Alonso reitera que deixar Ferrari foi decisão certa e diz que eventual tri só será possível na Mercedes ou na McLaren

Uma vez mais, Fernando Alonso reiterou que não tem dúvidas de que tomou a decisão certa ao deixar a Ferrari no fim de 2014 e que, atualmente, as únicas equipes do grid que são capazes de lhe dar condições para um eventual tricampeonato são Mercedes e McLaren

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Fernando Alonso acha que só a McLaren ou a Mercedes são capazes de lhe dar condições para conquistar um eventual terceiro título na F1 neste momento. 

 
Depois de cindo temporadas na Ferrari, o espanhol decidiu trocar Maranello — onde ainda tinha um contrato para mais dois anos — pela equipe de Woking, onde já esteve em 2007. A escolha foi bastante questionada no ano passado, quando Sebastian Vettel, que assumiu seu lugar no icônico carro vermelho, conseguiu três vitórias, enquanto o time inglês amargava um desempenho bem abaixo do esperado devido à pouca competitividade do motor Honda.
 
Neste ano, entretanto, a McLaren já apresenta clara evolução, assim como as unidades de potência japonesas, enquanto a esquadra italiana atravessa um período de queda de performance e começa a viver uma crise dentro de suas garagens por conta dos recentes resultados, além de enfrentar o crescente avanço da Red Bull — inclusive, a equipe austríaca já superou a italiana no Mundial de Construtores, assumindo a vice-líderança.
Fernando Alonso tem certeza de que tomou a decisão certa ao deixar Ferrari (Foto: Getty Images)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 1
,components : { mute: {delay :3}, skip: {delay :3} }
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);
Por isso, o bicampeão tem para si que tomou uma decisão correta há quase dois anos. "Eu estava certo", afirmou o asturiano. "Eu estava certo, porque sentia que era o melhor a fazer naquele momento. Em 2014, eu decidi sair e ainda tinha mais dois anos de contrato, mas sabia que estava certo em sair. O que quer que aconteça agora ou no futuro com a Ferrari, eu só posso dizer que vivi um tempo fantástico lá e quis fechar meu ciclo dessa forma", completou o #14.

 
Fernando, no entanto, lembrou da pressão e da cobrança excessiva em Maranello. "A cada ano, era um estresse a mais, porque se você não ganha parece que a culpa é sua. Mas também agora não é um alívio ver que eles não estão vencendo ou tendo mais problemas, eu não desejo nada de ruim para a Ferrari, porque é uma equipe que levo no meu coração. Sempre", disse o piloto.
 
"Porém, do ponto de vista do piloto, da competitividade ou das minhas esperanças quanto a um terceiro título, posso dizer que isso só é possível se estiver na Mercedes ou na McLaren. Essa é a minha opinião e o meu sentimento quanto às minhas decisões", explicou o espanhil, que recentemente completou 35 anos.
PADDOCK GP #40 RECEBE SÉRGIO JIMENEZ

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)<0?n+="px":n,cc.style.display="",s2.width=n,window.frameElement&&(s1.height=c2.offsetHeight+5+"px"),t=500,s1.width="100%"}rs(t)},200)}var c1=window.frameElement?window.frameElement:document.getElementById("crt_ftr"),c2=document.getElementById("crt_ftr"),s1=c1.style;s1.position="fixed",s1.bottom="-4px",s1.left="0px",window.frameElement&&(s1.height="0"),c2.style.textAlign="center",s1.zIndex="60000";var cc=document.getElementById("crt_cls"),s2=cc.parentNode.style;cc.onclick=function(){s1.display="none"};var t=0;rs(0);

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth < 970) ? 302357 : 302359;
document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube