Retrospectiva 2021: Toyota fatura WEC e 24h de Le Mans. Nasr/Derani brilha no IMSA

A temporada 2021 do endurance viu a Toyota viver dois momentos de glória: a conquista das 24 Horas de Le Mans e a vitória no Mundial de Endurance com o #7. No IMSA, a dupla formada por pilotos brasileiros levou a melhor

PRIMEIRA VITÓRIA E MAIOR CONSISTÊNCIA: OCON ESTÁ DE VOLTA?

A Toyota fechou 2021 cheia de motivos para comemorar a temporada no endurance. Além de faturar as 24 Horas de Le Mans com o carro #7, a montadora fundada por Kiichiro Toyoda também levantou a taça pelo WEC na estreia da era dos hipercarros. Foi o terceiro título seguido da montadora japonesa no Campeonato Mundial de Endurance.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

A festa começou em agosto, quando a equipe formada por Mike Conway, Kamui Kobayashi e José María López venceu pela primeira vez a mais tradicional das corridas de longa duração. Partindo a pole, o trio comandou a disputa em Le Mans desde as primeiras horas, administrou a vantagem que impôs ao outro carro da marca e não deu chances a ninguém para vencer com o carro #7 ― nos últimos três anos, a corrida gaulesa tinha visto apenas vitórias do #8.

O triunfo de Conway, Kobayashi e López inaugurou a era dos hipercarros, categoria que substituiu a LMP1 a partir de 2021 com a meta de levar as provas de longa duração de volta a um período de ouro.

Sébastien Buemi, Kazuki Nakajima e Brendon Hartley tiveram uma prova um pouco mais problemática em Le Mans, mas conseguiram o segundo posto, formando uma dobradinha para a Toyota. A terceira posição entre os hipercarros ficou com a Alpine, conduzida por Nicolas Lapierre, Matthieu Vaxivière e André Negrão.

TOYOTA; 8 HORAS DO BAHREIN; WEC; FIA WEC; ENDURANCE;
Festa dupla para a Toyota nas 8 Horas do Bahrein (Foto: Toyota Gazoo Racing)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!
Confira tudo sobre o Dakar 2022 aqui

No conjunto do campeonato, o #7 também levou a melhor, com Mike, Kamui e José María faturando o bicampeonato da categoria de resistência. Além de Le Mans, o trio venceu em outras duas vezes: em Monza e na primeira visita ao Bahrein. O #8 de Sébastien Buemi, Kazuki Nakajima e Brendon Hartley triunfou em Spa-Francorchamps, Portimão e na segunda passagem pelo território barenita. Os campeões, contudo, conseguiram quatro das seis poles possíveis.

E foi um ano de virada, na realidade. O trio do #8 venceu as duas primeiras corridas do ano, em Spa e Portimão, para depois ver o troco do #7 em Monza, Le Mans e 6 Horas do Bahrein. O #8 voltaria a levar a melhor nas 8 Horas barenitas, mas não seria o suficiente. A diferença de cinco pontos ficou marcada pelo quarto lugar do #8 em Monza, após problemas durante a corrida.

O terceiro colocado do campeonato ficou no carro da Alpine, com o trio do brasileiro André Negrão junto a Nicolas Lapierre e Matthieu Vaxivière – mesmo sem o poderio da Toyota, o conjunto foi ao pódio em todas as etapas.

Na classe LMP2, o título ficou com Robin Frijns/Ferdinand von Habsburg/Charles Milesi por conta de vitórias nas três últimas etapas – inclusive Le Mans; na GTE Pro, James Calado/Alessandro Pier Guidi ganharam com a AF Corse Ferrari; na GTE Am, também a AF Corse Ferrari, agora com Nicklas Nielsen/François Perrodo/Alessio Rovera. Todos os campeões venceram Le Mans, mostrando novamente o peso para a temporada.

Felipe Nasr e Pipo Derani vibram com o título (Foto: IMSA)

Já no IMSA SportsCar, nos Estados Unidos, a disputa pelo título foi até o finalzinho, mas quem levou a melhor foi a dupla brasileira, formada por Felipe Nasr e Pipo Derani ― a conquista foi a segunda de Nasr na categoria, mas a primeira de Derani.

Ao longo do ano, Felipe e Pipo conseguiram três vitórias ― na corrida 2 em Watkins Glen, Road America e Long Beach ―, abrindo caminho para a conquista da taça.

A confirmação da conquista veio de maneira dramática: grudados na classificação do campeonato, Derani/Nasr e Filipe Albuquerque/Ricky Taylor estavam em situação curiosa em Petit Le Mans, na despedida da temporada. Era simplesmente um caso de quem chegasse primeiro seria campeão.

Na última etapa, com Oliver Jarvis e Harry Tincknell na frente e levando a Mazda ao triunfo no adeus à categoria, Taylor e Nasr lutavam para terminar à frente. Taylor e Nasr disputaram posição na última volta, teve roda com roda e carro saindo da pista, mas Felipe levou a melhor.

Nas demais categorias, venceram Mikkel Jensen/Ben Keating (LMP2), Gar Robinson [LMP3] – com Felipe Fraga ao lado em quatro das cinco vitórias -, Antonio García/Jordan Taylor [GTLM] e Zach Robinson/Laurens Vanthoor [GTD].

RICCIARDO É PROBLEMA PARA MCLAREN OU 2021 FOI SÓ UM TROPEÇO?
Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Escanteio SP.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar