Diários de Viagem: Abelhas, feijoada, Camilo, Maurício e padrões do Velopark

Abelhas me rodeando todo dia, no mesmo horário. Feijoada sempre no mesmo dia...Mas esse dia sendo sexta-feira. E pilotos chegando na mesma posição diversas vezes. E Velopark tem padrões...

O GRANDE PRÊMIO escolheu para mandar às etapas da Stock Car possivelmente o seu único repórter que precisa de padrões para sobreviver à rotina. Este que vos escreve precisa, e muito, das coisas organizadas e em horários certos para funcionar. Defeito, sem dúvida, porque conduz à loucura. Mas, no caso da Stock Car, e precisamente do Velopark, no último final de semana, foi bom.

Explico: para contar tanto minha viagem, objetivo desta seção do GP, como a história da oitava etapa da categoria, é necessário entender padrões. 

A reta principal do Velopark (Foto: Duda Bairros/Vicar)
Paddockast #33
10 ANOS DE SECA BRASILEIRA NA F1

Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

Na pista, eles estiveram extremamente presentes: Ricardo Maurício, por exemplo, foi terceiro colocado. E o que isso quer dizer? Que foi a terceira vez no Velopark que ele foi terceiro colocado e, assim, subiu por três vezes no lugar de número três do pódio.

Thiago Camilo me ajudou nessa, também: com a quarta colocação na corrida 1, repetiu a posição da abertura da temporada no mesmo Velopark. E aí, em seguida, o que ele fez? Foi quarto de novo na corrida 2, tornando essa história bastante padronizada.

"Mas Rubens Barrichello venceu desta vez, e no começo do ano no Velopark ele havia sido segundo", você pode questionar. Porém, te explico o padrão: se Barrichello vai ao pódio, se instala a loucura no autódromo. Então me ajuda a saber para onde vou na hora de entrevistar os pilotos.

Enquanto a torcida prende o #111 (no melhor dos sentidos) na festa, eu consigo escapar, falar com diversos pilotos, tomar uma água (estava um calor insuportável), escrever 10 matérias, dar uma corrida na pista, voltar e ainda esperar uns minutos, porque os fãs seguem festejando o piloto. É divertido.

Daniel Serra também colaborou, se mantendo sempre no top-10, constante, como faz para continuar na briga pelo título. Tal como Felipe Fraga, voltando a ir bem na pista gaúcha. Obrigado, pilotos!

Falando em padrão: zebras(Foto: Duda Bairros/Vicar)

Agora, em termos de vivência em Nova Santa Rita, preciso agradecer a Porto Alegre: as mesmas obras de viadutos ao lado da Arena do Grêmio seguem paradas desde o começo do ano. As reclamações dos motoristas da 99 seguem as mesmas, graças ao trânsito que tais obras causam. A distância do autódromo para a cidade, que é no meio do nada, e este nada localizado no meio de outro nada, segue igual, também.

No autódromo, o pit-lane que corta a entrada para a sala de imprensa segue igual, também. O risco de atropelamento, que aumenta a emoção da estadia? Está lá. E as abelhas…

As abelhas foram um caso à parte. Todo dia dos três em que sentei na mesma cadeira na mesma mesa da sala de imprensa, em algum momento do começo da tarde uma abelha chegava em mim. E começava a me rodear, e por lá ficava até que precisar descer. Todo dia, apenas uma. No mesmo horário. Jamais voltando. Curioso.

A Vicar, organizadora da Stock Car, também ajuda: ao me liberar para o almoço do pessoal deles (obrigado, eu realmente morro de fome), já me deixa sabendo que será sempre feijoada… De sexta-feira. Sou a favor. Uma carne aleatória no sábado, hambúrgueres no domingo. Até os doces, manjar, doce de leite e brigadeiros, são os mesmos.

A lua no céu de Nova Santa Rita (Foto: Duda Bairros/Vicar)

Torna toda viagem mais confortável. E me faz perceber que minha cabeça é meio maluca. Mas é com ela que eu tiro as ideias destes textos, e das perguntas aos pilotos, e de toda a cobertura da Stock Car, que eu honestamente acho bem digna. Espero que os senhores que leem o GP gostem. 

Por último, quase esqueço: o padrão de dar problema no aeroporto seguiu. Dessa vez foi só atraso no voo. Mas esse padrão eu toparia esquecer…

A Stock Car volta à ativa entre 18 e 20 de outubro com a disputa da nona etapa do campeonato no Autódromo Zilmar Beux, em Cascavel. O GRANDE PRÊMIO cobre 'in loco' a temporada 2019 com o repórter Felipe Noronha. Siga tudo aqui.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar