Acionista da F1, Banco Central da Noruega admite que compra de ações do Mundial foi um “erro”

Dono de uma fatia de 21% da F1, Banco Central da Noruega admitiu que compra das ações do Mundial foi um erro

O Banco Central da Noruega, admitiu que errou a comprar ações da F1. Em 2012, o Norges adquiriu uma fatia de 21% das ações do Mundial junto com outros dois investidores, as empresas de gestão de ativos Waddell and Reed e Blackrock.
 
Na Noruega, o acordo foi duramente criticado e as críticas aumentaram junto com o processo de corrupção contra Bernie Ecclestone. 
Banco da Noruega afirmou que errou ao comprar ações da F1 (Foto: Beto Issa/GP Brasil F1)
“Nó claramente indicamos que temos tolerância zero à corripção”, disse Yngve Slyngstad, diretor do fundo soberano de petróleo norueguês, ao diário de negócios ‘Dagens Naeringsliv’. “Sim, nós cometemos um erro”, admitiu.
 
Ecclestone será julgado em uma corte germânica no próximo mês por acusações de suborno e corrupção no caso da venda de ações da F1 para o banco alemão Bayern LB.
 
“Obviamente, se este caso não for tratado adequadamente, não vamos querer ser acionistas. Neste caso, não vamos manter nossas ações”, completou.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube