F1

Agora hexa, Hamilton fica mais perto de ser o maior da F1 nos números

Segundo piloto a alcançar a marca de seis títulos mundiais na história da Fórmula 1, Lewis Hamilton agora caminha para o grande objetivo da sua trajetória no esporte: bater os superlativos números de Michael Schumacher para ser eternizado como o maior de todos

Grande Prêmio / FERNANDO SILVA, de Sumaré

A incrível conquista de Lewis Hamilton, novo hexacampeão mundial de F1, leva muitos fãs do esporte a motor ao seguinte — e inevitável — questionamento: o britânico é o maior piloto da categoria em todos os tempos?
 
Cada um tem seus critérios subjetivos e preferências para determinar quem é o maior de todos. Difícil traçar um comparativo quando são colocados lado a lado pilotos que viveram seus dias de glória em momentos tão distintos do esporte e do mundo como um todo. 
 
Juan Manuel Fangio, Jim Clark, Jackie Stewart, Nelson Piquet, Ayrton Senna, Alain Prost, Niki Lauda, Sebastian Vettel, Michael Schumacher, Lewis Hamilton: todos dignos de fazer parte da galeria das lendas da Fórmula 1, dentre tantos outros, cada um brilhando em seu respectivo tempo.
Hamilton e Schumacher são os dois maiores pilotos da F1 nos números (Foto: McLaren)
Mas em meio a tantos nomes icônicos do esporte, Hamilton é apenas o segundo homem em toda a história a chegar ao sexto título mundial na F1. O primeiro foi Schumacher, na esteira de uma incrível dinastia da Ferrari no começo do século, ao confirmar o hexa em 2003. No ano seguinte, o alemão chegou à inacreditável marca de sete taças do mundo.
 
Hamilton está quase lá. Depois de ter superado os números do seu grande ídolo nas pistas, Senna, o britânico chegou a dizer que bater os recordes de Schumacher não fazia parte do seu objetivo de carreira, mas tudo mudou quando o piloto seguiu enfileirando poles, vitórias, títulos. E daí partiu a obsessão de ser o melhor em tudo. De ser o maior de todos os tempos.
 
Dentre os principais recordes de performance, um já é de Hamilton: o de ‘rei das poles’ na F1. É bem verdade que o agora hexacampeão não larga na frente desde o GP da Alemanha, no fim de julho, mas pouco importa. Lewis é o maior da estatística com 87 vezes na posição de honra do grid, contra 68 de Schumacher.
 
Em vitórias, um dos principais recordes da F1, Schumacher ainda lidera com os 91 triunfos da carreira, mas Hamilton está cada vez mais perto, com 83 conquistas, superando em 30 o terceiro colocado na lista, Vettel. Hamilton também é o único piloto a vencer pelo menos uma vez em cada uma das temporadas em que correu na F1.
Hamilton seguiu o caminho dos recordes de Schumacher após superar Senna (Foto: Mercedes)
Quanto às vezes em que cada um foi ao pódio, Schumacher ainda lidera, com 155, mas Hamilton se aproxima e tem tudo para superar a marca nas primeiras corridas de 2020. O britânico soma 150 troféus na F1, tendo Vettel novamente em terceiro, com 120.
 
Um dos recordes que Hamilton está bem distante de bater é menos nobre: o de voltas mais rápidas. Schumacher domina a estatística com 77 vezes fazendo o melhor tempo de uma corrida na F1. Lewis aparece empatado em 46 com um dos seus contemporâneos do grid: Kimi Räikkönen.
 
Hamilton ainda está bem longe de Schumacher quando o assunto é o número de voltas lideradas: 5.111 para o alemão, contra 4.425 do britânico, contando a atuação n GP dos EUA deste último domingo. Mas Lewis lidera a estatística de GPs liderados na F1 ao superar o alemão: 145 x 142 para o novo hexacampeão do mundo. O piloto da Mercedes também é o dono do recorde de pontos somados na F1, com 3.399 com o segundo llugar n GP dos Estados Unidos, mas trata-se de um recorde que perdeu sua importância em razão da mudança de pontuação em fases distintas da F1, tanto que Schumacher aparece apenas em sexto na lista, com 1.566 tentos.
 
Os números de Hamilton são superlativos também no que é conhecido como ‘hat trick’: pole, volta mais rápida e vitória em uma corrida. Lewis soma 14, contra 22 de Schumacher. Mas em ‘grand chelem’, façanha ainda mais difícil, onde o piloto tem de largar na frente, fazer a volta mais rápida e vencer depois de liderar todas as voltas da corrida, o dono do recorde não é Hamilton e tampouco o heptacampeão: Jim Clark soma 8, contra 5 da dupla de multicampeões mundiais de F1.
Lewis Hamilton alcança o Olimpo do esporte como um dos maiores da história (Foto: Beto Issa)
Hamilton tem totais condições de quebrar vários dos recordes que ainda restam ser superados na F1. A seu favor, conta o fato de correr por uma equipe que beira a perfeição mesmo quando não tem o melhor carro para vencer uma corrida, algo que aconteceu até com frequência nesta temporada. 
 
A manutenção das regras para o ano que vem é algo que pode ajudar muito Lewis a chegar ao sétimo título mundial, até porque a Mercedes já trabalha em cima do sucessor do W10. E com um calendário cada vez mais amplo, com 22 GPs a partir do ano que vem, as oportunidades são ainda maiores para que os superlativos números ganhem contornos ainda mais impressionantes.
 
Sobre a questão feita no parágrafo que abre o texto, talvez só seja possível entender o tamanho de Lewis Hamilton para a F1 e para um esporte como um todo quando chegar o dia da sua aposentadoria. Um dia que, por mais que seja inevitável, todo o fã do automobilismo e de Hamilton torce para demorar a chegar.
Paddockast #40
QUEM VOCÊ ENTREVISTARIA NO GP DO BRASIL?


Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.