Conta-giro: com EVO, Pedercini vê Mundial de Superbike iniciando “nova era” e celebra redução de custos

Lucio Pedercini, chefe do time que leva seu sobrenome, afirmou que o Mundial de Superbike inicia uma nova era em 2014. Dirigente fez avaliação positiva da atuação da Dorna à frente do certame

Assim como aconteceu com a MotoGP, o Mundial de Motovelocidade também viu uma grande mudança em seu regulamento para a temporada 2014. A partir deste ano, a categoria das motos de produção conta com uma subdivisão, a chamada EVO.

No segundo ano sob o comando da Dorna, mesma empresa que promove o Mundial de Motovelocidade, a categoria passou por mudanças técnicas e esportivas que pretendem revitalizar o campeonato por meio do corte de custos, da melhora do espetáculo para a TV e também de uma aproximação entre as duas principais séries da motovelocidade mundial.

Lucio Pedercini acredita que gestão da Dorna dará visibilidade ao Mundial de Superbike (Foto: Pedercini)
A introdução da subcategoria EVO, aliás, é a principal arma dos promotores nesse sentido. Nessa classe, as motos contam com chassi de Superbike e motor de Superstock – que, entre outras coisas, permite o uso do sistema original de injeção eletrônica e conta com outras limitações na eletrônica.
 
Assim como acontece na categoria irmã, a introdução da EVO em 2014 é um primeiro passo, já que a ideia é aplicar este regulamento a todas as motos no próximo ano. 
 
Lucio Pedercini, chefe do time que leva seu sobrenome, afirmou em entrevista ao GRANDE PRÊMIO que o Mundial de Superbike vive o início de uma nova era e se mostrou animado com os efeitos da gestão da promotora espanhola.
 
“Tenho certeza que a Dorna vai trazer mais visibilidade ao campeonato”, comentou Pedercini. “É o início de uma nova era por muitas razões e acho que isso vai funcionar muito bem para o nosso esporte”, continuou. 
Pedercini alinhou com duas Kawasaki ZX-10R na configuração EVO (Foto: Pedercini)
“É um campeonato muito bom e divertido, além de ser mais fácil de participar”, lembrou. “As regras da Dorna são as mesmas para todos”, frisou.
 
Seguindo a tendência dos últimos anos, Pedercini lembrou que o mundo vive uma situação econômica difícil e que o corte nos custos do Mundial facilita para que os pilotos tenham acesso a equipamentos competitivos.
 
“Em um momento tão difícil para a economia, especialmente no mundo do motociclismo, a redução nos custos é crucial”, ponderou Lucio em entrevista ao GP. “Depois deste corte, será mais fácil encontrar uma moto competitiva, mesmo que não seja de fábrica, mas será sempre muito difícil encontrar o orçamento necessário”, indicou o dirigente.
 
Além da mudança de regulamento, a programação do fim de semana também foi alterada, com as corridas de domingo acontecendo em um intervalo de tempo muito menor. O objetivo é evitar que as provas do Mundial de Superbike coincidam com outros eventos esportivos.
 
“O cronograma de domingo foi encurtado, com as quatro corridas dos três campeonatos (Superbike, Supersport e Superstock) sendo realizadas em uma janela de quatro horas – das 10h30 às 14h30”, disse Lucio. “Isso significa que o dia de corrida vai terminar muito mais cedo. Pelo sistema antigo, a segunda corrida do Mundial de Superbike tradicionalmente começava às 15h30 no horário local, então o novo cronograma diminuiu o dia em até duas horas”, seguiu. 
Com Luca Scassa e Alessandro Andreozzi, Pedercini fez aposta em pilotos jovens (Foto: Pedercini)
Para 2014, a Pedercini fez uma aposta em jovens talentos e entregou as duas Kawasaki ZX-10R na configuração EVO para Alessandro Andreozzi e Luca Scassa.
 
“Nós começamos nossa 17ª temporada consecutiva no Mundial de Superbike com duas ZX-10R na especificação EVO para Alessandro Andreozzi e Luca Scassa”, explicou. “Os dois são da Itália e são jovens, e isso é muito importante para o nosso time. Nós acreditamos em jovens pilotos”, reforçou Lucio ao GP.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar