Alonso admite maior preocupação com McLaren e vê Hamilton como "adversário mais perigoso"

Fernando Alonso encerrou no último domingo, na Bélgica, a série de 23 corridas na zona de pontuação na F1, depois de ter sido atingido pelo carro de Romain Grosjean na largada. Alonso lamentou o abandono, mas minimizou o avanço dos principais rivais na luta pelo título

Fernando Alonso viu no último domingo (2), em Spa-Francorchamos, a chance de pontuar de forma seguida, pela 24ª vez na carreira, cair por terra depois do acidente provocado por Romain Grosjean ainda na largada. O piloto da Lotus provocou um verdadeiro strike depois de tocar no carro de Lewis Hamilton e atingir Alonso, Sérgio Pérez e Kamui Kobayashi.  Sem o líder do campeonato na pista, os outros postulantes ao título tiveram boas atuações e reduziram a diferença para o piloto da Ferrari. Alonso, entretanto, não se mostrou amargurado com o abandono e tentou minimizar a perda dos pontos e o avanço dos rivais.

Alonso vê Hamilton como rival mais perigoso na briga pela título (Foto: Ferrari)

Preocupado com o desempenho da McLaren, o espanhol afirmou que não enxerga Vettel, Raikkonen e Webber com tanto perigo para suas ambições no campeonato. Para o asturiano, o problema da Ferrari é a equipe capitaneada por Martin Whitmarsh. O bom desempenho apresentado pelos rivais ingleses na Hungria, antes das férias, e agora na Bélgica impressionou Fernando, que já aponta Hamilton como o adversário mais perigoso na reta final da temporada. O britânico, também envolvido no acidente em Spa, aparece em quinto na classificação, 47 pontos atrás, e também completou a corrida, situação que causou alívio no bicampeão.

“O que aconteceu foi realmente uma pena”, disse o espanhol aos jornalistas em Spa, logo após o fim da corrida. Baseado na performance do companheiro Felipe Massa, que concluiu a prova em quinto, Alonso acreditava que o pódio era possível, apesar da distância em termos de ritmo para o carro de Jenson Button, vencedor do GP belga. “Acho que poderíamos ter saído daqui com um pódio, que era o meu objetivo principal. Especialmente depois de tudo que Felipe fez na corrida. Nós pagamos um preço alto demais por essa falta de sorte. E agora a sorte precisa voltar a estar ao nosso lado. Por isso, temos de ver o que vai acontecer a partir da próxima prova”, completou. 

 
Alonso reiterou ainda que o prejuízo poderia ter sido bem maior. "Nós tivemos uma perda da vantagem que tínhamos para Vettel, Raikkonen e Webber, mas não perdemos nada em relação a Hamilton, que, diante do rendimento da McLaren, é possivelmente o nosso adversário mais perigoso", disse. “Agora, vamos para Monza, que é a nossa corrida caseira e onde os torcedores são mais fanáticos. A meta é tentar tirar alguma vantagem dos adversários e minimizar as perdas que tivemos aqui”, acrescentou.

O Grande Prêmio cobre 'in loco' neste fim de semana a 13ª etapa do Mundial de F1, o GP da Itália, direto de Monza, com Evelyn Guimarães.

 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube