Cacá se despede da Red Bull decepcionado por 2016, mas feliz com ciclo vencedor: “Muito mais alegrias que tristezas”

Cacá Bueno encerra neste domingo um ciclo vitorioso aberto em 23 de março de 2009. Desde então, o carioca se consolidou como piloto mais bem-sucedido em atividade na Stock Car, conquistando neste período três títulos, 15 vitórias e 22 poles. Cacá vai continuar visitando Petrópolis no ano que vem, mas não defenderá mais a Red Bull, que deixa a Stock Car neste ano, e sim a Cimed, equipe que domina a categoria desde 2015

 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

A manhã deste domingo (11) marca o fim de uma era na Stock Car. A principal categoria do automobilismo brasileiro está prestes a se despedir da Red Bull, uma equipe que fez história no certame. Foram 27 vitórias conquistadas desde 2007: Hoover Orsi faturou uma prova, Daniel Serra triunfou 11 vezes e as outras 15 foram logradas por Cacá Bueno. O carioca foi responsável por levar a Red Bull aos três títulos de pilotos na Stock Car em 2009, 2011 e 2012. A partir da próxima temporada, Serra segue novos rumos e vai correr pela RC/Eurofarma — time que Cacá defendeu entre 2006 e 2008 —, enquanto o carioca está de malas prontas para a Cimed, time que está muito perto de comemorar o título de Felipe Fraga em Interlagos.

A Red Bull encerra suas atividades como equipe na estrutura comandada por Andreas Mattheis, que a partir do ano que vem vai contar com a Ipiranga como principal patrocinadora e terá como pilotos Thiago Camilo e Galid Osman.

 
Cacá deixa a Red Bull, equipe chefiada por Mattheis, diante de sentimentos mistos. Feliz pelas conquistas alcançadas e por ter formado uma parceria duradoura e bem-sucedida. Afinal, foram muitos os momentos de glórias e vitórias para celebrar. No entanto, o sentimento é de tristeza quando se trata exclusivamente de 2016, um ano em que Cacá venceu duas provas (Velopark e Cascavel) e faturou três poles. Ainda assim, um ano bem abaixo do esperado para um piloto do seu quilate. Se no ano passado Cacá chegava a Interlagos com chances de chegar ao título contra Marcos Gomes, em 2016 o piloto de 40 anos se viu sem possibilidades matemáticas de faturar o hexa desde a penúltima etapa, em Curvelo.
Cacá Bueno teve uma trajetória vitoriosa com a Red Bull (Foto: Duda Bairros/Vicar)
Mas, entre tantas emoções vividas ao longo de oito temporadas, o balanço é positivo. E Cacá, em que pese já vislumbrar o futuro correndo pela Cimed que domina hoje a Stock Car, já fala com saudades e até com uma ‘dor no coração’ de um casamento que se encerra neste domingo.
 
“É uma data especial. Não só pelo patrocínio da Red Bull, da Sky, mas do grupo de trabalho, dos mecânicos, dos engenheiros, do próprio Andreas, que é o responsável por essa estrutura toda. Então são oito anos trabalhando com o mesmo grupo de gente. Mas estou indo para uma equipe onde praticamente trabalhei com todo mundo lá em algum momento. Praticamente todo mundo que está lá passou por aqui também, do chefe aos mecânicos, mas é difícil você deixar uma casa. Oito anos não são oito dias. Tem casamento que não dura isso”, disse o pentacampeão da Stock Car em entrevista ao GRANDE PRÊMIO.
 
“Então é diferente do que outras saídas: estive três anos na Action Power, tive três anos com o ‘Meinha’, mas nunca tinha ficado mais que três anos no mesmo grupo de trabalho. Na Argentina fiquei quatro anos com o Edgar Fernández. Mas nunca tinha ficado tanto tempo assim numa equipe. Então dá aquela dorzinha no coração. No primeiro momento, na hora de se fazer a separação, há os atritos, mas depois, num segundo momento, só há agradecimentos. O que ficam são as boas lembranças. A gente teve muito mais vitórias, muito mais alegrias que tristezas”, salientou Cacá.
A histórica parceria entre Cacá Bueno e Andreas Mattheis se encerra neste domingo (Foto: Red Bull/Bruno Terena)
Entretanto, Bueno é realista ao falar sobre a atual temporada, um ano muito difícil e que se tornou ainda mais depois do anúncio da saída da Red Bull, pegando o esporte a motor brasileiro de surpresa em setembro.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

“Realmente, 2016 não foi um ano bom, não tem sido um ano bom, e mesmo assim fiz três poles, ganhei duas corridas. Até o meio do ano estava na disputa pelo título, depois parece que tudo desandou, sobretudo depois do anúncio, parece que as coisas não deram certo, mas no dia que eu for para outra equipe, é esquecer o passado e viver intensamente o novo time”, comentou Bueno.

 
Neste domingo, às 10h10 (horário brasileiro de verão), Cacá larga em 11º. Não é a posição em que está acostumado a estar no grid, mas seja como for, tudo o que o carioca deseja é fazer uma grande jornada para retribuir um pouco do que recebeu ao longo de todos os últimos anos com a Red Bull. “É fazer a última corrida da melhor maneira, da maneira mais digna e melhor possível para tentar retribuir todo o carinho que eles me deram por tanto tempo dentro da mesma estrutura”, conclui Bueno, já em tom de despedida da Red Bull.
 
O GRANDE PRÊMIO acompanha ‘in loco’ a grande final da Stock Car com grande equipe: os jornalistas Fernando Silva, Gabriel Curty, Nathália de Vivo, Pedro Henrique Marum, Vitor Fazio e o repórter fotográfico Rodrigo Berton.
 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube