Título lá, aprendizado cá: Rossi explica objetivos opostos na Stock Car e na Argentina

Matías Rossi tem calendário apertado em 2020, ano em que chegou ao Brasil para corre na Stock Car. E se por aqui ele busca conhecimento, na Argentina ele quer é taça

Matías Rossi pouco tem folgado: desde que o Super TC 2000 argentino começou, em uma semana ele corre no Brasil, na Stock Car, na outra está nas pistas do país vizinho. Mas os objetivos em cada campeonato são diferentes.

Em entrevista exclusiva ao GRANDE PRÊMIO, Rossi contou sobre como enxerga a Stock Car em 2020, um ano de aprendizado, e sobre como o plano em seu país natal é completamente diferente.

Se na Stock Car é estreante, por lá ele é campeão do Super TC em 2013, vice da mesma categoria em 2019 – ano em que também levou a Top Race.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Matías Rossi é piloto da Toyota – na Argentina, em equipe própria; no Brasil, pela Full Time (Foto: Toyota Gazoo Racing)

“Eu não miro o título na Stock Car, honestamente é difícil um estreante ganhar. Meu objetivo é andar rápido e aprender, somar conhecimento a cada corrida. O título não é algo que eu mire, mas sim tentar sempre melhorar o desempenho e ter como objetivo conseguir minha primeira vitória”, contou ao GP.

“Mas sim, na Argentina estou focado em buscar o título. Sei que tenho boas possibilidades, estou em primeiro tanto no Super TC 2000 como na Top Race e acredito que tenho boas chances”, seguiu.

É verdade: no Super TC 2000, ele tem 56 pontos após cinco corridas e ocupa a ponta, mesmo posto na Top Race, mas com 72 pontos em quatro provas. Na Stock Car, o desempenho é outro: mesmo com o pódio na corrida 2 do Velocitta, é apenas 18° colocado.

Matías Rossi comemora seu pódio no Velocitta (Foto: Duda Bairros/Vicar)

O pódio no Velocitta, aliás, foi comemorado com mais alegria do que o usualmente visto nas pistas brasileiras. Não que os pilotos da casa não vibrem, mas a emoção de Rossi foi claramente diferente. Por quê?

“Eu estava emocionado no pódio, estava feliz. Porque, para mim, é uma coisa nova a Stock Car – foi um desafio vir para cá e alcançar um bom resultado me emocionou. Aproveitei muito. Por isso estava emocionado e feliz”, disse.

“Conhecer a pista do Velocitta me ajudou, porque lá foi meu primeiro teste com um carro da Stock Car. Mas cada corrida é diferente, então não sei, vamos ver”, analisou, em relação à expectativa para as próximas etapas.

“Minha expectativa é sempre manter os pés no chão, pensando, trabalhado o dia a dia – estou na oficina sempre. Não sei se o bom resultado faz aumentar a expectativa, mas ao menos é melhor que vá para um final de semana conhecendo o circuito.”

Matías Rossi festeja o segundo lugar no Velocitta (Foto: Duda Bairros/Vicar)

E se viaja para lá e para cá, indo muito bem na Argentina, não tão bem no Brasil, deve haver alguma diferença específica que conte no desempenho. E se não encontrou tanta mudança no carro da Stock Car em relação ao da Top Race, não se pode dizer o mesmo sobre o do Super TC 2000.

“Não encontrei muita dificuldade com o carro, porque ele tem uma características com o que piloto na Top Race, na Argentina. Tive de me acostumar um pouco, mas a maior diferença sinto é na corrida, nelas que tenho mais dificuldade. As corridas são de muita estratégia, então acho que essa é a maior dificuldade na Stock Car: pensar e interpretar melhor ainda as corridas.”

“Já no Super TC 2000 começamos muito bem. A equipe está muito forte, então fomos bem nas primeiras corridas, dois segundos lugares. O carro muda muito, muito, não tem nada a ver um com o outro. As diferenças são muito grandes, porque lá o carro tem tração dianteira, muito mais leve, pesa muito menos, então é outra característica, muito diferente”, continuou.

“Então demorei algumas voltas para reencontrar meu costume com o carro. O carro do Super TC 2000 é instável, que sai muito nas curvas. Se foca no desempenho da frente, pela tração. Então ele sai um pouco de traseira, tem de ter cuidado com isso”, finalizou Rossi.

Matías Rossi no Brasil (Foto: Duda Bairros/Vicar)

Se no último final de semana ele alcançou um terceiro e um quarto lugares no Super TC 2000, na Stock Car ele volta a competir nos dias 7 e 8 de novembro, em Curitiba, com duas etapas – separadas no sábado e no domingo. O GRANDE PRÊMIO faz cobertura completa.

Ouça os programas do GRANDE PRÊMIO no formato de podcast:
Anchor | Apple | Spotify | Google | Pocket Cast | Radio Public | Breaker

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube