Stock Car
23/09/2018 13:50

Fraga aproveita azar de Gomes e Casagrande, vence no Velo Città e cola em Serra na luta pelo título

Felipe Fraga conta com a sorte de campeão para engrossar ainda mais a luta pelo título. O piloto da Cimed vinha em terceiro, mas tirou proveito dos infortúnios sofridos por Marcos Gomes e Gabriel Casagrande para vencer pela terceira vez em 2018
Warm Up, do Velo Città / FERNANDO SILVA, do Velo Città
 Felipe Fraga faz a festa em Mogi Guaçu ao repetir a vitória conquistada em 2017 (Foto: Fernanda Freixosa/Vicar/Vipcomm)
Felipe Fraga parece ter um elemento fundamental a mais na luta contra Daniel Serra pelo título da Stock Car em 2018: a sorte de campeão. O piloto da Cimed viu a estrela brilhar novamente neste quente domingo (23), na corrida 1 da etapa do Velo Città, em Mogi Guaçu, interior de São Paulo. Fraga largou em segundo, caiu para terceiro e ficou atrás do pole Marcos Gomes e Gabriel Casagrande. Marquinhos, no entanto, perdeu a chance de vencer por conta de uma falha na luz de freio. O paranaense, que parecia rumar para a vitória, foi vítima de uma falha no pit-stop — a roda traseira direita não foi fixada durante a parada. Fraga, então, aproveitou o azar dos rivais para triunfar pela terceira vez no campeonato.

Foi a 15ª vitória de uma carreira grandiosa de Fraga na Stock Car. O piloto disputou a 99ª corrida na categoria, alcançando a marca centenária na disputa derradeira do fim de semana no Velo Città.
 
Daniel Serra também foi bem. Ainda que não tivesse carro para brigar com Fraga pela vitória, o líder do campeonato ficou logo atrás e somou pontos importantes na luta pelo bi. Contudo, o piloto do carro #29 da RC/Eurofarma viu a diferença em relação a Fraga cair ainda mais. Agora, apenas oito pontos separam os dois pilotos: Serra soma 217, contra 209 de Fraga.
 
Cacá Bueno completou o pódio no Velo Città, comprovando o bom desempenho geral da Cimed. Max Wilson vinha em quarto, mas sofreu uma pane no seu carro nos últimos metros da prova e perdeu grande chance de somar bons pontos. Assim, Júlio Campos foi o quarto e Lucas Di Grassi fechou o top-5. Thiago Camilo se colocou em sexto lugar, logo à frente de Nelsinho Piquet. A Shell V-Power se colocou bem demais para a corrida 2: Ricardo Zonta finalizou em oitavo e Átila Abreu, nono. Em décimo, Felipe Lapenna vai abrir o grid da segunda prova do domingo.
No fim de semana da corrida 100, Fraga festeja sua 15ª vitória na Stock Car (Foto: Fernanda Freixosa/Vicar/Vipcomm)
O GRANDE PRÊMIO cobre ‘in loco’ a etapa do Velo Città da Stock Car com Fernando Silva, Felipe Noronha e Rodrigo Berton.
 
Saiba como foi a corrida 1 da Stock Car no Velo Città
 
A corrida começou com um carro a menos. Com problemas, Guga Lima não conseguiu largar para a primeira prova de um domingo muito quente, com a temperatura acima dos 32ºC no Velo Città. Lado a lado, os dois carros da Cimed protagonizaram a primeira fila do grid. Marcos Gomes tomou a dianteira, enquanto Fraga foi mais cauteloso por conta da sua posição no campeonato e foi superado por Casagrande, caindo para terceiro. 
 
Quem fez uma grande volta foi Daniel Serra, que ganhou a posição de Cacá Bueno e subiu para quarto. Mas a primeira volta não foi tão limpa para os pilotos do pelotão do meio. Os gaúchos César Ramos — vítima de um toque — e Vitor Genz rodaram e ficaram para trás. Júlio Campos, ao contrário, ganhou duas importantes posições ao ultrapassar Cacá Bueno e também Lucas Di Grassi, que caía para sétimo.
Largada da corrida 1 da Stock Car no Velo Città (Foto: Duda Bairros/Vicar/Vipcomm)
Gomes aproveitava as características mais travadas da pista e, com seguidas voltas mais rápidas, conseguia abrir vantagem sobre Casagrande e Fraga. O #88, no entanto, mostrava ter ritmo melhor em relação a Serra, o que significava grandes chances de reduzir ainda mais a diferença para o atual líder do campeonato.
 
A corrida parecia bem definida em favor de Gomes, mas o piloto enfrentou um problema na luz de freio, que não acendia, e recebeu a sinalização da direção de prova para fazer o reparo. Mas o piloto da Cimed seguia na pista como líder, sendo bem pressionado por Gabriel Casagrande, um dos bons nomes do fim de semana. Ao fim da nona volta, Marquinhos entrou no pit-lane e recolheu direto para os boxes. Casagrande era o novo líder da corrida.
 
A vantagem do piloto da Vogel era confortável em relação a Fraga: 1s405. Serra subia para o terceiro lugar, seguido por Cacá Bueno e Lucas Di Grassi, que conseguia fazer a ultrapassagem sobre Campos para entrar no top-5.
 
Com 20 minutos para o fim da corrida, a direção de prova autorizou a abertura da janela para pit-stop obrigatório. Era o momento chave de definição da prova no Velo Città. Casagrande entrou para fazer sua parada pouco depois, mas o paranaense deu um azar enorme por conta de uma porca mal fixada na roda traseira direita. Fim das chances de vitória para o #83 em Mogi Guaçu.
 
Assim como na corrida 2 em Cascavel, Átila Abreu esticou ao máximo seu stint antes do fim da janela, assim como Rubens Barrichello e Bruno Baptista. Depois dessas paradas, Felipe Fraga assumiu a liderança da prova com uma boa dianteira para Serra, que vinha em segundo, enquanto Cacá Bueno fechava o top-3.
Felipe Fraga contou com a ajuda da sorte de campeão para vencer no Velo Città (Foto: Duda Bairros/Vicar/Vipcomm)
Após a janela de pit-stops, Max Wilson surgia na quarta colocação, com Campos em quinto e Camilo em sexto, após ganhar a posição de Di Grassi. Nelsinho Piquet fazia boa corrida e aparecia em oitavo, enquanto a dupla da Shell V-Power entrava na melhor posição possível visando a corrida 2: nono lugar com Átila Abreu e décimo para Ricardo Zonta, que tinham tudo para fechar a primeira fila do grid da prova complementar da rodada dupla.
 
Mais atrás, Lucas Foresti lutava para se segurar em 11º, mas sofria com a falta de rendimento e segurava um pelotão que tinha ainda Felipe Lapenna, Ricardo Maurício, Rubens Barrichello e Bruno Baptista. O novato piloto da Hero rodou durante a disputa no fim da primeira curva e acabou ficando para trás, assim como Rafael Suzuki, que tinha problemas em seu carro. 
 
Foresti, na última volta, foi acertado por trás pelo carro de Maurício e rodou, também na primeira curva. Quem também deu muito azar nos metros finais foi Max Wilson, que aparecia em quarto, mas sofreu uma pane no carro e abandonou. Assim, Felipe Lapenna conseguiu terminar no precioso décimo lugar, que se converteu em primeira posição do grid da corrida 2.
 
Ao fim de 27 voltas, Fraga confirmou a fase esplendorosa e cravou a terceira vitória no campeonato, a segunda seguida, que o colocou ainda mais na batalha pelo título da Stock Car.

Stock Car 2018, Velo Città, corrida 1, final: 

1 F FRAGA Cimed 41:53.283 27 voltas
2 D SERRA RC Eurofarma +2.478  
3 C BUENO Cimed +7.258  
4 J CAMPOS Prati Donaduzzi +13.434  
5 L DI GRASSI Hero +14.819  
6 T CAMILO A. Mattheis/Ipiranga +15.072  
7 N PIQUET Full Time +16.623  
8 R ZONTA Shell +17.803  
9 A ABREU Shell +18.960  
10 F LAPENNA Cavaleiro +23.079  
11 R BARRICHELLO Full Time +23.603  
12 R MAURÍCIO Full Time +24.859  
13 A KHODAIR Blau +25.200  
14 L FORESTI Cimed +34.875  
15 B BAPTISTA Hero +43.348  
16 R SPERAFICO Hot Car Bardahl +59.984  
17 B FIGUEIREDO A. Mattheis/Ipiranga +1:47.431  
18 M WILSON RC Eurofarma +1 volta  
19 V BRITO Carlos Alves Eisenbahn +1 volta  
20 G OSMAN Cavaleiro +1 volta  
21 V GENZ Carlos Alves Eisenbahn +3 voltas  
22 R SUZUKI Hot Car Bardahl +6 voltas  
23 A PIZZONIA Prati Donaduzzi +8 voltas  
24 D NAVARRO Cavaleiro +9 voltas  
25 G CASAGRANDE Vogel +9 voltas  
26 M GOMES Cimed +17 voltas  
27 C RAMOS Blau +19 voltas  
28 D NUNES Full Time +24 voltas  
29 G LIMA Vogel não largou