira vez (Foto: Flavien Duhamel/Red Bull Content Pool)
Nesta quinta-feira, Peterhansel encerrou sua participação com apenas 26 km de etapa, tendo de abandonar por conta de uma reportada lesão nas costas do seu navegador, o também francês David Castera.
 
Ao longo da etapa, Sébastien Loeb foi o grande protagonista e passou como líder até o quinto waypoint, com nove minutos de frente para o então segundo colocado, Cyril Despres, quando restavam poucos quilômetros para chegar à zona de meta. 
 
Só que Loeb, que estava muito perto da sua quinta vitória em especiais no Dakar 2019, perdeu cerca de 20 minutos no km 275 da especial ao ficar atolado com seu Peugeot 3008 DKR, da equipe PH Sport, em uma duna, o que enterrou as chances de outro triunfo na prova. Em seguida, o nove vezes campeão do WRC teve de lidar com outro problema, uma avaria no carro, o que acabou com qualquer possibilidade de um bom resultado no fim do dia.
 
O revés de Loeb colocou Despres na liderança da etapa. Condição que o piloto da Mini X-Raid sustentou apenas por parcos quilômetros, já que o francês, que conta com o histórico navegador de Peterhansel, Jean-Paul Cottret, também ficou atolado em uma duna, localizada no km 288.
 
Desta forma, Al-Attiyah, que colocou sua experiência na trilha, não correu riscos e administrou bem a vantagem, faturou a vitória na especial. Como é de praxe nessa fase final do Dakar, os líderes costumam marcar de perto seus concorrentes mais próximos, evitando qualquer tipo de risco e erros de navegação.
 
O catariano foi seguido pelo vice-líder geral do Dakar, Nani Roma, que cruzou a zona de meta com 4min58s atrás de Nasser. Ao lado do também espanhol Alex Haro Bravo, o bicampeão do Dakar caminha para confirmar seu melhor resultado desde quando faturou o Dakar pela última vez, em 2014. 
 
Giniel de Villiers, campeão do Dakar em 2009 e companheiro de equipe de Al-Attiyah na Toyota, assegurou o terceiro tempo da etapa, com 7min15s de atraso para o catariano. Jakub ‘Kuba’ Przygonski, parceiro de time de Nani Roma e que também conta com um Mini John Cooper Works Rally da equipe X-Raid, foi o quarto colocado, com 14min01s de atraso de acordo com a cronometragem provisória. Loeb conseguiu sair do atoleiro e chegou à zona de meta, mas com um atraso de 1h15min52s para o tempo de Nasser.
 
Com apenas a derradeira especial, de 112 km a ser disputada nesta quinta-feira entre Pisco e Lima, Al-Attiyah lidera com folga, 51min27s de vantagem para Roma, enquanto Loeb, mesmo com o enorme tempo perdido ao longo da etapa, ainda permanece no top-3, com Przygonski caminhando para fechar o Dakar 2019 em quarto na classificação geral, mas com 2h33min51s de atraso para o príncipe do Catar, que está prestes a dar à Toyota sua primeira vitória no maior rali do mundo.


Virada no penúltimo dia: Nikolaev vence nona etapa e retoma ponta do Dakar nos ‘brutos’
 
Nada como um dia após o outro. E o ditado se aplica da melhor forma ao Rali Dakar. Depois de enfrentar uma terça-feira complicada, quando ficou atolado na areia com seu caminhão Kamaz e terminou a oitava especial apenas em oitavo lugar, Eduard Nikolaev perdeu a liderança geral da competição nos caminhões e viu o compatriota Dmitry Sotnikov, um dos integrantes do ‘exército russo’ da Kamaz, a tomar a ponta a dois dias do fim.
 
Mas o Dakar sempre surpreende e mostra que sempre há espaço para novas reviravoltas. E o jogo virou novamente em favor do atual campeão. Nikolaev venceu de ponta a ponta a nona etapa do Dakar, passando em primeiro em todos os waypoints e chegando à zona de meta. 
Eduard Nikolaev virou o jogo contra Dmitry Sotnikov e parte para o penta do Dakar (Foto: Marcelo Maragni/Red Bull Content Pool)
Tendo a tripulação do Kamaz #500 formada também por Evgenii Iakovlev e Vladimir Rybakov, Nikolaev terminou 14min03s à frente do bielorrusso Siarhei Viazovich, que corre com um caminhão Mas ao lado dos copilotos Pavel Haranin e Andrei Zhyhulin. Só então, na terceira posição, terminou Sotnikov, com o Kamaz #514 tripulado também por Dmitrii Nikitin e Ilnur Mustafin.
 
O top-5 da etapa foi completado pelo tcheco Ales Loprais, com um caminhão Tatra, enquanto o bicampeão Gerard de Rooy levou a Iveco ao quinto lugar.
 
Nikolaev retomou a ponta do Dakar e agora tem 28min35s de frente para Sotnikov, enquanto De Rooy aparece em terceiro lugar na classificação geral dos caminhões com um dia para o fim do maior rali do mundo. Assim, Nikolaev está a apenas 112 km de conquistar o pentacampeonato do Dakar, sendo quatro vezes como piloto e uma vez como mecânico do icônico piloto russo Vladimir Chagin.