Novo líder, Maurício supera falha de câmbio e comemora duplo pódio, “que foi o que deu”

Ricardo Maurício deixou o Velopark com um saldo bastante positivo na temporada 2019 da Stock Car. Mesmo com problemas no câmbio na segunda prova desde domingo (15), o titular da Eurofarma conseguiu dois terceiro lugares para assumir a liderança da classificação

Ricardo Maurício saiu com um saldo para lá de positivo da rodada dupla da Stock Car no Velopark. Neste domingo (15), conseguindo um terceiro lugar tanto na corrida 1 quanto na prova 2, o piloto é quem assumiu a liderança da classificação.
 
O vencedor da Corrida do Milhão foi quem largou da pole na primeira disputa da quente tarde do autódromo gaúcho. Entretanto, sem conseguir segurar as investidas de Felipe Fraga e Gabriel Casagrande, apenas controlou o ritmo para beliscar o terceiro degrau do pódio.
 
Na corrida 2 no Velopark, mesmo com um problema no câmbio, conseguiu assegurar mais um top-3 na etapa para somar importantes pontos para a classificação e assumir a ponta com seis pontos de vantagem para Daniel Serra.
 
Falando ao GRANDE PRÊMIO sobre o final de semana, reconheceu que não conseguiria melhores resultados do que os conquistados, explicando um pouco das estratégias adotadas. “Dois terceiros foi realmente o que me deu para fazer. O Fraga e o Casagrande, durante todos os treinos, os dois estavam alternando quem era o mais rápido”, ressaltou.
Ricardo Maurício foi o maior pontuador da etapa (Foto: Duda Bairros/Stock Car)

“Sabia que o ritmo dos dois ia ser muito forte na corrida, tinha também uma defasagem de pneu porque o melhor jogo de pneu, que era do treino, eu troquei, então tive que largar com pneu da classificação. Eu fui focado no campeonato, em não ficar detonando o botão de ultrapassagem na primeira corrida para vencer, para tentar chegar neles, mas sim guardar o máximo para uma corrida, pois sabia que teria mais vantagem no pit-stop de abastecimento”, seguiu.
 

“Na primeira parada a equipe viu que o Max [Wilson] entrou antes e acabou tendo problema, realmente era o gap que nós tínhamos a mais de combustível. Então meu gap era com o Thiago [Camilo], abastecemos um pouco mais, ele também. Voltamos em terceiro com o abastecimento, e na segunda corrida a gente teve essa vantagem de colocar o mínimo de combustível possível”, emendou.
 
“O carro rendeu médio na primeira corrida, a calibragem passou um pouco, na segunda corrida o carro estava mais estável, e daí deu para se manter ali mesmo. Um pouco de receio, um pouco de medo, duas vezes meu câmbio travou na quarta marcha na reta, não entrava a quinta, coloquei em terceira”, pontuou.
 
“Então teve uma hora que o Bruno abriu bem mais e então eu acabei administrando realmente para o Thiago, sabia que ele tinha poucos botões de ultrapassagem, pois ele gastou muito na corrida com o Max, também no finalzinho ele estava bastante ruim”, concluiu.

A próxima etapa da Stock Car ocorre em Cascavel, no dia 20 de outubro. O GRANDE PRÊMIO cobre tudo in loco com o repórter Pedro Henrique Marum. Acompanhe tudo aqui

 

Paddockast #33
10 ANOS DE SECA BRASILEIRA NA F1

Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube