Bater Ferrari em Suzuka “vai ser super difícil, mas não impossível”, prevê Hamilton

Lewis Hamilton é realista sobre suas chances de triunfar neste fim de semana em Suzuka. Dono de quatro vitórias nos últimos cinco anos no Japão, o pentacampeão do mundo entende que a Ferrari novamente chega como a equipe a ser batida. Na visão do britânico, a Mercedes não vai ser a favorita em nenhuma das cinco provas que restam para o desfecho da temporada

O período pós-férias da temporada 2019 da Fórmula 1 marca a incrível arrancada da Ferrari, que se coloca hoje como o melhor carro do grid, desbancando o domínio da Mercedes. E, na visão de Lewis Hamilton, a tendência é que o cenário visto nas últimas corridas se repita não apenas no GP do Japão deste fim de semana, mas até o fim do campeonato com as últimas corridas: México, Estados Unidos, Brasil e Abu Dhabi.
 
Ainda no fim de semana do GP da Rússia, onde saiu com a vitória na esteira de uma estratégia controversa da Ferrari com Sebastian Vettel e Charles Leclerc, Hamilton foi claro: bater a Ferrari em Suzuka “vai ser super difícil, mas não impossível”.
Lewis Hamilton não vê a Mercedes como favorita na reta final da temporada (Foto: AFP)

O britânico ainda aproveitou para traçar uma perspectiva do que a Mercedes pode render nas próximas corridas.

 
“Acho que Austin pode ser bom para nós. Nos lugares onde temos a reta mais longa, é difícil compensar, como aqui [em Sóchi]. O México não é fácil. O Brasil ainda pode ser bom para nós porque geralmente funcionamos bem em circuitos mais quentes, no geral. Obviamente, há uma grande reta lá, mas não é um problema. Acho que as outras corridas têm retas mais longas”, explicou.
 
Mesmo em meio a uma sequência muito forte de Leclerc, que conseguiu emplacar nada menos que quatro poles consecutivas, Hamilton também apresentou grande performance em ritmo de classificação e dividiu a primeira fila com o monegasco nas três últimas corridas. Na visão do pentacampeão, ter uma boa colocação no grid é fundamental para conseguir ter chances de vitória nesta reta final do campeonato.
 
“Se conseguirmos colocar o carro em uma boa posição na classificação, se nos classificarmos na posição correta, acho que nós geralmente somos fortes na maioria das corridas. Mas o posicionamento é tudo”, explicou.
 
“Não acho que vamos ser favoritos nessas corridas, mas acho que ainda podemos chamar a atenção”, finalizou o quase hexacampeão mundial de F1.
Paddockast #36
O MELHOR PILOTO SEM VITÓRIA NA F1

Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube