Alonso relembra rivalidade e diz que Schumacher foi “adversário mais difícil” na F1

Em um documentário lançado recentemente pela plataforma DAZN, o espanhol abriu o jogo sobre sua relação com Michael Schumacher e revelou que o alemão foi a maior referência durante o início da carreira

Ao longo da duradoura carreira que tem na F1, Fernando Alonso enfrentou adversários do mais alto calibre. Além da inesquecível disputa interna com Lewis Hamilton em 2007, quando ambos estavam na McLaren, o asturiano também duelou contra aquele que, de acordo com ele, foi o adversário mais difícil em seus anos na categoria: Michael Schumacher.

Aos 42 anos de idade, Alonso continua sendo um dos principais nomes do esporte a motor. Em 2023, com o início de temporada surpreendente da Aston Martin, o dono do #14 conquistou oito pódios, terminando na quarta colocação do Mundial de Pilotos. De acordo com o próprio Fernando, muito do que ele se tornou foi devido à influência de Schumacher.

Relacionadas


“Um rival, uma rivalidade, e uma inspiração também”, disse Alonso no documentário ‘Fernando: Revealed’, da rede espanhola DAZN. “Além de ser um dos rivais mais difíceis que já tive, ou o mais difícil que já tive, você tem que pensar que qualquer criança precisa de uma referência”, continuou.

“Quando eu estava no kart, o Michael já estava na F1, e ele havia vencido alguns campeonatos. Foi justamente quando eu me aproximei da minha estreia na F1 que o Michael começou a dominar a categoria”, lembrou.

Fernando Alonso e Michael Schumacher duelando no GP de San Marino de 2005 (Foto: XPB Images)

O piloto da Aston Martin também recordou da época em que ainda competia nas categorias de acesso, mas os eventos aconteciam durante o mesmo fim de semana da classe rainha. Encantado com a maneira de Schumacher, o ainda jovem Fernando tentou imitar o alemão em tudo.

“Durante minha passagem pela Fórmula Nissan, F3000, eu dividi a pista com a F1 e Michael. Ele vencia quase todas as corridas, então você começa a notá-lo: como ele age, como ele responde, como ele se veste, como ele pilota”, detalhou o companheiro de Lance Stroll. “Ele é uma inspiração de quem você faz anotações mentais e, de repente, você se vê competindo contra ele, lutando todos os domingos. Foi muito especial. Ganhar os títulos com ele na pista também é uma lembrança que levarei para sempre”, confessou.

Apesar de ser referência e ídolo, Alonso reconheceu que Schumacher não era um pessoal muito fácil de lidar dentro do ambiente da F1. “Michael era um cara muito duro em tudo, não só na pista a nível esportivo, mas também fora dela. Ele era muito frio, sempre mantinha distância e sempre tentava intimidar”, recordou.

“Ele era um piloto com quem era muito difícil ter uma conversa. Você ia para o briefing e ele te olhava um pouco estranho. Você sabia que havia uma rivalidade, mas ele literalmente levou para esse lado”, enfatizou o bicampeão. “Eu também tinha esse espírito competitivo, brigávamos muitas vezes. Com respeito, mas foi uma rivalidade dura”, afirmou.

Fernando Alonso colocou Michael Schumacher como maior rival da carreira (Foto: AFP)

Mesmo quando ainda não havia chegado à F1, Alonso sempre observou os principais pilotos de sua época, e sonhava um dia ter a oportunidade de derrotá-los. Além do heptacampeão, o asturiano recordou de outro bicampeão mundial, Mika Häkkinen, em sua época na McLaren.

“Tive anos na minha carreira em que comecei a me preparar para o momento que iria chegar. Então, quando cheguei à F1, eu tinha Michael como referência e estava aprendendo coisas, mas, ao mesmo tempo, estava me preparando para o ‘Dia D’, para quando eu tivesse um carro como o deles”, afirmou. “Schumacher e Häkkinen dominaram com a Ferrari e a McLaren. Eu dizia: ‘Tenho de melhorar nisso’. Pequenas coisas que eu estava fazendo em 2003, 2004, e isso é um trabalho mais nas sombras. Mas para 2005 [ano em que conquistou o seu primeiro título], não é de repente, é um trabalho de anos. No automobilismo você tem de olhar seis meses ou um ano à frente”, alertou.

Em 2024, Alonso vai para a 21ª temporada na F1. Após um ano com resultados melhores do que era previamente esperado, o espanhol tem expectativas maiores para a próxima temporada, quando vai assumir o volante do carro esmeraldino da equipe de Lawrence Stroll mais uma vez.

Fórmula 1 retorna às pistas de 21 a 23 de fevereiro, com os testes coletivos da pré-temporada no Bahrein, no circuito de Sakhir.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
▶️ Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

Chamada Chefão GP Chamada Chefão GP 🏁 O GRANDE PRÊMIO agora está no Comunidades WhatsApp. Clique aqui para participar e receber as notícias da Fórmula 1 direto no seu celular! Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.