Rali

Peterhansel reage e vence terceira especial do Dakar. Sainz dá adeus ao sonho do tri e Al-Attiyah lidera

Stéphane Peterhansel quebrou mais um recorde na sua histórica carreira no Dakar ao vencer sua 75ª especial no maior rali do mundo. O triunfo, ao lado de David Castera, não foi nada fácil e veio em uma especial que trouxe muitos problemas para Carlos Sainz, Sébastien Loeb e Giniel de Villiers. Nasser Al-Attiyah voltou à ponta na classificação geral
Warm Up / FERNANDO SILVA, de Sumaré
3ª etapa – San Juan de Marcona – Arequipa
Trecho de especial: 331 km
Deslocamentos: 467 km
Trecho total: 798 km
 
Assim como nas motos, a terceira especial do Rali Dakar 2019 foi dramática na competição dos carros. E, definitivamente, tirou qualquer chance de título a um dos grandes favoritos nesta quarta-feira (9). Carlos Sainz, que corre ao lado do navegador Lucas Cruz, sofreu com a quebra da suspensão dianteira esquerda depois de acertar uma vala no trecho especial de 331 km entre San Juan de Marcona e Arequipa, marcado pelas desafiadoras dunas, e perdeu mais de três horas. 'El Matador' conseguiu voltar à prova, mas já sem qualquer chance real de chegar ao tricampeonato.
 
Então líder na classificação geral, Giniel de Villiers também enfrentou problemas — um vazamento de óleo no seu Toyota Hilux — e ficou para trás, enquanto Sébastien Loeb, vencedor da segunda etapa do Dakar, perdeu tempo. Assim, quem levou a melhor mesmo foi o ‘Monsieur Dakar’, Stéphane Peterhansel, que reagiu e venceu pela primeira vez em 2019 ao lado de David Castera, tendo como tempo total 3h54min31s. Nasser Al-Attiyah ficou a 3min26s do francês da Mini e levou a Toyota ao segundo lugar na especial. Na soma dos resultados, o catariano voltou à liderança geral na competição dos carros.
Stéphane Peterhansel segue quebrando recordes no Rali Dakar (Foto: Red Bull Content Pool)
O triunfo nesta tarde levou Peterhansel a ampliar para nada menos que 75 o recorde de vitórias em especiais, marca absoluta na história do Rali Dakar.
 
Loeb, por ter vencido a segunda especial, foi o responsável por abrir o caminho para os carros pela manhã rumo a Arequipa. Nos primeiros quilômetros, o eneacampeão mundial do WRC conseguiu acompanhar o ritmo dos ponteiros, mas acabou perdendo muito tempo na sequência da especial. Da mesma forma, Nani Roma e Bernhard Ten Brinke, da Mini e Toyota, respectivamente, também lidaram com problemas e perderam tempo considerável perante os ponteiros.
 
Depois de Sainz, que ficou parado por mais de três horas, ainda no começo da especial, antes de voltar à prova, quem levou a pior dentre os favoritos ao título foi De Villiers, que parou no km 172 da etapa em razão de um vazamento de óleo, perdendo tempo e, tão importante quanto, a liderança na classificação geral.
 
Aí a batalha pela vitória na especial ficou restrita aos campeões Peterhansel e Nasser Al-Attiyah. No início da especial, os dois chegaram a passar nos dois primeiros waypoints com o mesmo tempo, mas o ‘Mr. Dakar’ conseguiu abrir um pouco de vantagem na sequência da prova para confirmar a vitória na difícil etapa desta quarta-feira.
 
Mesmo tendo perdido um tempo considerável na comparação com Peterhansel e Al-Attiyah, Jakub ‘Kuba’ Przygonski voltou a ter um bom desempenho em especiais e, ao lado do belga Tim Colsoul, completou a etapa em terceiro, mesma posição do primeiro dia de provas. Na última terça-feira, o piloto polonês finalizou apenas em 13º. Em seguida, outros dois pilotos da Mini completaram a lista dos cinco primeiros: o saudita Yazeed Al-Rajhi, na quarta posição, e o bicampeão Nani Roma.


No caso de Loeb, foram pouco mais de 40 minutos de atraso para Peterhansel, diferença que não tira totalmente o francês da PH Sport da briga, mas torna sua missão de chegar ao primeiro título do Dakar bem mais difícil. Loeb e seu navegador, Daniel Elena, fecharam a especial apenas em 12º lugar.

Na soma dos resultados após três etapas, Al-Attiyah e Baumel lideram a prova com 8h34min08s, com o piloto liderando uma dobradinha árabe, já que Al-Rajhi subiu para a surpreendente segunda colocação, 6min48s atrás do bicampeão do Dakar. A grande prova de Peterhansel foi de fundamental importância porque o coloca novamente entre os primeiros colocados, na terceira posição, com diferença de apenas 7min03s para Nasser, um grande feito para quem estava em 13º na classificação geral na última terça-feira.

Nani Roma e 'Kuba' Przygonski completam a lista dos cinco melhores posicionados na classificação da terceira especial do Dakar 2019. Cyril Despres, que perdeu 28min04s em relação a Peterhansel, foi o sexto colocado da especial, terminando logo à frente de Bernhard Ten Brinke, da Toyota. 
A quarta-feira também derrubou Giniel de Villiers, que abriu o dia como líder nos carros (Foto: France.TV/Twitter)
A grande surpresa da especial foi a presença do polonês Aron Domzala, estreante no Dakar, na oitava colocação. O piloto de 29 anos, que corre ao lado do navegador Maciej Marton com um Toyota Hilux preparado pela equipe Overdrive, ficou à frente de nomes de muita experiência, como o tcheco Martin Prokop e Sébastien Loeb. O francês fechou a especial 42min55s atrás de Peterhansel.
 
Outra boa surpresa foi a tripulação liderada pelo piloto lituano Benediktas Vanagas, que corre ao lado do navegador polonês Sebastian Rozwadowski, com o conjunto do Toyota Hilux #330 na décima posição da especial.


Exército russo da Kamaz mantém domínio no Dakar
 
Terceiro dia de Rali Dakar, terceira vitória da Kamaz nos caminhões. A marca russa, que luta para vencer o maior rali do mundo pela 16ª vez na história, ainda contou com um duro revés por parte de Gerard De Rooy, da Iveco, que despontava como a grande ameaça ao domínio do ‘exército russo’. O holandês sofreu uma quebra e perdeu mais de 1h30min em relação aos líderes.
 
A especial desta quarta-feira nos ‘brutos’ teve a vitória de Andrey Karginov. O russo, que foi campeão em 2014 e volta ao Dakar depois de três anos fora, assumiu a ponta da etapa ainda no começo e não chegou a ser ameaçado na sequência do percurso. Karginov, que tem ao seu lado Dmitriy Svistunov e Akhmet Galiautdinov na tripulação do #502, marcou 4h06min25s de tempo total do percurso.
Andrey Karginov foi o grande vencedor da terceira etapa do Dakar nos caminhões (Foto: Red Bull Content Pool)
Federico ‘Coyote’ Villagra trouxe um alento à Iveco ao finalizar em segundo na etapa, comandando a tripulação argentina formada também por Adrián Arturo Yacopini e Ricardo Adrián Torlaschi. O conjunto do caminhão #505 ficou 10min21s atrás do Kamaz vencedor do dia. Dmitriy Sotnikov, que corre ao lado de Dmitrii Nikitin e Ilnur Mustafin, finalizou em terceiro, também com a Kamaz, com 12min07s de atraso para a tripulação vencedora.
 
Eduard Nikolaev, líder da prova na classificação geral dos caminhões, chegou a liderar a terceira especial no começo, mas depois perdeu algum tempo, finalizando em quarto ao lado de Evgenii Iakovlev e Vladimir Rybakov.
 
A luta pelo título dos caminhões segue bem apertada, com Nikolaev liderando com 9h37min46s de tempo total e 5min17s de vantagem para Villagra, o novo vice-líder depois do abandono de De Rooy. Sotnikov aparece em terceiro, com 8min42s atrás, e Karginov subiu para quarto, com 9min27s de atraso para o líder na chegada do Dakar a Arequipa.