F1
28/07/2017 07:55

Frustrado na F1, Alonso põe Indy 500 como único grande momento no ano e considera mudar de categoria em 2018

Fernando Alonso ainda torce para o cenário atual mudar enquanto busca por um lugar onde possa ser competitivo e ter chance de voltar a lutar por vitórias na F1 em 2018. Caso não aconteça, mudar de categoria já é uma possibilidade bastante plausível ao bicampeão, que destacou sua participação em Indianápolis como único grande momento da temporada até agora
Warm Up, de Hungaroring
Redação GP, de Sumaré

Mesmo sendo considerado por muitos como um dos melhores pilotos da sua geração, Fernando Alonso não consegue traduzir seu talento e capacidade em vitórias. Na McLaren desde 2015, o bicampeão do mundo nem de longe tem um carro capaz de fazê-lo lutar por vitórias e títulos, de modo que seus melhores resultados desde então foram três quintos lugares. Muito pouco para um piloto do quilate de Alonso. Em 2017, novamente às voltas com a falta de confiabilidade e potência do motor Honda, Fernando sacudiu o mundo do esporte e decidiu buscar um novo horizonte ao disputar as 500 Milhas de Indianápolis. Ainda que fosse um novato na Indy, o espanhol brilhou, liderou boa parte da corrida e só não chegou até o fim por conta de outra quebra de motor Honda.
 
Mas Alonso não esquece sua jornada em Indianápolis. A ponto de considerar tudo o que viveu nas 500 Milhas como o único grande momento ao longo da temporada 2017 até agora. Porque, quando se trata de F1, restam apenas lamentações.
Fernando Alonso nã esconde a frustração com a falta de resultados na F1 e já considera mudar de ares em 2018 (Foto: AFP)
Em entrevista coletiva em Hungaroring, quando questionado se viveu algum grande momento na temporada 2017, muitos dos jornalistas presentes imaginavam alguma resposta relacionada à F1. Até que Alonso respondeu. “Sim, a Indy 500”.
 
Quanto à F1, não há muito o que comemorar. Perguntado se tem lembranças positivas além de Indianápolis, Fernando foi enfático. “Não. Esperávamos ser muito mais competitivos e não estamos correspondendo às nossas expectativas. Estamos trabalhando duro para melhorar a situação o quanto antes, mas está difícil, definitivamente”, disparou.
 
O vínculo de Alonso com a McLaren se encerra ao fim da temporada, e o futuro do bicampeão do mundo, que completa 36 anos neste sábado, é tema de debates no paddock. Alonso deixou claro que só continua na F1 se encontrar um carro minimamente capaz de vencer corridas em 2018. Considerando que a Red Bull já tem sua dupla fechada para 2018, a Ferrari caminha para renovar com Sebastian Vettel e Kimi Räikkönen e a Mercedes tende a ficar com Bottas, as possibilidades para o espanhol são muito restritas.
 
Assim, nem mesmo a chance de cruzar o Atlântico e disputar a Indy está descartada.
 

“A Indy está lá, é uma possibilidade. Sempre disse que estou muito aberto para o que vier no futuro. Minha prioridade ainda é a F1 e conquistar o tricampeonato, mas estou aberto a encontrar o caminho em qualquer equipe para alcançar isso”, ponderou Fernando, que não descarta nada para a temporada 2018.
 
“Estou aberto para ver outra categoria se isso não for possível para o ano que vem, então vamos ver em um mês ou em um mês e meio. Quero vencer no ano que vem, e para vencer nós precisamos de boas mudanças aqui, muitas mudanças aqui. Se isso acontecer, então há a possibilidade de ficar, e isso é algo que vou considerar em setembro”, finalizou, definindo setembro como prazo final para definir seu futuro na F1.
 
Com a LMP1 no Mundial de Endurance definhando após a saída da Porsche, anunciada nesta sexta-feira, e o DTM também em momento incerto com a retirada da Mercedes em 2018, restariam como alternativas mais plausíveis ao bicampeão um retorno à Indy, já que Alonso declarou não ser um grande fã da F-E no momento.
CASO VÁ BEM EM TESTE, KUBICA DEVE VIRAR TITULAR DA RENAULT JÁ A PARTIR DO GP DA BÉLGICA


Últimas Notícias
segunda-feira, 25 de junho de 2018
F1
Nascar
Motociclismo
F1
F2
F1
F1
domingo, 24 de junho de 2018
F1
Indy
Indy
F1
Indy
F1
F1
F3
Galerias de Imagens
Facebook