Copa GP

Copa Stratum GP de Kart: Pilotas contam suas experiências na bateria dedicada às mulheres

A nona etapa da Copa Stratum GP reservou um momento especial para as mulheres. Inspirada na campanha de conscientização contra o câncer, o Outubro Rosa, a Stratum promoveu uma bateria feminina de kart, seguida de uma motivadora roda de conversa sobre o câncer

Warm Up / VINÍCIUS PIVA, de São Paulo
O esporte tem a capacidade de unir pessoas em torno de uma causa. Essa máxima foi realidade na nona etapa da Copa Stratum GP de Kart, realizada no último sábado (13), no kartódromo da Granja Vianna. Antes da bateria decisiva, vencida por Gustavo Ariel, a Stratum organizou uma prova apenas com mulheres inspirada na campanha Outubro Rosa, que tem como objetivo alertar sobre a importância de se prevenir do câncer de mama.
 
Dezenove pilotas, a grande maioria estreantes no kartismo, alinharam no grid para disputar a festiva bateria. A vitória ficou com Gabriela Mesa, que largou na pole-position e disparou na frente. Depois da prova, que rendeu troféus para as cinco primeiras colocadas, as mulheres se reuniram para ouvir duas palestras sobre o câncer e compartilhar histórias de superação.
 
"Foi ótimo, eu esperava que fosse mais fácil, mas é bem difícil. É bem cansativo (risos). Legal que veio muita gente, bastante convidadas, todo mundo que marcou veio, essa foi a melhor parte. Que bom poder proporcionar isso", falou Charys Oliveira, diretora de operações da Stratum, patrocinadora da Copa Stratum GP de Kart.
Sala de briefing com as convidadas da Stratum reunidas (Foto: Rodrigo Berton)
Ao GRANDE PRÊMIO as cinco melhores classificadas relataram suas experiências ao volante do kart na pista da Granja. Confira.
 
Gabriela Mesa, vencedora
 
"Foi uma corrida muito legal, eu não sabia quem seriam as minhas adversárias. Aceitei o convite e vi que tinha bastante menina que não tinha tido a oportunidade de andar de kart. Achei muito legal porque eu treinei aquilo que eu tenho mais dificuldade, que é fazer ultrapassagem. E consegui porque não encostei em ninguém na corrida. O resultado veio e fiquei muito feliz."
 
"Faz sete anos que ando de kart, mas tive que fazer pausas porque tenho três filhos, um de quatro anos, um de dois e um bebezinho. Meu marido ir correr, mas estava chovendo e ele disse que ia ficar com a criançada e eu vim correr."
 
Paula Braz, segunda
 
"Sempre corro de kart, é a minha paixão. Sou chef de cozinha, sou muito estressada na cozinha e venho para cá relaxar. Foi uma prova boa, tranquila. 
 
"Peguei um ânimo e pensei 'tenho de ganhar, não gosto de perder'. E consegui ficar em segundo. Ando uma vez por mês há quatro anos. Hoje foi por um motivo muito importante, conscientizar as mulheres sobre o câncer de mama, que é uma doença muito frequente hoje em dia, e muitas mulheres não têm conhecimento. Então participar dessa corrida em prol dessa campanha foi muito bom."
 
Miriam Tomie, terceira
 
"Eu já tinha andado, mas na Granja foi a primeira vez. A última vez foi há dez anos. Foi muito legal, a pista estava um pouco molhada, escorregava e acabou deixando tudo mais emocionante, adorei. Me diverti muito, foi fantástico."
 
"Fiquei super feliz com o convite porque precisamos sim ter essa batalha [contra o câncer] na nossa vida. É uma competição com a gente mesma. Essa mensagem da batalha contra o câncer é super importante. As mulheres não estão sozinhas, precisam ter essa consciência e se cuidar."
 
Camilla Martins, quarta
 
"Foi maravilhoso, é a segunda vez que corro aqui, a primeira foi com os rapazes. Estou bem feliz por terminar em quarto, e ficar perto do terceiro lugar. Me diverti muito. Desta vez tinha mais confiança para acelerar, sem medo. A gente vê uma colega rodando e tem aquela coisa maternal, é competitivo, mas de um jeito diferente. É muito gostoso."
 
Elis Facha, quinta
 
"Correr de kart pela primeira vez com essa estrutura incrível, e ainda ficar entre as primeiras 5 colocadas, foi uma das melhores sensações que ja vivi. Ter participado deste projeto onde falamos de um assunto tão sério e ao mesmo tempo estar em um momento de diversão foi a maneira perfeita de chegar até as mulheres mostrando que o câncer de mama  está em todos os lugares."
 
"Falar sobre a doença é um alerta para que todas fiquem atentas aos seus corpos e, no meu caso em especial, falar sobre cura e tratamentos alternativos me faz imensamente feliz porque sei que levo a elas a certeza de que, sim, o câncer tem cura e que devemos abrir nossas mentes para o novo, o natural e a verdadeira cura da doença".
Pilotas deixam os boxes para a sessão de treinos (Foto: Rodrigo Berton)